Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-04-29T09:43:48-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
de olho no ipg-m

Inflação do aluguel desacelera 0,80% em abril, diz FGV

Com o resultado, IGP-M acumula alta de 2,50% em 2020 e de 6,68% em 12 meses

29 de abril de 2020
9:43
prédio aluguel
Imagem: Shutterstock

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), conhecido como "inflação do aluguel", desacelerou a 0,80% em abril, de 1,24% em março, informou nesta quarta-feira, 29, a Fundação Getulio Vargas. Com o resultado, o indicador acumula alta de 2,50% em 2020 e de 6,68% em 12 meses.

O resultado do IGP-M ficou em linha com a mediana das estimativas de mercado apurada pelo Projeções Broadcast, do sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, que indicava inflação de 0,82% no mês. Em 12 meses, o resultado também ficou próximo do que sinalizava a estimativa intermediária de mercado, de 6,73%.

A desaceleração do IGP-M foi puxada pelo arrefecimento do Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que arrefeceu para 1,12% em abril, de 1,76% em março. O indicador acumula alta de 3,23% em 2020 e de 8,54% em 12 meses.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) ficou praticamente estável, de 0,12% em março para 0,13% em abril, e acumula variação de 0,99% no ano e de 2,63% em 12 meses.

O Índice Nacional de Custos da Construção (INCC), divulgado na terça-feira, 28, pela FGV, teve queda de 0,38% em março para 0,18% em abril e acumula taxa de 1,16% em 2020 e de 4,02% em 12 meses.

IPAs

No Índice de Preços ao Produtor Amplo, houve alívio na inflação tanto de produtos agropecuários, quanto de produtos industriais. O IPA agropecuário desacelerou para 2,85% em abril, de 3,90% em março, enquanto o IPA industrial arrefeceu para 0,49% agora, de 1,01% na divulgação anterior.

Em 12 meses, a taxa do IPA chega a 8,54% (de 8,48% em março), enquanto os produtos agropecuários acumulam alta de 17,55% (de 14,8%) e os produtos industriais têm variação de 5,52% (ante 6,34%).

Entre os estágios de produção, a maior variação negativa partiu dos bens finais, que praticamente não variaram em abril (0,01%), após registrarem alta de 0,77% em março. A maior contribuição para o comportamento do grupo partiu dos combustíveis para o consumo, que aprofundaram a tendência deflacionária e recuaram 23,76% nesta divulgação, contra 4,82% na anterior.

Os bens intermediários tiveram leve aceleração e registraram variação nula (0,0%), após uma queda suave, de 0,03%, em março. A mudança foi puxada pelo comportamento do subgrupo materiais e componentes para a manufatura, que acelerou de 1,57% para 3,1%.

As matérias-primas brutas também perderam força e oscilaram de 4,77% em março para 3,44% em abril, puxadas pelo comportamento de bovinos (3,38% para -2,92%), aves (0,95% para -5,26%) e suínos (3,71% para -10,22%). No sentido oposto, os destaques são soja em grão (5,03% para 8,61%), arroz em casca (0,69% para 3,45%) e trigo em grão (4,74% para 8,59%).

Em 12 meses, os bens finais acumulam alta de 3,07%, os bens intermediários têm taxa de 3,01% e as matérias-primas brutas, de 21,5%. Em 2020, a variação acumulada dos grupos é de 0,24%, 0,85% e 9,04%, respectivamente.

Influências individuais

No IPA, as maiores pressões para baixo partiram dos combustíveis, com aceleração na queda da gasolina automotiva (-6,61% para -32,69%) e do óleo diesel (-9,26% para -15,77%). Além deles, também se destacam o comportamento da carne de aves (-2,11% para -5,08%), bovinos e aves.

Na outra ponta, as pressões para cima partiram do farejo de soja (6,44% para 20,69%), ovos (10,84% para 11,91%) e café em grão (10,6% para 10,07%), além da soja em grão.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Ele está de volta?

Setores fazem pressão por volta do horário de verão

Criado com a finalidade de aproveitar o maior período de luz solar durante a época mais quente do ano, o horário de verão foi instituído no Brasil em 1931 pelo então presidente Getúlio Vargas e adotado em caráter permanente a partir de 2008.

MANOBRAS

Juiz põe no banco dos réus ex-gestores do banco Máxima por gestão fraudulenta

O Banco Máxima S.A. informa que seus atuais acionistas assumiram a administração do banco em 2018, após aprovação pelo Banco Central, e que os integrantes da antiga gestão não têm mais qualquer relação com a instituição financeira

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Mesa Quadrada

Comentarista da ESPN Paulo Antunes fala da sua paixão por futebol americano e experiência no mercado financeiro

Ele conta sobre suas aventuras na cobertura de futebol americano e basquete e ainda revela seus investimentos na Bolsa em novo episódio do podcast Mesa Quadrada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies