Menu
2020-03-26T16:52:01-03:00
ECONOMIA

G20 injeta US$ 5 trilhões na economia para conter coronavírus

Grupo de países ricos anuncia apoio fiscal ousado e em larga escala

26 de março de 2020
16:51 - atualizado às 16:52
Helicóptero joga dólares
Imagem: Shutterstock

Os líderes do G20 reuniram-se hoje (26), por videoconferência, para discutir as ações para atenuar os impactos sociais e econômicos da pandemia de covid-19. De acordo com comunicado conjunto, os países estão injetando mais de US$ 5 trilhões na economia global, em políticas fiscais direcionadas, medidas econômicas e esquemas de garantia.

A reunião foi organizada pela Arábia Saudita, que está na presidência rotativa do grupo dos 20 países mais ricos do mundo. O presidente Jair Bolsonaro participou da videoconferência.

O grupo informou que vai continuar realizando um apoio fiscal ousado e em larga escala. “Estamos adotando medidas imediatas e vigorosas para apoiar nossas economias; proteger trabalhadores, empresas - especialmente micro, pequenas e médias empresas - e os setores mais afetados; e amparar os vulneráveis por meio de uma proteção social adequada”, diz o comunicado.

Entre outras ações, os países do G20 vão acompanhar os riscos de dívida em países de baixa renda devido à pandemia e pedir que seus ministros de Finanças e os bancos centrais trabalhem com as organizações internacionais para fornecer a assistência financeira internacional apropriada. “Apoiamos as medidas extraordinárias adotadas pelos bancos centrais. Os bancos centrais agiram para apoiar o fluxo de crédito para as famílias e empresas, promover a estabilidade financeira e aumentar a liquidez nos mercados globais”, diz o comunicado.

Os líderes do G20 lamentaram as mortes ocorridas, expressaram sua gratidão aos profissionais de saúde e comprometeram-se coletivamente no esforço de proteger vidas, os empregos e a renda das pessoas; restaurar a confiança, preservar a estabilidade do mercado e retomar o crescimento; minimizar as interrupções no comércio e nas cadeias de suprimentos globais; prestar ajuda a todos os países que precisam de assistência, e coordenar medidas financeiras e de saúde pública.

“A pandemia sem precedentes de covid-19 é um lembrete poderoso de interconectividade e vulnerabilidades dos países. O combate à pandemia exige uma abordagem transparente, robusta, coordenada, em larga escala e baseada na ciência e no espírito global de solidariedade”, diz o comunicado.

Combate à pandemia

Os países do G20 se comprometeram também a adotar todas as medidas de saúde necessárias, trocar informações e garantir o financiamento de combate à pandemia e proteção às pessoas. “Expandiremos a capacidade de fabricação para atender às crescentes necessidades de suprimentos médicos e garantir que eles estejam amplamente disponíveis o mais rápido possível, a um preço acessível, de forma equitativa, onde são mais necessários”, diz o documento divulgado após a reunião.

Para o grupo, ações urgentes de curto prazo devem ser tomadas para proteger os trabalhadores da saúde na linha de frente de combate e para entregar suprimentos médicos, especialmente de diagnóstico, tratamentos e vacinas. O G20 também quer fortalecer a capacitação e assistência técnica, especialmente para as comunidades em risco.

“Estamos preocupados com os sérios riscos colocados a todos os países, particularmente para países em desenvolvimento e menos desenvolvidos, principalmente na África e nos pequenos estados insulares, onde os sistemas e economias de saúde possam ser menos capazes de lidar com o desafio, bem como o risco particular enfrentado por refugiados e pessoas deslocadas”, diz o comunicado do G20, que considera que consolidar a defesa da saúde da África é a chave para a resiliência da saúde global.

E, para resguardar o futuro, os líderes ainda se comprometeram a fortalecer a capacidade, nacional e mundial, de responder a potenciais surtos de doenças infecciosas, com o fortalecimento da cooperação científica, a alavancagem de tecnologias e o aumento do financiamento para pesquisa e desenvolvimento de vacinas e medicamentos.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Coronavírus no Brasil

Brasil tem 7.910 casos de coronavírus e 299 mortes

Índice de letalidade aumentou de 3,5% para 3,8%

Alívio na bolsa

Ibovespa fecha em alta; disparada do petróleo se sobrepõe à cautela com o coronavírus

O Ibovespa subiu mais de 1%, sustentado pelo bom desempenho das ações da Petrobras em meio à forte valorização das cotações do petróleo. O dólar à vista fechou em leve alta e cravou mais um recorde nominal

Proteção

Pandemia de coronavírus foi a ‘desculpa’ para mercados supervalorizados corrigirem, diz NCH Capital

Em sua carta mensal de março, gestora que vem se saindo bem diante da crise diz que seu modelo já via os mercados valorizados demais, o que a levou a proteger suas posições, embora muito mais cedo do que deveria

Comprando na crise

Investidor pessoa física entra com R$ 17,5 bilhões na bolsa em março

Quem vendeu a maior parte das ações para as pessoas físicas foram os investidores estrangeiros, cujo saldo na bolsa ficou negativo em R$ 24,2 bilhões em março

Por contra da crise

Bradesco antecipa 1ª parcela do 13º salário a funcionários por coronavírus

Bradesco vai antecipar para seus cerca de 100 mil funcionários o pagamento da primeira parcela do 13º salário; pagamento será feito em 29 de abril

Efeito coronavírus

Itaú Asset espera contração de 3,3% do PIB e vê Selic a 1,5% no fim de 2020

A taxa de câmbio esperada pelo Itaú Asset ao fim de 2020 é de R$ 4,85, mesma estimativa para 2021; inflação terminará ano em 2%, abaixo do centro da meta de 4%

AJUDA DO BILIONÁRIO

Bilionário Elon Musk vai enviar ventiladores pulmonares para hospitais, mas com uma condição

Fundador da Tesla e da SpaceX quer que os equipamentos sejam instalados e usados imediatamente para os pacientes, e não “guardados em um armazém”

Críticas

Presidente do BB tem de tratar de liquidez e não sobre isolamento, diz Maia

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia aproveitou a videoconferência que realizou hoje para criticar a postura do presidente do Banco do Brasil

Crescimento de ganhos

Lucro de companhias abertas sem Vale, Petrobras e Oi cresce 7% em 2019, diz estudo

Lucro cresceu 7,16% em 2019, passando de R$ 94,2 bilhões em 2018 para R$ 101 bilhões no ano passado, segundo levantamento da Economática

não está em diário oficial

Doze horas após Bolsonaro anunciar sanção de auxílio, MP ainda não foi publicada

Ajuda a trabalhadores informais, autônomos e microempreendedores durante a pandemia do coronavírus ainda não tem validade

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements