Menu
2020-03-18T22:01:00-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
OLHA NA CRIPTOMOEDA

Em momento de aversão ao risco, bitcoin falha como reserva de valor e cai 30% no mês

Entre os motivos para a queda está a crise de liquidez aguda que os ativos vêm sofrendo, especialmente pelas particularidades do mercado

18 de março de 2020
14:19 - atualizado às 22:01
bitcoin bolsa
Imagem: Shutterstock

Depois de ser chamado por muitos investidores de ouro digital, o bitcoin não vem se provando como uma boa forma de reserva de valor durante o atual momento de incerteza mundial. Desde o começo deste mês, a criptomoeda mais conhecida do mundo viu a sua cotação cair 30%. Os dados têm como base o índice bitcoin criado pela Associação Brasileira de Criptoeconomia (Abcripto).

Para a análise, o índice leva em consideração o preço de referência do bitcoin para o par BTC/BRL e o volume de unidade de bitcoin em reais ao longo do tempo.

Por volta das 13h56 da tarde de hoje (18), o índice bitcoin estava cotado em R$ 27.353,10, uma queda de 11,47%.

Uma crise de liquidez aguda

Para entender melhor como os criptoativos vêm sofrendo bastante durante o período, a gestora de fundos de criptomoedas, Hashdex divulgou uma carta aos seus clientes no começo deste mês comentando as quedas recentes na cotação.

Na ocasião, a gestora explicou que o recuo acentuado desde fevereiro está relacionado a uma crise de liquidez aguda. E que as moedas digitais ficaram especialmente expostas, porque o mercado de criptoativos funciona 24 horas por dia.

No documento, a equipe da gestora destaca ainda que, à medida que os mercados se deterioram, investidores são pressionados a gerar liquidez para cobrir perdas e obrigações e que isso deprime ainda mais os preços.

"Quando o pânico aumenta nos fins de semana e fora dos horários comerciais, os criptoativos absorvem mais que sua fatia justa da liquidação. O mercado de cripto não possui leilão de fechamento ou circuit breaker, logo, é menos protegido de uma liquidação exagerada", disseram na carta.

Outro ponto que pesa sobre as criptomoedas é que as exchanges relevantes, como Binance e Bittex, permitem que os investidores negociem contratos futuros com alavancagem alta e que as garantias sejam liquidadas automaticamente.

"Em momentos de estresse, a execução desses contratos força os preços para baixo, o que ativa a execução de outros contratos, numa espécie de reação em cadeia", pontuam.

Além de todos esses fatores juntos, os analistas lembram que as correlações estruturais entre ativos tendem a "quebrar" e aumentar significativamente, em momentos de crise.

"A corrida por liquidez e o aumento do grau de aversão a risco fazem com que todos os ativos se movam em conjunto", finalizam na carta.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

em meio à crise

GPA tem alta de 150% no lucro, com melhora operacional no Brasil

Cifra atingiu R$ 386 milhões; Assaí apresentou faturamento de R$ 10,1 bilhões, incremento de R$ 2,5 bilhões contra o ano anterior

Números fortes

Vale tem lucro líquido de US$ 2,9 bilhões no 3º tri, alta de 76% na comparação anual

Lucro líquido cresceu quase 76% em relação ao terceiro trimestre do ano passado; Ebitda ajustado chegou a mais de US$ 6 bilhões

Análise

O mercado trucou, e o Banco Central mandou descer ao bancar juro baixo

Emparedado pelo repique da inflação e pelo aumento do risco fiscal, o BC foi inflexível e sustentou o “forward guidance”, a sinalização de que a Selic permanecerá baixa por um longo período

Acelerou

Bolsonaro assina sanção da lei que prorroga incentivos para setor automotivo

A sanção do projeto, assinada por Bolsonaro, deve ser publicada até esta quinta-feira, 29, no Diário Oficial da União (DOU).

o pior já passou?

Petrobras tem prejuízo de R$ 1,5 bilhão no terceiro trimestre, com adesão a anistias tributárias

Analistas esperavam prejuízo de R$ 4,15 bilhões; após baixa com a pandemia, estatal aumentou a participação de mercado e manteve um patamar alto de exportações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies