⚠️ DIVIDENDOS EM RISCO? Lula e Bolsonaro querem taxar seus proventos e podem atacar sua renda extra em 2023. Saiba mais aqui

2020-01-29T10:14:00-03:00
Estadão Conteúdo
DÍVIDA

Dívida pública federal sobe 1,03% em dezembro, e fecha 2019 em R$ 4,248 trilhões

A DPF inclui a dívida interna e externa. A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) subiu 1,22% em dezembro fechou o ano em R$ 4,033 trilhões

28 de janeiro de 2020
17:00 - atualizado às 10:14
Dinheiro; notas e moedas de real
Imagem: Shutterstock

O estoque da Dívida Pública Federal (DPF) subiu 1,03% em dezembro, e fechou o ano de 2019 em R$ 4,248 trilhões. Os dados foram divulgados nesta terça-feira, 28, pelo Tesouro Nacional. O resultado ficou dentro da meta do Tesouro para a evolução do estoque no ano passado, que ia de R$ 4,100 trilhões a R$ 4,300 trilhões.

Em novembro, o estoque estava em R$ 4,205 trilhões e, no fim de 2018, estava em R$ 3,877 trilhões. A correção de juros no estoque da DPF foi de R$ 24,28 bilhões no mês passado, enquanto houve uma emissão líquida de R$ 19,21 bilhões.

A DPF inclui a dívida interna e externa. A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) subiu 1,22% em dezembro fechou o ano em R$ 4,033 trilhões.

Já a Dívida Pública Federal externa (DPFe) ficou 3,40% menor no mês, somando R$ 165,68 bilhões ao fim de 2019.

Estrangeiros na DPMFi

A fatia dos investidores estrangeiros na dívida pública caiu em 2019. De acordo com dados do Tesouro, a participação dos investidores não residentes no Brasil no estoque da Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) passou de 11,22% no fim de 2018 para 10,43% no mês passado. Em novembro, estava em 11,33%.

O estoque de papéis nas mãos dos estrangeiros somou R$ 425,77 bilhões em dezembro. No fim de 2018, estava em R$ 418,41 bilhões. Na comparação com novembro, houve baixa em relação ao saldo de R$ 449,37 bilhões.

A maior participação no estoque da DPMFi continuou com os fundos de investimento em 2019, com 26,68% ao fim de dezembro, ante 26,41% em novembro. Na sequência, o grupo Previdência reduziu a participação de 25,42% para 24,89% de um mês para o outro.

As instituições financeiras passaram de 23,73% em novembro para 24,69% em dezembro e as seguradoras passaram de 3,99% para 3,94% na mesma comparação.

DPF prefixada

De acordo com o Tesouro, a parcela de títulos prefixados na Dívida Pública Federal (DPF) subiu em dezembro, encerrando o ano em 30,97%. Em novembro, estava em 30,63%. Os papéis atrelados à Selic reduziram a fatia, de 39,27% para 38,92%.

Os títulos remunerados pela inflação subiram para 26,04% do estoque da DPF em novembro, ante 25,83% em novembro. Os papéis cambiais tiveram redução na participação na DPF de 4,27% em novembro para 4,07% em dezembro.

Todos os papéis ficaram dentro das metas do PAF para o ano passado. O intervalo do objetivo perseguido pelo Tesouro para os títulos remunerados pela Selic em 2019 ia de 38% a 42%. Para os pré-fixados, o intervalo era de 29% a 33%. No caso dos que têm índices de preço como referência, a meta era de 24% a 28% e, no de câmbio, de 3% a 7%.

O Tesouro informou ainda que parcela da DPF a vencer em 12 meses subiu de 18,62% em novembro para 18,68% em dezembro. O prazo médio da dívida passou de 4,04 anos em novembro para 3,97 anos em no mês passado. O custo médio acumulado em 12 meses da DPF aumentou de 8,67% ao ano em novembro para 8,71% ao ano ao fim de 2019.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

CAÇADOR DE TEDÊNCIAS

Day trade na B3: Oportunidade de lucro acima de 5% com ações da Minerva Foods (BEEF3); confira a recomendação

6 de outubro de 2022 - 8:08

Identifiquei uma oportunidade de swing trade baseada na análise quant – compra dos papéis da Minerva Foods (BEEF3). Veja os detalhes.

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa ao som de Guns N’Roses: Eleições, expectativas com as big techs, temporada de balanços e outras notícias que mexem com o seu bolso

6 de outubro de 2022 - 8:06

Os investidores brasileiros iniciam a quinta-feira em busca de gatilhos capazes de manter o Ibovespa descolado das bolsas estrangeiras.

CENTRAL DAS ELEIÇÕES

Eleições 2022: Confira as agendas de campanha de Lula e Bolsonaro nesta quinta-feira

6 de outubro de 2022 - 8:02

Acompanhe a cobertura ao vivo das eleições 2022 com as principais notícias sobre os principais candidatos à Presidência e nos Estados

DE OLHO NA BOLSA

Esquenta dos mercados: Eleições pressionam Ibovespa enquanto bolsas no exterior aguardam ata do BCE e dados de emprego nos EUA

6 de outubro de 2022 - 7:39

Os investidores aguardam os números de emprego nos Estados Unidos antes do payroll de sexta-feira

ESTRADA DO FUTURO

Uma nova safra de balanços vem aí: o que esperar dos resultados das maiores empresas de tecnologia do mundo?

6 de outubro de 2022 - 6:39

Há uma enorme diferença entre as expectativas para Amazon, Apple, Google e Microsoft; o mais importante é o que elas têm a dizer sobre os próximos trimestres

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies