Menu
2020-03-31T10:30:32-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
economia patina

Sem efeitos da pandemia, desemprego aumenta para 11,6% e chega a 12,4 milhões

Segundo IBGE, alta na desocupação em fevereiro foi puxada pelos setores de construção, administração pública e serviços domésticos

31 de março de 2020
9:21 - atualizado às 10:30
shutterstock_1608524977
Imagem: Shutterstock

O desemprego aumentou no Brasil antes mesmo do país sofrer os efeitos econômicos das políticas de restrição internas para contenção do novo coronavírus. É o que indicam os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira (31).

A taxa de desocupação subiu para 11,6% no trimestre encerrado em fevereiro, atingindo 12,3 milhões de pessoas. O primeiro caso confirmado do novo coronavírus no Brasil foi no dia 26 de fevereiro. Em São Paulo, a quarentena foi decretada em 22 de março - medidas semelhantes foram adotadas em outros estados com poucos dias de intervalo.

O desemprego também aumentou na comparação com o trimestre terminado em novembro (11,2%) e interrompeu dois trimestres seguidos de quedas estatisticamente significativas, segundo o IBGE.

De acordo com a analista da pesquisa do instituto, Adriana Beringuy, é normal que no início do ano ocorra essa interrupção. "Não tínhamos visto essa reversão em janeiro, no entanto, ela veio agora no mês de fevereiro”, diz.

Segundo o IBGE, a alta na desocupação foi puxada pelos setores de construção (-4,4%), administração pública (-2,3%) e também pelos serviços domésticos (-2,4%). “A construção não sustentou o movimento de recuperação que ela vinha apresentando no fim do ano passado", diz Beringuy.

O instituto informa ainda que a administração pública tem uma sazonalidade, pois ela dispensa pessoas no fim e no início do ano em função de términos nos contratos temporários das prefeituras, nas áreas de educação e saúde, retomando as contratações a partir de março, após a aprovação dos orçamentos municipais.

"O serviço doméstico está muito ligado ao período de férias das famílias, as dispensas das diaristas, já que muitas famílias viajam, interrompendo a demanda por esse serviço”, diz a especialista.

Quando comparado com fevereiro de 2019, quando ficou em 12,4%, a taxa de desocupação caiu.

Informalidade ainda atinge 38 milhões

De acordo com o IBGE, a taxa de informalidade caiu de 41,1% no trimestre de setembro a novembro de 2019 para 40,6% no trimestre encerrado em fevereiro deste ano - ainda representando um total de 38 milhões de informais.

No grupo estão os trabalhadores sem carteira, trabalhadores domésticos sem carteira, empregadores sem CNPJ, os conta própria sem CNPJ e trabalhadores familiares auxiliares.

De acordo com Beringuy, a queda da informalidade está concentrada na redução de contingentes de trabalhadores por conta própria sem CNPJ e também de trabalhadores empregados sem carteira.

Conforme a Pnad Contínua, o total de pessoas fora da força de trabalho chegou a 65,9 milhões, patamar recorde desde o início da pesquisa, no primeiro trimestre de 2012.

São pessoas que não procuram trabalho, mas que não se enquadram no desalento (pessoas que desistiram de procurar emprego). Os desalentados somam 4,7 milhões, quadro estatisticamente estável em ambas as comparações.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

balanço do dia

Covid-19: casos sobem para 15,5 milhões e mortes, para 432,6 mil

O total de vidas perdidas durante a pandemia subiu para 432.628. Entre ontem e hoje, foram registradas 2.211 novas mortes.

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Mudaram as estações, mas nada mudou na bolsa

Quem olha para o saldo do Ibovespa na semana pode achar que os últimos dias foram um marasmo. O índice, afinal, ficou praticamente estável — uma quase desprezível queda de 0,13%. “Mas eu sei que alguma coisa aconteceu / tá tudo assim, tão diferente”, já dizia a música. E é verdade: nada mudou na bolsa, […]

Fechamento da semana

Inflação americana e minério de ferro vivem ‘dias de luta e dias de glória’, monopolizando a semana; dólar avança e bolsa recua no período

O minério de ferro puxou Vale e siderúrgicas para cima – mas depois derrubou. A inflação americana também assustou, mas conseguiu acalmar o ânimo dos investidores. Confira tudo o que movimentou a semana

Engordando o caixa

Petrobras gera US$ 2,5 bilhões com desinvestimentos em 2021; venda mais recente é para fundo árabe

E a estatal não deve parar por aí, pois o diretor financeiro da empresa já reafirmou a intenção de continuar com o programa de venda de ativos

Em evento do BofA

Presidente do BC revela preocupação com análise de autonomia no STF e planos para PIX internacional

Campos Neto e o ministro da Economia, Paulo Guedes, têm conversado com ministros da Corte sobre os questionamento acerca do tema

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies