Menu
2020-06-30T13:29:47-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
país em crise

Desemprego sobe para 12,9% em maio e ocupação chega ao menor nível da série histórica

Percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar ficou pela primeira vez abaixo de 50%, segundo o IBGE; número de empregados no setor privado sem carteira assinada caiu 20,8%

30 de junho de 2020
9:11 - atualizado às 13:29
desemprego uber bike
Imagem: Shutterstock

A taxa de desemprego subiu 1,2 ponto percentual em maio, em relação ao trimestre encerrado em fevereiro, para 12,9%, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados nesta terça-feira (30).

O aumento foi de 0,6 ponto percentual em relação ao mesmo trimestre de 2019. São 12,7 milhões de pessoas desempregadas no país, de acordo com o IBGE - 368 mil de pessoas a mais à procura de trabalho em relação ao trimestre anterior.

O percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar chegou a 49,5% - queda de cinco pontos percentuais em relação ao trimestre até fevereiro. É o mais baixo nível da ocupação desde o início da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), em 2012.

Segundo a analista da pesquisa, Adriana Beringuy, é a primeira vez que o nível fica abaixo de 50%.

"Isso significa que menos da metade da população em idade de trabalhar está trabalhando".

Adriana Beringuy, do IBGE

O IBGE informa que 7,8 milhões de pessoas saíram da população ocupada, uma queda de 8,3%. “É uma redução inédita na pesquisa e atinge principalmente os trabalhadores informais. Da queda de 7,8 milhões de pessoas ocupadas, 5,8 milhões eram informais”, diz Beringuy.

Os trabalhadores informais somam os profissionais sem carteira assinada (empregados do setor privado e trabalhadores domésticos), sem CNPJ (empregadores e por conta própria) e sem remuneração.

O número de empregados no setor privado sem carteira assinada caiu 20,8%, significando 2,4 milhões a menos no mercado de trabalho. Já os trabalhadores por conta própria diminuíram em 8,4%, ou seja, 2,1 milhões de pessoas.

Com isso, a taxa de informalidade caiu de 40,6% para 37,6%, a menor desde 2016, quando o indicador passou a ser produzido.

“Numericamente nós temos uma queda da informalidade, mas isso não necessariamente é um bom sinal. Significa que essas pessoas estão perdendo ocupação e não estão se inserindo em outro emprego", diz a pesquisadora.

Ela explica ainda que, com a redução no número de trabalhadores informais, grupo que geralmente ganha remunerações menores, o rendimento médio habitual teve aumento de 3,6%, chegando a R$ 2.460, o maior desde o início da série.

Já a massa de rendimento real foi estimada em R$ 206,6 bilhões, uma queda de 5% frente ao trimestre anterior.

1,2 milhão de trabalhadores domésticos saíram do mercado de trabalho

O número de trabalhadores domésticos, estimado em 5 milhões de pessoas, teve uma queda de 18,9% em relação ao trimestre encerrado em fevereiro. São 1,2 milhão de trabalhadores a menos no mercado de trabalho.

Já o contingente de empregados no setor privado com carteira assinada (sem contar os trabalhadores domésticos) teve uma queda de 7,5%, ou seja, menos 2,5 milhões de pessoas no mercado, totalizando 31,1 milhões e atingindo o menor nível da série.

Com essas reduções, o contingente na força de trabalho (pessoas ocupadas e desocupadas) chegou a 98,6 milhões de pessoas, uma queda de 7,4 milhões (-7%) em relação ao trimestre encerrado em fevereiro.

"Esse mês de maio aprofunda tudo aquilo que a gente estava vendo em abril."

Adriana Beringuy, pesquisadora do IBGE

Comércio perde dois milhões de pessoas ocupadas

O único grupamento de atividade que teve aumento em relação ao trimestre encerrado em fevereiro foi o de administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais, que cresceu 4,6% no período. Isso significa um aumento de 748 mil pessoas no setor.

Entre os outros grupamentos de atividade, o que apresentou a maior queda em relação ao número de pessoas ocupadas foi o Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas (-11,1%), com menos 2 milhões de empregados.

Ainda segundo dados do IBGE, a Indústria perdeu 1,2 milhão de pessoas (-10,1%) e a Construção, 1,1 milhão (-16,4%).

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

decisão da justiça

Ex-secretário, vereador e empresário de Marília tornam-se réus por fraudes

De acordo com o Ministério Público Federal, o grupo é acusado de corrupção ativa e passiva, peculato, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

caso queiroz

Citados em ‘rachadinha’ continuam com cargos

Ex-assessores fazem parte de uma lista de 69 pessoas que trabalharam com Flávio Bolsonaro e tiveram sigilo bancário e fiscal quebrados por decisão da Justiça em abril do ano passado

veja números de sábado

Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 44 milhões na terça-feira

Caixa promove a mega semana das férias, com três concursos na próxima semana, que ocorrerão na terça-feira, quinta-feira (16) e sábado (18)

nem tudo é sucesso

O projeto de Jeff Bezos que levou seis anos, milhões de dólares — e fracassou

Sem alarde, Amazon lançou em maio deste ano um jogo chamado “Crucible”, que foi retirado para download gratuito poucas semanas após ser disponibilizado

após marco legal

Estatais de saneamento pressionam governo por crédito

Empresas querem que o CMN retire os financiamentos às estatais de saneamento do cálculo do limite de exposição dos bancos ao setor público

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements