Menu
2020-06-30T13:29:47-03:00
país em crise

Desemprego sobe para 12,9% em maio e ocupação chega ao menor nível da série histórica

Percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar ficou pela primeira vez abaixo de 50%, segundo o IBGE; número de empregados no setor privado sem carteira assinada caiu 20,8%

30 de junho de 2020
9:11 - atualizado às 13:29
desemprego uber bike
Imagem: Shutterstock

A taxa de desemprego subiu 1,2 ponto percentual em maio, em relação ao trimestre encerrado em fevereiro, para 12,9%, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados nesta terça-feira (30).

O aumento foi de 0,6 ponto percentual em relação ao mesmo trimestre de 2019. São 12,7 milhões de pessoas desempregadas no país, de acordo com o IBGE - 368 mil de pessoas a mais à procura de trabalho em relação ao trimestre anterior.

O percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar chegou a 49,5% - queda de cinco pontos percentuais em relação ao trimestre até fevereiro. É o mais baixo nível da ocupação desde o início da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), em 2012.

Segundo a analista da pesquisa, Adriana Beringuy, é a primeira vez que o nível fica abaixo de 50%.

"Isso significa que menos da metade da população em idade de trabalhar está trabalhando".

Adriana Beringuy, do IBGE

O IBGE informa que 7,8 milhões de pessoas saíram da população ocupada, uma queda de 8,3%. “É uma redução inédita na pesquisa e atinge principalmente os trabalhadores informais. Da queda de 7,8 milhões de pessoas ocupadas, 5,8 milhões eram informais”, diz Beringuy.

Os trabalhadores informais somam os profissionais sem carteira assinada (empregados do setor privado e trabalhadores domésticos), sem CNPJ (empregadores e por conta própria) e sem remuneração.

O número de empregados no setor privado sem carteira assinada caiu 20,8%, significando 2,4 milhões a menos no mercado de trabalho. Já os trabalhadores por conta própria diminuíram em 8,4%, ou seja, 2,1 milhões de pessoas.

Com isso, a taxa de informalidade caiu de 40,6% para 37,6%, a menor desde 2016, quando o indicador passou a ser produzido.

“Numericamente nós temos uma queda da informalidade, mas isso não necessariamente é um bom sinal. Significa que essas pessoas estão perdendo ocupação e não estão se inserindo em outro emprego", diz a pesquisadora.

Ela explica ainda que, com a redução no número de trabalhadores informais, grupo que geralmente ganha remunerações menores, o rendimento médio habitual teve aumento de 3,6%, chegando a R$ 2.460, o maior desde o início da série.

Já a massa de rendimento real foi estimada em R$ 206,6 bilhões, uma queda de 5% frente ao trimestre anterior.

1,2 milhão de trabalhadores domésticos saíram do mercado de trabalho

O número de trabalhadores domésticos, estimado em 5 milhões de pessoas, teve uma queda de 18,9% em relação ao trimestre encerrado em fevereiro. São 1,2 milhão de trabalhadores a menos no mercado de trabalho.

Já o contingente de empregados no setor privado com carteira assinada (sem contar os trabalhadores domésticos) teve uma queda de 7,5%, ou seja, menos 2,5 milhões de pessoas no mercado, totalizando 31,1 milhões e atingindo o menor nível da série.

Com essas reduções, o contingente na força de trabalho (pessoas ocupadas e desocupadas) chegou a 98,6 milhões de pessoas, uma queda de 7,4 milhões (-7%) em relação ao trimestre encerrado em fevereiro.

"Esse mês de maio aprofunda tudo aquilo que a gente estava vendo em abril."

Adriana Beringuy, pesquisadora do IBGE

Comércio perde dois milhões de pessoas ocupadas

O único grupamento de atividade que teve aumento em relação ao trimestre encerrado em fevereiro foi o de administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais, que cresceu 4,6% no período. Isso significa um aumento de 748 mil pessoas no setor.

Entre os outros grupamentos de atividade, o que apresentou a maior queda em relação ao número de pessoas ocupadas foi o Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas (-11,1%), com menos 2 milhões de empregados.

Ainda segundo dados do IBGE, a Indústria perdeu 1,2 milhão de pessoas (-10,1%) e a Construção, 1,1 milhão (-16,4%).

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

tecnologia na bolsa

Como a Locaweb virou sensação da bolsa depois de um IPO às vésperas da pandemia

Empresa estreou em fevereiro na B3 e surfou na digitalização do varejo; agora, mira novas aquisições e busca fortalecer marcas internas

Teste de fé

Segredos da bolsa: Powell e Campos Neto testam a fé dos investidores nos banqueiros centrais

Testemunhos do presidente do Fed perante a Câmara e o Senado dos EUA e coletiva de Campos Neto tendem a inspirar cautela entre os investidores

dinheiro estrangeiro

Sem reformas, fim da pandemia pode não trazer investimentos

Desde 2015, a participação de estrangeiros nos títulos de dívida pública caiu de 20,8% para 9%; quadro fiscal piorou com a pandemia

coronavírus

Doria anuncia que São Paulo receberá 5 milhões de doses de CoronaVac

Segundo o governador de São Paulo, previsão é de que haja 46 milhões de doses até dezembro

o app dos jovens

TikTok banido dos EUA? Entenda a polêmica em torno do aplicativo

Trump prometeu tirar o aplicativo chinês do país neste domingo, mas medida não deve ser colocada em prática; entenda as razões por trás da ofensiva americana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements