Menu
2020-05-28T10:25:41-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Jornalista formado pela UFPR. Fez parte da oitava turma de treinamento em jornalismo econômico do Estadão.
ibge

Desemprego sobe para 12,6% em abril e atinge 12,8 milhões

Número se manteve estável em relação ao mesmo período do ano passado; país tem 898 mil pessoas a mais procurando emprego, em relação a janeiro

28 de maio de 2020
9:10 - atualizado às 10:25
desemprego
Imagem: Shutterstock

O desemprego subiu para 12,6% no trimestre encerrado em abril, atingindo 12,8 milhões de pessoas, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados nesta quinta-feira (28). O número se manteve estável em relação ao mesmo período do ano passado.

A taxa de desocupação cresceu 1,3 ponto percentual em relação ao trimestre encerrado em janeiro de 2020. Ou seja, o número de pessoas que buscam emprego aumentou em 898 mil nos últimos três meses. O período foi marcado pelo acirramento da crise do novo coronavírus, que derrubou a oferta e a demanda — atingindo principalmente o setor de serviços.

Segundo a analista da pesquisa do IBGE, Adriana Beringuy, os efeitos da pandemia foram sentidos entre os informais e com carteira assinada. “A gente chega em abril com o menor contingente de pessoas com carteira assinada, que é de 32,2 milhões”, diz.

De acordo com o IBGE, a população ocupada teve queda recorde no trimestre encerrado em abril, de 5,2%, em relação ao período finalizado em janeiro - uma perda de 4,9 milhões de postos de trabalho, que foram reduzidos a 89,2 milhões.

A analista do IBGE explica que a queda na população ocupada foi generalizada, atingindo sete dos dez grupos de atividades observados na pesquisa.

Dos 4,9 milhões de pessoas que saíram da população ocupada, 1,2 milhão veio do comércio, 885 mil saíram da construção e 727 mil, dos serviços domésticos, segundo o instituto. Foi a maior queda nos serviços domésticos desde o início da série, em 2012.

Com e sem carteira

Segundo o IBGE, o número de empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado caiu para 32,2 milhões de pessoas, menor nível da série histórica, (-4,5% frente ao trimestre anterior).

Já o número de empregados sem carteira assinada no setor privado caiu 13,2% em relação ao trimestre anterior, chegando a 10,1 milhões de pessoas.

O número de trabalhadores por conta própria também registrou redução, de 4,8%, para 23,4 milhões de pessoas. Enquanto isso, a taxa de informalidade foi de 38,8% da população ocupada, representando um contingente de 34,6 milhões de trabalhadores informais, o menor da série, iniciada em 2016.

O rendimento real habitual (R$ 2.425) subiu 2,0% frente ao trimestre anterior, ainda segundo o IBGE. Já a massa de rendimento real habitual (R$ 211,6 bilhões) recuou 3,3% frente ao trimestre anterior.

Setores

De acordo com o IBGE, a ocupação cresceu apenas no grupo que reúne administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (1,8%).

Houve redução em sete atividades: Indústria (-5,6%), Construção (-13,1%), Comércio e Reparação de Veículos (-6,8%), Transporte, Armazenamento e Correio (-4,9%), Alojamento e Alimentação (-12,4%), Outros Serviços (-7,2%) e Serviços Domésticos (-11,6%).

A força de trabalho (pessoas ocupadas e desocupadas), estimada em 102,1 milhões de pessoas, caiu 3,8% (4,0 milhões de pessoas a menos) comparada ao trimestre anterior, segundo o instituto.

No mesmo período, o número de empregadores (4,2 milhões de pessoas) recuou 5,1% (-226 mil pessoas), com a mesma base de comparação.

A categoria dos trabalhadores domésticos, estimada em 5,5 milhões de pessoas, apresentou redução de 11,8% no confronto com o trimestre anterior..

Já o grupo dos empregados no setor público (11,9 milhões de pessoas), que inclui servidores estatutários e militares, apresentou aumento de 3,3% (mais 379 mil pessoas) frente ao trimestre anterior.

O número de subocupados por insuficiência de horas trabalhadas (6,1 milhões) recuou 7,6% em relação ao trimestre anterior (501 mil pessoas a menos).

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Decisão cautelar

TCU proíbe governo Bolsonaro de anunciar em sites que exerçam atividades ilegais

Indícios de irregularidades na veiculação de propagandas do governo federal levaram o TCU a tomar a decisão cautelar, concedida pelo ministro Vital do Rêgo

PGR

Aras recomenda a Guedes mais transparência em gastos no combate à pandemia

A pedido de procuradores do MPF-PE, o procurador-geral da República, Augusto Aras, enviou recomendações para Guedes dar transparência aos gastos federais

Setor em destaque

Estatais de saneamento querem flexibilizar regras para contratar empréstimos

Com regras mais fáceis para a entrada do setor privado, as estatais de saneamento querem que a concessão de empréstimos ao segmento seja menos rigorosa

Preocupação ambiental

Para empresários, discurso do governo sobre desmatamento mudou

Após reunião com o vice-presidente Hamilton Mourão, empresários parecem satisfeitos quanto aos compromissos firmados pelo governo a respeito do desmatamento

O melhor do Seu Dinheiro

MAIS LIDAS: O canto da sereia

Uma matéria alertando para os riscos do day trade foi a mais lida desta semana no Seu Dinheiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements