Menu
2020-05-15T11:44:36-03:00
Estadão Conteúdo
ECONOMIA

BNDES registra lucro líquido de R$ 5,5 bi no 1º trimestre

O resultado foi impulsionado pela venda de R$ 22 bilhões em ações da Petrobras, em oferta pública no início de fevereiro.

15 de maio de 2020
11:44
BNDES
Imagem: Agência Brasil

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) registrou lucro líquido de R$ 5,5 bilhões no primeiro trimestre, informou nesta sexta-feira, 15, a instituição de fomento, sem comparar o desempenho com igual período de 2019. O resultado foi impulsionado pela venda de R$ 22 bilhões em ações da Petrobras, em oferta pública no início de fevereiro.

Por outro lado, o lucro não foi maior porque os provisionamentos para créditos duvidosos somaram R$ 1,7 bilhão, por causa do aumento de risco de calote em função da crise econômica causada pela pandemia de covid-19.

Com destaque para a oferta de ações na Petrobras, na qual o BNDES se desfez da totalidade de sua participação em papéis ordinários (ON, com voto) da petroleira, houve ganho de R$ 8,5 bilhões com participações societárias, dos quais R$ 8,1 bilhões decorreram dos desinvestimentos, informou o banco. Ao anunciar os resultados fechados de 2019, em 11 de março, o BNDES já havia informado que lucrou R$ 4,6 bilhões com a venda das ações.

Com as vendas de ações e com a desvalorização dos papéis por causa da turbulência nos mercados, a carteira de participações societárias encerrou o primeiro trimestre avaliada em R$ 59,2 bilhões, ante R$ 111,9 bilhões no fechamento de 2019. Segundo o BNDES, a redução se deveu a R$ 23,8 bilhões em vendas e a R$ 28,8 bilhões em desvalorização.

Já o lucro com intermediação financeira, ou seja, com os financiamentos feitos pelo BNDES, atingiu R$ 4,1 bilhões, "o que equivale a um aumento de 10,1% em comparação com o primeiro trimestre de 2019", segundo o banco. "Mesmo com o cenário de menor demanda por empréstimos no período, houve resultado positivo com disponibilidades no exterior", diz a nota divulgada pelo banco.

Apesar da provisão de R$ 1,7 bilhão, já de olho num aumento dos calotes por causa da crise, a inadimplência (atrasos superiores a 90 dias), desconsiderando operações com garantia da União, "recuou de 0,84% em 31 de dezembro de 2019 para 0,37% em 31 de março, abaixo do índice do Sistema Financeiro Nacional (3,17%)".

O Índice de Basileia encerrou o primeiro trimestre em 35,4%, bastante acima dos 9,25% exigidos pelo Banco Central (BC).

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

em Minas Gerais

Notre Dame Intermédica compra Grupo Serpram por R$ 170 milhões

Aquisição marca avanço da empresa em Minas Gerais; mais cedo, companhia anunciou compra de outra empresa, no Sul do País

forte expansão

Unidas reporta lucro líquido de R$ 124 milhões, alta de 44,4% e melhor da história

Empresa registrou uma forte retomada no segmento de Terceirização de Frotas, que apresentou recordes de contratação

desinvestimentos

Compass apresenta proposta para adquirir participação da Petrobras na Gaspetro

Empresa, que chegou a desistir de abrir capital, não revelou valor pela fatia; processo é mais um desinvestimento da Petrobras, que desembarca de vez da companhia

Dinheiro na conta

Santander pagará R$ 1 bilhão em juros sobre capital próprio

O valor líquido por ação será de R$ 0,10859906709 por ON, com retenção de IR na fonte.

PLANOS

Agora parte do BTG, Necton vai em busca de pequenos investidores

Corretora pretende lançar iniciativas e produtos para a base dos investidores, para quem tem entre R$ 10 mil e R$ 15 mil aportados no mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies