Menu
2020-05-15T11:44:36-03:00
Estadão Conteúdo
ECONOMIA

BNDES registra lucro líquido de R$ 5,5 bi no 1º trimestre

O resultado foi impulsionado pela venda de R$ 22 bilhões em ações da Petrobras, em oferta pública no início de fevereiro.

15 de maio de 2020
11:44
BNDES
Imagem: Agência Brasil

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) registrou lucro líquido de R$ 5,5 bilhões no primeiro trimestre, informou nesta sexta-feira, 15, a instituição de fomento, sem comparar o desempenho com igual período de 2019. O resultado foi impulsionado pela venda de R$ 22 bilhões em ações da Petrobras, em oferta pública no início de fevereiro.

Por outro lado, o lucro não foi maior porque os provisionamentos para créditos duvidosos somaram R$ 1,7 bilhão, por causa do aumento de risco de calote em função da crise econômica causada pela pandemia de covid-19.

Com destaque para a oferta de ações na Petrobras, na qual o BNDES se desfez da totalidade de sua participação em papéis ordinários (ON, com voto) da petroleira, houve ganho de R$ 8,5 bilhões com participações societárias, dos quais R$ 8,1 bilhões decorreram dos desinvestimentos, informou o banco. Ao anunciar os resultados fechados de 2019, em 11 de março, o BNDES já havia informado que lucrou R$ 4,6 bilhões com a venda das ações.

Com as vendas de ações e com a desvalorização dos papéis por causa da turbulência nos mercados, a carteira de participações societárias encerrou o primeiro trimestre avaliada em R$ 59,2 bilhões, ante R$ 111,9 bilhões no fechamento de 2019. Segundo o BNDES, a redução se deveu a R$ 23,8 bilhões em vendas e a R$ 28,8 bilhões em desvalorização.

Já o lucro com intermediação financeira, ou seja, com os financiamentos feitos pelo BNDES, atingiu R$ 4,1 bilhões, "o que equivale a um aumento de 10,1% em comparação com o primeiro trimestre de 2019", segundo o banco. "Mesmo com o cenário de menor demanda por empréstimos no período, houve resultado positivo com disponibilidades no exterior", diz a nota divulgada pelo banco.

Apesar da provisão de R$ 1,7 bilhão, já de olho num aumento dos calotes por causa da crise, a inadimplência (atrasos superiores a 90 dias), desconsiderando operações com garantia da União, "recuou de 0,84% em 31 de dezembro de 2019 para 0,37% em 31 de março, abaixo do índice do Sistema Financeiro Nacional (3,17%)".

O Índice de Basileia encerrou o primeiro trimestre em 35,4%, bastante acima dos 9,25% exigidos pelo Banco Central (BC).

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

O melhor do seu dinheiro

Alguém chame os bombeiros

Hoje tivemos mais um dia de grande volatilidade nos mercados brasileiros, que entraram em parafuso com o temor de que o teto de gastos poderia vir a ser furado. Os investidores aguardam com grande ansiedade a votação da PEC Emergencial, aquela que permitirá o retorno do auxílio emergencial. E rumores de que ela seria desidratada […]

FECHAMENTO

Em dia de alta volatilidade, Lira salva Ibovespa de um fiasco e segura o dólar em R$ 5,66

A volatilidade reinou absoluta nesta quarta-feira (03) e mais uma vez Brasília foi responsável por movimentar os negócios no Brasil. Lá fora, o dia foi de cautela com a alta dos juros futuros

Luz no fim do túnel?

Ministério da Saúde avança em negociações com laboratórios para comprar vacinas

A declaração do MS foi dada pelo titular da pasta, Eduardo Pazuello, em reunião com a Confederação Nacional de Municípios (CNM).

Crypto News

Bitcoin para leigos e descrentes também

Descrever algo tão complexo como o Bitcoin exige repertório, dedicação e um pouco de sedução de quem apresenta.

Ruim, mas nem tanto?

“É um dos países que menos caíram no mundo”, afirma Bolsonaro, sobre queda de 4% no PIB

Para Bolsonaro a queda do PIB só não foi maior devido a movimentação da economia gerada pelo auxílio emergencial.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies