Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-03-29T17:11:15-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Mais crédito

BNDES anuncia linha de R$ 2 bi para setor de saúde e prepara medidas para aéreas e setor público

Banco de fomento também fez balanço de medidas anunciadas até agora e reafirmou que será operador de linha de R$ 40 bilhões para pagamento de salários.

29 de março de 2020
17:08 - atualizado às 17:11
edit_vac_abr_16071919198
Gustavo Montezano, presidente do BNDES. - Imagem: Valter Campanato / Agência Brasil

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou, neste domingo, o início de suas ações setoriais no combate aos impactos econômicos do coronavírus.

A primeira medida é a concessão de uma linha de crédito no valor de R$ 2 bilhões a empresas do setor de saúde que atuem no fornecimento de produtos e serviços que ajudem no combate ao Covid-19.

Em transmissão ao vivo pelo canal de YouTube do BNDES, o presidente da instituição, Gustavo Montezano, disse também que o banco está preparando medidas para auxílio de Estados e municípios, bem como de companhias aéreas.

Na semana passada, o banco de fomento já havia anunciado um pacote no valor de R$ 55 bilhões com foco em refinanciamento de dívidas e capital de giro para pequenas e médias empresas. E havia também prometido o início de ações setoriais a partir desta semana.

Na live de hoje, o BNDES também fez um breve balanço das ações anunciadas até agora e detalhou a operação de concessão de R$ 40 bilhões em crédito para o pagamento de salários de empregados de pequenas e médias empresas, anunciada pelo Banco Central na sexta-feira (27).

Crédito a empresas que ajudam no combate ao coronavírus

A primeira ação setorial do BNDES foi centrada no setor de saúde. Neste domingo, o banco anunciou a concessão de até R$ 2 bilhões em crédito para empresas que montem e disponibilizem leitos emergenciais; prestem serviços de saúde privada, com ou sem fins lucrativos, em regiões com menor infraestrutura de saúde; produzam, importem ou comercializem respiradores, máscaras, monitores entre outros artefatos necessários ao tratamento do coronavírus; adaptem ou convertam suas linhas de produção para atividades de saúde.

O financiamento por empresa deverá variar de R$ 50 milhões a R$ 150 milhões, com carência de 24 meses para pagamento do principal e prazos de até 60 meses (cinco anos). As taxas de juros estão limitadas à TLP + 5,26% ao ano, e a exposição das empresas será de, no máximo, 100% do seu ativo total.

Segundo Gustavo Montezano, essa linha terá liberação "semi-automática", num prazo máximo de 15 dias. O BNDES já tem uma lista de 30 empresas mapeadas que são elegíveis para utilizar esse crédito.

Uma parceria com o Ministério da Saúde, explicou Montezano, permitiu que as empresas que fornecem produtos e serviços emergenciais ao ministério tenham ainda mais flexibilidade na obtenção dos financiamentos, como a possibilidade de expor mais de 100% do seu ativo total.

Os potenciais impactos dessa linha estimados pelo BNDES são que as empresas que a acessarem sejam capazes de produzir até 15 mil ventiladores (50% da demanda do SUS dentro dos próximos 90 dias), 5 mil monitores (20% da demanda do SUS dentro dos próximos 120 dias), 3 mil leitos emergenciais de UTI (uma alta de 10% sobre o número atual de leitos) e 80 milhões de máscaras cirúrgicas (33% da demanda do SUS dentro dos próximos 120 dias).

O que vem por aí: aéreas e setor público

Na live de hoje, Montezano voltou a prometer um pacote de auxílio às companhias aéreas, que vêm passando por um momento muito difícil com as restrições a voos por causa do coronavírus.

"Estamos em discussões intensas com as empresas. O objetivo é disponibilizar e liquidar as operações até o fim de abril", disse o presidente do BNDES.

Ele explicou que os recursos a serem disponibilizados só poderão ser investidos nas operações brasileiras das empresas e não poderão ser usados para pagar credores financeiros, apenas para financiar as operações propriamente ditas.

Credores terão que optar por outros caminhos, como a renegociação ou alongamento das dívidas, como em qualquer outra situação de dificuldade financeira de uma empresa.

A ideia é que todas as companhias aéreas possam acessar a linha de crédito que está sendo elaborada, sem priorização por uma ou outra empresa. Para as companhias listadas, o BNDES trabalha com o modelo de debêntures conversíveis em ações, para que o banco possa ter um ganho extra caso as ações voltem a se valorizar depois que a crise passar.

Segundo Montezano, não se trata de subsídio nem resgate ("bail out"). Ele diz que a taxa de juros será baixa, porém suficiente para "pagar as contas" do banco, com essa possibilidade de um ganho extra caso as ações se valorizem. O presidente do BNDES admitiu, inclusive, a possibilidade de replicar o modelo em outros setores.

Respondendo a pergunta sobre a atuação setorial do BNDESPar, braço de participações societárias do BNDES, Montezano disse que a instituição deve sim atuar via participações societárias, mas apenas em mercado primário, isto é, em operações cujos recursos investidos vão para o caixa das empresas.

BNDESPar - priorizar operações que depositem recursos nos caixas das empresas, como é o caso das debêntures para as aéreas. Avaliam sim atuar via equities, mas apenas mercado primário. Secundário não seria eficiente para a missão do banco.

Já para o setor público, a ideia é lançar linhas para estados e municípios, que devem ficar entre R$ 10 bilhões e R$ 20 bilhões. Montezano disse que o BNDES está em contato com o Tesouro Nacional e o Ministério da Economia, mas que tal medida depende da aprovação do Projeto de Lei Complementar 149 (PLP 149), apelidado de Plano Mansueto, que promove a recuperação fiscal de estados endividados.

Pagamento de salários para pequenas e médias empresas

O BNDES reafirmou também que será operador de financiamentos no valor de até R$ 40 bilhões para pequenas e médias empresas pagarem os salários de seus empregados por dois meses. Do total de recursos, 85% (R$ 34 bilhões) virão da União, e 15% (os R$ 6 bilhões restantes) virão de bancos associados à Febraban (em geral de grande porte).

O plano foi anunciado na última sexta-feira pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Serão elegíveis empresas com faturamento anual entre R$ 360 mil e R$ 10 milhões por ano. As empresas que utilizarem a linha de crédito ficarão impedidas de demitir os empregados com salários financiados por dois meses. A taxa de juros será equivalente à taxa Selic atual (3,75% ao ano), com seis meses de carência e 30 meses para quitação.

Segundo Montezano, a linha já estará disponível no início de maio para pagamento da folha de abril, mas há tentativas no sentido de antecipá-la.

Balanço das medidas anunciadas até agora

Gustavo Montezano abriu sua apresentação durante a live fazendo um breve balanço das medidas anunciadas no domingo passado.

A interrupção de pagamentos de juros e principal em operações diretas com o BNDES foi disponibilizada na última quarta-feira e, em dois dias, já tinha sido demandada por 259 empresas em quase 15% do seu valor potencial, de R$ 19 bilhões.

Já a interrupção de pagamentos de juros e principal em operações indiretas com o banco, que poderá totalizar R$ 11 bilhões, estará disponível a partir da próxima quarta-feira. As empresas elegíveis terão que procurar o banco intermediário para solicitá-la.

Finalmente, os R$ 5 bilhões em extensão de crédito para capital de giro para empresas de faturamento até R$ 300 milhões. disponibilizados na última semana, já teve demanda quase três vezes maior que a mesma linha de crédito nas semanas anteriores.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Prévia da estatal

Petrobras (PETR4) anuncia produção do terceiro trimestre hoje, mas os dados da ANP já antecipam o que vem por aí; confira

Os dados chegam ao mercado em um momento de fortes críticas à política de preços da companhia e ameaças de desabastecimento

Exile on Wall Street

Quem não tem teto de vidro? As implicações das ameaças ao teto de gastos sobre seus investimentos

Ameaça ao teto fiscal exige atenção redobrada sobre a necessidade de diversificação e algumas proteções para a carteira – e há possíveis bons hedges para o momento

bitcoin (BTC) hoje

É recorde! Bitcoin (BTC) atinge nova máxima histórica com o novo rali das criptomoedas

A aprovação do ETF nos EUA impulsionou a alta do bitcoin, mas a principal criptomoeda do mercado pode subir ainda mais, segundo analistas

MERCADOS HOJE

Ibovespa engata recuperação, mas segue sob pressão do risco fiscal enquanto dólar tem alívio; Getnet (GETT11) dispara 14% hoje

A agenda local está esvaziada nesta semana, mas os investidores aguardam por um desfecho para a PEC dos precatórios

COLUNA DO JOJO

Bolsa hoje: estaria o governo querendo furar o teto?

Ignorando o bom humor internacional de ontem, nós brasileiros vivemos nossa própria realidade, muito afetados com o vaivém de Brasília, que prejudicou bastante os mercados e que promete prejudicar ainda mais nos próximos dias

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies