Menu
2020-03-15T20:57:04-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Corte-surpresa

Em novo corte extraordinário, banco central americano zera taxas de juros

Juros foram cortados para a faixa de zero a 0,25% ao ano, em resposta aos impactos negativos do coronavírus sobre a atividade econômica; Powell disse que encontro de hoje substitui a reunião marcada para quarta-feira.

15 de março de 2020
18:27 - atualizado às 20:57
Jerome Powell Fed
Presidente do Fed, Jerome Powell. - Imagem: Federal Reserve

O Federal Reserve (Fed) fez novo corte extraordinário nas taxas de juros neste domingo (15), reduzindo-as da faixa de 1% a 1,25% ao ano para a faixa de zero a 0,25% ao ano a partir de amanhã. Em 3 de março, o banco central americano já havia feito outro corte-surpresa.

A decisão pela redução de juros foi de nove votos a um. O único voto contrário foi da presidente do Fed de Cleveland, Loretta Mester. A medida foi motivada pelo avanço do coronavírus no mundo e seus impactos negativos sobre a atividade econômica. "Os efeitos do coronavírus pesarão sobre a atividade econômica no curto prazo e colocam riscos sobre as perspectivas econômicas", diz o comunicado da instituição.

A próxima reunião oficial do FOMC, o equivalente americano ao nosso Comitê de Política Monetária (Copom), estava marcada para a próxima quarta (18). Em coletiva depois do anúncio do corte de juros, o presidente do Fed, Jerome Powell, disse que o encontro de hoje substitui o de quarta-feira.

Afrouxamento monetário

O Fed anunciou ainda um programa de afrouxamento monetário de US$ 700 bilhões e reduziu a zero a taxa de depósitos compulsórios dos bancos, valores que as instituições financeiras precisam depositar junto ao banco central e que reduz a quantia de recursos disponíveis para empréstimos.

O programa de US$ 700 bilhões será usado para compra de US$ 500 bilhões em títulos do Tesouro e US$ 200 bilhões em ativos lastreados em hipotecas. Já a redução no compulsório será válida a partir de 26 de março.

"O Federal Reserve está preparado para usar todo o seu arsenal de ferramentas para suportar o fluxo de crédito para famílias e negócios e, assim, promover seus objetivos de maximizar empregos e estabilizar os preços", diz o comunicado.

O banco central americano anunciou, ainda, outras medidas para injetar liquidez no sistema financeiro e liberar recursos para instituições financeiras concederem crédito a famílias e empresas, sobretudo àquelas mais afetadas pelo avanço do coronavírus.

Ação coordenada de bancos centrais

O Fed disse, ainda, que agiu em coordenação com os bancos centrais de Canadá, Inglaterra, Japão, Suíça e União Europeia em medidas de injeção de liquidez no sistema.

Ações coordenadas de bancos centrais de diversos países para combater os efeitos nefastos do coronavírus na economia mundial eram ansiosamente aguardado pelo mercado, que temiam um vazio de liderança neste momento de tantas incertezas.

Em pronunciamento ao vivo hoje mais cedo, o presidente americano Donald Trump disse: "Corte de juros pelo Fed neste domingo é uma grande notícia; estou muito contente."

Apesar da aparente boa notícia para o mercado de ações, os futuros dos principais índices da bolsa de Nova York operam em queda de mais de 3%.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Pandemia

Brasil registra 11.130 casos de coronavírus e 486 mortes

Foram mais de 800 novos casos confirmados entre sábado e domingo; em 24 horas, outras 54 mortes por causa do coronavírus foram constatadas no país

Crise do coronavírus

Bradesco oferecerá financiamento para pequenas empresas pagarem salários

O Bradesco, primeiro grande banco a anunciar a oferta do crédito emergencial, espera que a medida beneficie até 1 milhão de trabalhadores

Crise do coronavírus

O que os líderes podem fazer em meio à pandemia? Para Bill Gates, há três passos fundamentais

O bilionário Bill Gates listou algumas medidas que julga essenciais para que governos e lideranças políticas possam combater de maneira mais eficaz o surto de coronavírus

Pesquisa Datafolha

59% são contra e 37% a favor da renúncia de Bolsonaro em meio à pandemia

Um levantamento do Datafolha, divulgado neste domingo, 5, mostra que 59% dos brasileiros são contra uma renúncia do presidente Jair Bolsonaro em meio ao combate à pandemia pela covid-19. Outros 37% são a favor, conforme vem sendo pedido por políticos da oposição. Outros 4% não sabem dizer. Para apenas 33% dos entrevistados, a gestão da […]

LIÇÕES PARA O SEU DINHEIRO

Recomendações de leitura para um investidor em quarentena

Três livros para você sobreviver ao isolamento e sair deste furacão como um investidor ainda melhor.

O BC e o coronavírus

Preferimos ter um lado fiscal um pouco pior para que as pessoas possam honrar seus contratos, diz Campos Neto

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, destacou que a instituição se preocupa em dar condições às empresas cumprirem suas obrigações financeiras, evitando um movimento de quebra massiva de contratos

Crise da Covid-19

Brasil ultrapassa marca de 10 mil casos de coronavírus

Em 24 horas, o Brasil notificou mais de mil novos casos de coronavírus e outros 72 casos fatais. A taxa de mortalidade no país está em 4,2%

Em conversa com o setor de varejo

Governo faz o máximo para o dinheiro chegar à ponta final, diz Guedes

O ministro Paulo Guedes, participou de conferência com líderes do setor de varejo neste sábado, detalhando as inciativas do governo na crise do coronavírus

Guerra de preços

Arábia Saudita e Rússia continuam trocando farpas e trazem preocupação ao mercado de petróleo

Arábia Saudita e Rússia voltaram a trocar acusações no âmbito da guerra de preços do petróleo — e já se começa a falar que a reunião emergencial da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) da próxima segunda-feira foi por água abaixo

Impactos

Crise do coronavírus reduz consumo de carne e já paralisa 11 frigoríficos no país

A indústria da carne já começa a sentir os primeiros efeitos da crise do coronavírus, com uma menor demanda por produtos — o que paralisa alguns frigoríficos no país

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements