Menu
2020-05-12T09:23:23-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Jornalista formado pela Universidade de Federal do Paraná (UFPR). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros veículos.
juros

BC espera queda forte do PIB no 1º semestre e considera último corte da Selic

Para o Copom, é plausível um cenário em que a retomada da economia seja gradual e caraterizada por idas e vindas; juros foram reduzidos a 3% ao ano no último dia 6

12 de maio de 2020
8:52 - atualizado às 9:23
Diretores do Banco Central em reunião do Copom
Diretores do Banco Central - Imagem: Raphael Ribeiro/Flickr/Banco Central

O Banco Central avaliou nesta terça-feira (12), por meio da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que o primeiro semestre deve ser de forte queda do Produto Interno Bruto (PIB) e que considera um último corte da Selic, de 0,75 p.p..

Segundo a ata, os membros do Copom avaliaram que, embora haja poucos dados disponíveis para o mês de abril, há evidência suficiente de que a economia sofrerá forte contração no segundo trimestre deste ano. Para o grupo, é plausível um cenário em que a retomada seja gradual e caraterizada por idas e vindas.

A maioria dos membros disse que há um limite para a redução na taxa de juros, que é menor em economias emergentes do que em países desenvolvidos por causa de um prêmio de risco — que tende a ser maior no Brasil, "dadas a sua relativa fragilidade fiscal e as incertezas quanto à sua trajetória fiscal prospectiva".

"Nesse contexto, já estaríamos próximos do nível onde reduções adicionais na taxa de juros poderiam ser acompanhadas de instabilidade nos mercados financeiros e nos preços de ativos", diz o documento.

Segundo a ata, todo o Comitê reconheceu a importância de gradualismo na condução da política monetária para avaliação da resposta dos preços de ativos financeiros.

Para a próxima reunião, o Copom considera um último ajuste, "não maior do que o atual", para complementar o grau de estímulo necessário como
reação às consequências econômicas da pandemia da Covid-19.

Na semana passada, o BC anunciou um corte de 0,75 ponto percentual da taxa básica de juros (Selic), de 3,75% para 3% ao ano. Uma nova redução, conforme sinalizada pela autoridade monetária, levaria a taxa básica juros a 2,25% ao ano.

Em março, o Copom sinalizou que poderia encerrar o ciclo de cortes com a Selic em 3,75% ao ano. Mas a postura da autoridade monetária mudou com a piora do quadro econômico nas últimas semanas.

A pandemia do novo coronavírus mudou radicalmente as perspectivas para a economia brasileira, impondo uma redução da oferta e da demanda. Segundo o Focus, publicação do BC que reúne estimativas de instituições financeiras, o Brasil deve ter uma queda de 4,11% do PIB neste ano.

A crise tem um movimento desinflacionário. O IPCA recuou 0,31% em abril, segundo o IBGE. Para o BC, a projeção de alta dos preços no ano é de 2,3%.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

seu dinheiro na sua noite

Despiorou

Acabou a crise? Nesta quarta-feira, os mercados mantiveram o otimismo dos últimos dias. As bolsas subiram aqui e lá fora, ao mesmo tempo em que o dólar assistiu a mais um dia de alívio, chegando perto dos R$ 5 novamente. Está até difícil entender de onde sai tanto apetite por risco, dado que a pandemia […]

ANÁLISE

Quarentena de pijama? Não, no mundo cripto tem muita coisa rolando

Nas próximas linhas, Helena Margarido vai mostrar a você um mercado que caminha na contramão de todo establishment e permanece com alta demanda em meio à crise atual: a revolução está somente começando.

Ninguém segura

A corrida dos touros: Ibovespa sobe pelo quarto dia e volta aos 93 mil pontos; dólar cai a R$ 5,09

O Ibovespa teve mais um dia de ganhos e chegou ao maior nível desde 6 de março, sustentado pelo otimismo global. O dólar à vista caiu forte, chegando a R$ 5,01 na mínima da sessão

tombo histórico

Abinee reporta queda de 30,3% na produção do setor eletroeletrônico em abril

Essa foi a maior queda verificada na série histórica iniciada no início de 2002, segundo o presidente da entidade, Humberto Barbato

Empresários de comércio e serviços

76% de 400 micro e pequenos empresários esperam queda de faturamento

A pesquisa ouviu empresários dos setores de comércio e serviços. Parcela de 26% dos entrevistados espera recuo de 31% a 50%, enquanto 22% têm expectativa de queda até 30%

Compartilhamento de serviços

Cade nega recurso da Claro e mantém aprovação de operação entre Tim e Telefônica

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) negou recurso apresentado pela Claro contra o aval do órgão a operação de compartilhamento de redes entre a TIM e a Telefônica Brasil

Ajuda financeira

Maia diz ter informação que socorro a Estados e municípios será pago até dia 9

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia afirmou que a primeira parcela do socorro a Estados e municípios deve ser entregue aos entes até a próxima terça-feira, 9

Em meio ao bom humor global

Tesouro capta US$ 3,5 bilhões no exterior com títulos de dívida de 5 e 10 anos

Mais cedo, o Tesouro informou que tinha concedido mandato para a emissão de dois novos papéis

Fundo Nacional de Aviação Civil

Ajuda aérea: setor de aviação terá acesso a empréstimos de fundo, diz relatório de MP

Uma das previsões de relatório da MP de ajuda ao setor aéreo foi liberar o uso dos recursos do Fundo Nacional de Aviação Civil (Fnac) para empréstimos ao setor até 31 de dezembro de 2020

Efeito corona

Com prejuízo de R$ 19 bilhões, venda de dias dos namorados deve cair 33% na pandemia

O prejuízo calculado pode ultrapassar R$ 19 bilhões, mesmo com reabertura de parte das atividades em algumas regiões do Estado de SP, diz Fecomercio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements