Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-06-30T13:30:43-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
juros

BC espera queda forte do PIB no 1º semestre e considera último corte da Selic

Para o Copom, é plausível um cenário em que a retomada da economia seja gradual e caraterizada por idas e vindas; juros foram reduzidos a 3% ao ano no último dia 6

12 de maio de 2020
8:52 - atualizado às 13:30
Diretores do Banco Central em reunião do Copom
Diretores do Banco Central - Imagem: Raphael Ribeiro/Flickr/Banco Central

O Banco Central avaliou nesta terça-feira (12), por meio da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que o primeiro semestre deve ser de forte queda do Produto Interno Bruto (PIB) e que considera um último corte da Selic, de 0,75 p.p..

Segundo a ata, os membros do Copom avaliaram que, embora haja poucos dados disponíveis para o mês de abril, há evidência suficiente de que a economia sofrerá forte contração no segundo trimestre deste ano. Para o grupo, é plausível um cenário em que a retomada seja gradual e caraterizada por idas e vindas.

A maioria dos membros disse que há um limite para a redução na taxa de juros, que é menor em economias emergentes do que em países desenvolvidos por causa de um prêmio de risco — que tende a ser maior no Brasil, "dadas a sua relativa fragilidade fiscal e as incertezas quanto à sua trajetória fiscal prospectiva".

"Nesse contexto, já estaríamos próximos do nível onde reduções adicionais na taxa de juros poderiam ser acompanhadas de instabilidade nos mercados financeiros e nos preços de ativos", diz o documento.

Segundo a ata, todo o Comitê reconheceu a importância de gradualismo na condução da política monetária para avaliação da resposta dos preços de ativos financeiros.

Para a próxima reunião, o Copom considera um último ajuste, "não maior do que o atual", para complementar o grau de estímulo necessário como
reação às consequências econômicas da pandemia da Covid-19.

Na semana passada, o BC anunciou um corte de 0,75 ponto percentual da taxa básica de juros (Selic), de 3,75% para 3% ao ano. Uma nova redução, conforme sinalizada pela autoridade monetária, levaria a taxa básica juros a 2,25% ao ano.

Em março, o Copom sinalizou que poderia encerrar o ciclo de cortes com a Selic em 3,75% ao ano. Mas a postura da autoridade monetária mudou com a piora do quadro econômico nas últimas semanas.

A pandemia do novo coronavírus mudou radicalmente as perspectivas para a economia brasileira, impondo uma redução da oferta e da demanda. Segundo o Focus, publicação do BC que reúne estimativas de instituições financeiras, o Brasil deve ter uma queda de 4,11% do PIB neste ano.

A crise tem um movimento desinflacionário. O IPCA recuou 0,31% em abril, segundo o IBGE. Para o BC, a projeção de alta dos preços no ano é de 2,3%.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Entrevista com o CEO

Gasolina cara? Não dá para fazer milagre com preço dos combustíveis, diz presidente da Ipiranga

Para Marcelo Araujo, questões conjunturais como o câmbio e a alta das commodities afetam a subida dos preços neste momento

fique de olho

Dividendos: TIM paga R$ 137,5 milhões em juros sobre capital próprio

pagamento ocorre no dia 27 de outubro, sendo a data de 29 de setembro de 2021 como aquela que servirá para identificar os acionistas com direito a receber os valores

BLINK!

Via Varejo (VIIA3) é uma oportunidade de compra? Evergrande foi apenas um susto? Entenda esses e outros assuntos no BLINK!

Você já sabe que toda sexta-feira tem dois compromissos marcados: o happy hour e o encontro com Felipe Miranda, CIO e estrategista-chefe da Empiricus. Como sempre, ele responde perguntas feitas pelos seus seguidores de forma descontraída. Confira, afinal: sextou

FECHAMENTO DA SEMANA

Problemas na China minam apetite por risco dos mercados globais e pressionam o dólar, mas Ibovespa fecha a semana em alta de 1,65%

Ainda que as perdas registradas nesta sexta-feira (24) tenham sido mais modestas do que as da última segunda-feira (20), a semana começa da mesma forma que começou — com os olhares do mundo voltados para a China.  Os analistas e especialistas diminuíram as apostas de que uma eventual falência da incorporadora chinesa Evergrande pode se […]

Cripto Cowboys

Com restrições na China, Texas é a nova meca do bitcoin e outras criptomoedas?

A energia barata e o baixo controle regulatório atraem os mineradores de moedas digitais para o sul dos Estados Unidos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies