Menu
2020-06-30T13:30:43-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
juros

BC espera queda forte do PIB no 1º semestre e considera último corte da Selic

Para o Copom, é plausível um cenário em que a retomada da economia seja gradual e caraterizada por idas e vindas; juros foram reduzidos a 3% ao ano no último dia 6

12 de maio de 2020
8:52 - atualizado às 13:30
Diretores do Banco Central em reunião do Copom
Diretores do Banco Central - Imagem: Raphael Ribeiro/Flickr/Banco Central

O Banco Central avaliou nesta terça-feira (12), por meio da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que o primeiro semestre deve ser de forte queda do Produto Interno Bruto (PIB) e que considera um último corte da Selic, de 0,75 p.p..

Segundo a ata, os membros do Copom avaliaram que, embora haja poucos dados disponíveis para o mês de abril, há evidência suficiente de que a economia sofrerá forte contração no segundo trimestre deste ano. Para o grupo, é plausível um cenário em que a retomada seja gradual e caraterizada por idas e vindas.

A maioria dos membros disse que há um limite para a redução na taxa de juros, que é menor em economias emergentes do que em países desenvolvidos por causa de um prêmio de risco — que tende a ser maior no Brasil, "dadas a sua relativa fragilidade fiscal e as incertezas quanto à sua trajetória fiscal prospectiva".

"Nesse contexto, já estaríamos próximos do nível onde reduções adicionais na taxa de juros poderiam ser acompanhadas de instabilidade nos mercados financeiros e nos preços de ativos", diz o documento.

Segundo a ata, todo o Comitê reconheceu a importância de gradualismo na condução da política monetária para avaliação da resposta dos preços de ativos financeiros.

Para a próxima reunião, o Copom considera um último ajuste, "não maior do que o atual", para complementar o grau de estímulo necessário como
reação às consequências econômicas da pandemia da Covid-19.

Na semana passada, o BC anunciou um corte de 0,75 ponto percentual da taxa básica de juros (Selic), de 3,75% para 3% ao ano. Uma nova redução, conforme sinalizada pela autoridade monetária, levaria a taxa básica juros a 2,25% ao ano.

Em março, o Copom sinalizou que poderia encerrar o ciclo de cortes com a Selic em 3,75% ao ano. Mas a postura da autoridade monetária mudou com a piora do quadro econômico nas últimas semanas.

A pandemia do novo coronavírus mudou radicalmente as perspectivas para a economia brasileira, impondo uma redução da oferta e da demanda. Segundo o Focus, publicação do BC que reúne estimativas de instituições financeiras, o Brasil deve ter uma queda de 4,11% do PIB neste ano.

A crise tem um movimento desinflacionário. O IPCA recuou 0,31% em abril, segundo o IBGE. Para o BC, a projeção de alta dos preços no ano é de 2,3%.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

alívio na pandemia

Bolsonaro fala em pagar mais quatro parcelas de R$ 250 em nova rodada do auxílio

Presidente voltou a destacar endividamento do País e diz que auxílio é “para ver se a economia pega de vez”

NÚMEROS DA PANDEMIA

Confirmadas mais 1.541 mortes por covid-19 em 24 horas

No período, número de novos casos de infecção pela covid-19 atinge 65.998, de acordo com dados do Ministério da Saúde

Sextou com o Ruy

Certeza é para idiotas. Como ganhar na bolsa mesmo sem saber para que lado a ação vai andar

Nesta semana eu consegui realizar um lucro de 1.250% com uma opção de Petrobras, e nem precisei adivinhar para onde a ação iria

IR 2021

Prazo para envio de informe de rendimentos termina nesta sexta; saiba o que fazer caso não receba algum deles

Saiba que informes de rendimentos você deve esperar receber até o fim do dia de hoje; documento é essencial para preencher declaração de imposto de renda e comprovar informações junto à Receita Federal

Pegue o passaporte

Como usar os ETFs para escapar do risco Brasil e investir nas bolsas globais sem sair da B3

Qualquer investidor com uma conta em corretora pode ter acesso hoje mesmo a uma cesta de ativos que representa as ações das maiores empresas do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies