Menu
Julia Wiltgen
O melhor do Seu Dinheiro
Julia Wiltgen
2020-02-17T19:36:34-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

Um brilho no futuro da Oi

17 de fevereiro de 2020
19:35 - atualizado às 19:36
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Em recuperação judicial desde 2016 e com uma dívida bilionária, a Oi é uma empresa que divide a opinião de analistas do mercado. Para uns, as ações da tele representam uma aposta de risco, porém com chances de render uma bolada caso o turnaround seja bem-sucedido. Para outros, no entanto, o risco se mostra excessivo, e é melhor ficar de fora.

Em meio às polêmicas e a um processo de RJ complicado, as ações da Oi têm passado pela forte volatilidade típica das ações de valor unitário baixo, e também sofrem influência de cada novo capítulo da sua novela. Nos últimos 12 meses, os papéis caíram quase 31%, mas em 2020 valorizam quase 20%.

Nessa montanha-russa de preços e emoções, um movimento do maior acionista da companhia poderia estar acionando o sinal amarelo para os minoritários. A gestora de investimentos GoldenTree Asset Management, que chegou a deter 16% de participação na Oi, vem se desfazendo dos seus papéis há cerca de um ano. Agora, tem menos de 10% de participação.

Seria um sinal para o investidor abandonar o barco junto? Afinal, quando o “dono” vende, boa coisa não pode ser, certo? Depende. No caso dos analistas do BTG Pactual, que estão no time dos que recomendam as ações da Oi, esse movimento de venda não é um sinal negativo. O Kaype Abreu explica por que eles pensam assim nesta matéria.

Um pouco de China, um pouco de balanços

A bolsa terminou o primeiro pregão da semana em alta e conseguiu retomar o patamar dos 115 mil pontos. Tudo graças a um combo de boas notícias: no exterior, o governo da China anunciou um novo pacote de estímulos à economia. Aqui no Brasil, os resultados trimestrais e os acordos das empresas aumentaram o apetite do investidor. Agora, quando o assunto é dólar, a história acaba um pouco diferente, como você confere na cobertura do Victor Aguiar.

Cheio de novidades

Foi assim que o grupo Carrefour Brasil iniciou a semana. A varejista anunciou ontem a compra de 30 lojas da rede Makro por R$ 1,95 bilhão, e o presidente da companhia deu ao Estadão alguns detalhes sobre a aquisição, que você confere nesta matéria. Mais cedo, outra novidade: a empresa fechou uma parceria com a Ultragaz para a venda de vale gás em algumas de suas lojas. Confira os detalhes dessa história.

Cada vez mais #veggie

A Marfrig anunciou hoje que seu hambúrguer vegetal passará a fazer parte do cardápio da tradicional lanchonete paulista Chicohamburger. O novo produto foi batizado de Revolution Burger CH e se soma à onda vegetariana dos restaurantes fast-foods e hamburguerias.

Quem te viu, quem te vê

Depois de crescer quase 36% no ano passado, os fundos imobiliários apresentam a maior desvalorização da história do investimento dentro de um intervalo de 45 dias neste começo de ano. De 1º de janeiro até a última sexta-feira, os ativos perderam na Bolsa R$ 3,28 bilhões em valor de mercado. Mas os motivos não são tão ruins quanto se imagina, pelo contrário. Entenda o porquê nesta matéria.

Para tudo!

Com dificuldades de aprovar a reforma administrativa no Congresso, o governo resolveu travar novos concursos públicos federais e usá-los como moeda de troca para pressionar os parlamentares. A reforma promete mexer com as carreiras do funcionalismo público e encontra forte resistência no Legislativo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Seu Dinheiro na sua noite

La bolsa de papel

O roteiro dramático da bolsa nesses tempos de crise do coronavírus muitas vezes me lembra o da série espanhola La Casa de Papel. Para quem não conhece, trata-se da história de um grupo de ladrões que invade a Casa da Moeda para produzir e roubar o próprio dinheiro. A quarta temporada, aliás, acaba de estrear […]

Atualização do covid-19

Brasil registra 667 mortes por coronavírus e 13,7 mil casos

O número representa um aumento de 20% em relação a ontem

Flexibilização de regras

B3 suspende prazo para Oi e outras ‘penny stocks’ ajustarem cotação

Devido ao estado de calamidade pública decretado por conta do coronavírus, a bolsa anunciou uma série de suspensões e prorrogações de prazos para que empresas listadas façam ajustes de forma a se readequar às regras do mercado

Pisando fundo

Mini-rali: Ibovespa desacelera na reta final, mas fecha em alta e acumula 10% de ganhos em dois dias

O Ibovespa ganhou terreno pelo segundo dia consecutivo, amparado pela menor percepção de risco político e pelos dados econômicos domésticos mais animadores — fatores que compensaram o viés mais cauteloso visto no exterior

Precisa ser mais rápido

Luiza Trajano diz que medidas foram adequadas, mas precisam chegar na ponta

Medidas adotadas pelo governo para combater o coronavírus foram adequadas, disse a presidente do Conselho do Magazine Luiza, a empresária Luiza Trajano

Ajuda de emergência

Caixa já tem 10 milhões de cadastros finalizados, diz presidente

Presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães atualizou na tarde desta terça-feira, 7, as informações sobre a procura por trabalhadores informais, autônomos e microempreendedores individuais (MEIs) ao cadastro para o recebimento do auxílio emergencial

Mais crédito

BCE anuncia medidas que flexibilizam garantias necessárias para empréstimos

Banco Central Europeu (BCE) anunciou nesta terça-feira, 7, um pacote de medidas que flexibiliza garantias necessárias para empréstimos, com o objetivo de ampliar a tomada de crédito em meio à crise trazida pelo novo coronavírus

Efeito covid-19

S&P muda perspectiva de positiva para estável de instituições financeiras do Brasil

S&P informou em comunicado que a revisão da perspectiva, de positiva para estável, dos ratings de 15 instituições do setor financeiro do Brasil

Efeitos negativos

Com coronavírus, setor de telecom e TI deve perder US$ 15 bilhões na América Latina

Setor de telecomunicações e tecnologia da informação vai interromper o ciclo de crescimento e encerrar o ano em queda devido à crise do coronavírus, de acordo com projeção da consultoria IDC

o baque da pandemia

Covid-19 faz comércio perder R$ 53,3 bi em faturamento, diz CNC

Estimativa sinaliza uma queda de 46,1% no faturamento do comércio varejista desde a introdução de medidas restritivas até esta terça-feira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu