Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2020-04-14T20:13:37-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

Por que a bomba fiscal não estourou nos mercados?

14 de abril de 2020
20:13
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

No clássico desenho animado que passava na TV na minha infância, o faminto Coiote tenta capturar o veloz Papa-Léguas usando as bombas e armadilhas fabricadas pela ACME. Mas elas teimam em não funcionar, ou só funcionam contra o próprio Coiote.

A Câmara dos Deputados pode ter armado uma bomba fiscal do tipo ACME ao aprovar na noite de ontem o projeto de ajuda financeira a Estados e municípios.

Foi uma verdadeira surra no governo, que perdeu por 431 votos a 70. Pela proposta, a União terá de compensar a perda de arrecadação dos entes da federação neste ano em consequência da pandemia do coronavírus.

Estamos falando em coisa de R$ 80 bilhões, na melhor das hipóteses. E qual será a contrapartida dos governos estaduais e municipais? Nenhuma.

Pois bem, eu chamo de bomba ACME porque ela foi armada, mas (ainda) não estourou. No mercado financeiro, onde a reação costuma ser imediata, foi um dia relativamente tranquilo. A bolsa subiu e o dólar ficou praticamente estável.

O que aconteceu? Primeiro, é preciso dizer que o projeto acabou não saindo um desastre completo porque alguns pontos, como o aumento do limite de endividamento dos Estados, foram retirados.

Ainda assim, trata-se de uma sinalização péssima para o equilíbrio das contas públicas, que já vão se deteriorar diante dos gastos necessários para conter os efeitos da pandemia.

Em momentos assim, é natural que os investidores aumentem as apostas na alta dos juros no longo prazo. Mas as taxas que são negociadas na B3 fecharam em queda hoje.

O UBS tem uma explicação para a bomba (ainda) não ter estourado, e ela tem relação com outro projeto em tramitação no Congresso, que dá maiores poderes ao Banco Central atuar no mercado. O Kaype Abreu conta para você o que dizem os economistas do banco suíço.

No Azul ou no Vermelho?

Todos sabem que a vida não está fácil para ninguém, especialmente para as companhias aéreas. Como se pandemia do coronavírus não bastasse, a Azul ainda por cima passou por um adicional de incerteza: David Neeleman, fundador e atual presidente do conselho de administração da empresa, vendeu 9 milhões de ações da empresa. Uma movimentação desse porte na base acionária atrai atenção e alimenta desconfiança, mas, afinal, o que ela de fato significa? O Victor Aguiar traz a resposta nesta matéria.

Sinal vermelho

Com o isolamento imposto pelo coronavírus, quem vai querer comprar um carro para ficar parado na garagem? O presidente do BV, antigo Banco Votorantim, afirmou que a instituição registrou uma queda de 80% nos financiamentos de veículos em março em razão da pandemia. Em entrevista ao Estadão, Gabriel Ferreira também fez uma comparação sobre o comportamento da inadimplência agora com a greve dos caminhoneiros.

Quem dá menos?

A riqueza do Brasil sofrerá graves danos do novo coronavírus, pelo que mostra a Moody’s. Economistas da agência de risco veem um encolhimento de 6% do PIB do país, bem acima da média do mercado financeiro. As consequências para a economia da América Latina em geral não serão menores: a contração na região deverá ser duas vezes maior do que a do ano da crise financeira. Você confere todos os números nesta matéria.

Governador infectado

Wilson Witzel, governador do Estado do Rio de Janeiro, disse que contraiu a covid-19, segundo comunicado oficial. Witzel afirmou que manterá as restrições e as recomendações médicas trabalhando do Palácio da Guanabara, sua residência oficial. O político pediu que a população cumpra as exigências do isolamento social. Ele também falou sobre os sintomas que sentiu da doença.

Roberto Benigni ou Woody Allen?

O mercado tem dado sinais de otimismo — para isso, basta ver o S&P 500, só 5% abaixo do patamar de 2019. Mas isso está certo mesmo? Os investidores estão apostando numa recuperação dos lucros em 2021? E o temor de uma segunda onda? Há alguma ideia do que se pode ter quando bancos centrais imprimem dinheiro do jeito que fazem hoje? Na coluna de hoje, o Felipe Miranda conta por que prefere Woody Allen a Roberto Benigni nesse cabo de guerra de visões sobre a crise.

Uma ótima noite para você!

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Telecomunicações

Unifique pede registro de oferta pública de ações na CVM

A oferta terá como coordenador líder a XP Investimentos, além da atuação do BTG Pactual e do Itaú BBA, do BTG Pactual e do Morgan Stanley

Mercado secundário

Conselho do BNDESPar aprova regras para venda de Units da Copel

O BNDESPar possui participação de 24% na Copel, e no final do ano passado, já havia anunciado sua intenção de se desfazer dos ativos

cardápio de balanços

Via, Suzano, Eletrobras, Equatorial, MRV, Eneva, Locaweb, BRF, Natura e Hapvida: os balanços que mexem com o mercado nesta quinta

Veja abaixo os principais resultados, divulgados entre a noite desta quarta-feira e a manhã desta quinta

Fim de uma história de amor?

Elon Musk anuncia que Tesla suspendeu compras com bitcoins e volta a falar de dogecoin

O bilionário levantou a questão ambiental para deixar as transações com a criptomoeda de lado

IR 2021

Imposto de Renda: Quem pode deduzir honorários advocatícios?

A repórter Julia Wiltgen conversou com o advogado tributarista Samir Choaib e respondeu às principais dúvidas dos leitores do Seu Dinheiro.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies