Menu
Julia Wiltgen
O melhor do Seu Dinheiro
Julia Wiltgen
2020-01-09T18:38:47-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

Cuidado, pouca visibilidade à frente

6 de janeiro de 2020
19:03 - atualizado às 18:38
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Eu não dirijo, mas já peguei a estrada como passageira algumas vezes em meio ao nevoeiro da serra - o tal do ruço - a caminho de Teresópolis, no interior do estado do Rio. E quando a neblina reduz o alcance da visão, você sabe: é hora de dirigir com cuidado, ainda mais naquelas vias sinuosas.

Depois de saírem felizes da cerração anterior, causada pela guerra comercial entre EUA e China, os mercados globais entraram numa nova zona de baixa visibilidade na última quinta-feira (2), quando os americanos fizeram um ataque em Bagdá que matou o mais graduado militar do Irã, Qassem Soleimani.

A primeira reação das bolsas no mundo inteiro foi cair com força, mas as perdas foram logo reduzidas. Durante o fim de semana, a temperatura entre Estados Unidos e Irã continuou subindo, e hoje as quedas nas bolsas se repetiram mundo afora. A exceção foram os índices americanos, por conta de fatores locais.

Ainda assim, é certo que as perdas não estão num nível de “Terceira Guerra Mundial iminente”, como sugeriram os comentários nas redes sociais, tipicamente exagerados. Mesmo o petróleo, que inicialmente reagiu com uma alta mais robusta, hoje também já teve valorizações bem mais modestas.

Mas se à primeira vista o mercado não está disposto a simplesmente dar meia volta e devolver os ganhos desse bull market, os investidores também parecem estar respondendo com cautela. Com pouca visibilidade à frente, realmente não dá para engatar novos ralis.

A verdade é que ainda é muito difícil saber como e com que intensidade esse conflito pode impactar os preços dos ativos. O Victor Aguiar, que está de volta do recesso de fim de ano, acompanhou os mercados hoje e traz para você, em detalhes, como foram as negociações e quais ações se destacaram na bolsa brasileira.

Corrida para o ouro

Quando nevoeiros como a guerra comercial e os conflitos no Oriente Médio embotam a visão dos investidores, seu farol de neblina predileto é um metal reluzente. O ouro continua bastante procurado neste início de ano como investimento de proteção. Tanto que hoje atingiu sua maior cotação desde abril de 2013. A Bruna Furlani te conta aqui esta história.

Para começar 2020

A Caixa Econômica Federal prepara para abril o IPO (oferta pública inicial de ações) da sua área de seguros. A expectativa é que a Caixa Seguridade faça sua estreia na bolsa com um valor de mercado entre R$ 50 bilhões e R$ 60 bilhões. Na mesma linha de negócios, o banco estatal está perto de concluir o processo de escolha dos seus futuros sócios no ramo de seguros - e um deles já é conhecido.

Melhor ainda

A Natura & Co revisou para cima sua meta de sinergias resultantes da combinação dos seus negócios com os da Avon. O anúncio da holding da Natura foi feito poucos dias após o fim do processo de incorporação da gigante de cosméticos.

A novela do avião-problema

A novela do 737 MAX, o avião-problema da Boeing, ganhou mais um capítulo. Depois da suspensão da fabricação do modelo, envolvido em dois acidentes fatais com centenas de vítimas, e da demissão do CEO da companhia, a fabricante de aeronaves considera aumentar o volume de dívidas para reforçar seu caixa, prejudicado pela crise do MAX.

As reformas continuam

O presidente Jair Bolsonaro disse que a reforma administrativa deve ser enviada ao Congresso em fevereiro. O projeto, que deve fazer mudanças no serviço público, é polêmico e já sofre resistência em alguns grupos parlamentares.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Ministro fala

Medidas contra coronavírus vão injetar R$ 750 bilhões em 3 meses, diz Paulo Guedes

Guedes afirmou que o rumor sobre uma eventual saída do governo é “conversa fiada total” e que a conta das medidas de estímulo não será paga pelas futuras gerações

fala, governo

É errado comparar medidas do governo Bolsonaro com pacote trilionário de Trump, diz secretário do Tesouro

Segundo Mansueto, diferentemente dos Estados Unidos, o Brasil tem uma rede de assistência social bastante robusta e comparável a países europeus com alto grau de bem-estar social

dados oficiais

Brasil tem 111 mortes e 3.904 casos confirmados de coronavírus, diz ministério

Perspectiva para o próximo mês é de que a epidemia aumente no Brasil, uma vez que o país está no início da curva de crescimento

crise do coronavírus

Vamos lidar com a dor econômica para minimizar a dor da doença e da morte, diz Bill Gates

Fundador da Microsoft diz que não dá para pensar em um meio termo entre isolamento e atividade econômica

efeitos da pandemia

Agronegócio registra perdas e descartes de produtos por conta do coronavírus

Segundo documento, exportadores de frutas relatam uma suspensão drástica das vendas por via aérea, já que as exportações eram feitas basicamente em porões de voos de passageiro

do otimismo ao pessimismo

XP prevê queda de quase 2% do PIB brasileiro em 2020

Análise reconhece que existe “um alto grau de incerteza” nas estimativas citadas no documento, dada a complexidade da crise atual

o melhor do seu dinheiro

MAIS LIDAS: Quem ficou na renda fixa também perdeu dinheiro com o coronavírus

Nesses dias de confinamento, tenho feito muitas chamadas telefônicas e em vídeo com amigos e familiares. As conversas vão de dicas do que fazer trancado em casa, preocupações sanitárias, avaliação política e, claro, a situação da economia e da bolsa de valores.  Um amigo me disse estar aliviado porque não investiu em ações. Antes de o […]

entrevista magazine luiza

‘Tenho feito pedidos para que não demitam’, diz Luiza Trajano

Em entrevista, presidente do conselho de administração do Maganize Luiza diz que vê empresários em pânico, mas que acredita no potencial de reinvenção diante da crise

repercussão

OAB leva campanha de Bolsonaro ao TCU e pede suspensão de contrato publicitário

Entidade pede que, durante a apuração, o TCU suspenda o contrato de R$ 4,8 milhões da Secom com uma agência de publicidade, sem licitação, formalizado esta semana

nos bastidores

Contrato suspenso terá porcentual de seguro-desemprego

Governo decidiu assegurar 100% da parcela do seguro-desemprego para os trabalhadores que forem afetados por essa interrupção

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu