Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2020-05-29T19:25:15-03:00
seu dinheiro na sua noite

Adam Smith e o PIB da pandemia

29 de maio de 2020
19:25
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

A economia funciona desta forma: a produção de bens e serviços só existe em função do consumo. Essa conclusão não é minha, é claro, mas de Adam Smith.

Citar o “pai” do liberalismo em um raro momento de consenso sobre a necessidade de maior atuação do Estado para conter os efeitos do coronavírus na economia pode parecer um contrassenso.

Mas foi ele quem me veio à mente quando o IBGE divulgou o resultado do PIB brasileiro no primeiro trimestre. A economia registrou uma retração de 1,5% na comparação com os três últimos meses de 2019.

A “mão invisível” do coronavírus interrompeu bruscamente o processo de retomada da atividade no país – que, convenhamos, já vinha em um ritmo bem mais lento do que o desejado.

Foi justamente o consumo das famílias, que vinha sustentando o nosso “pibinho” nos últimos trimestres, o mais afetado no período, com uma queda de 2%. E, sem consumo, já sabemos o que acontece com a produção...

O resultado do PIB sem dúvida foi ruim, mas em uma comparação relativa não fomos tão mal assim. O Brasil ficou em 15º lugar num ranking internacional de desempenho da atividade econômica com 44 países.

O problema é que os dados refletem apenas o início da quarentena no país. Ou seja, ainda caminhamos no túnel às escuras e só veremos as luzes ao longe quando a atividade for retomada.

O Kaype Abreu ouviu economistas do mercado financeiro e da academia para saber qual foi a reação aos números do PIB e conta para você quando eles esperam que o país retome os níveis pré-crise.

Um mês em um dia

Os mercados tinham uma direção definida até meados da tarde — com o dólar em alta e a bolsa em queda. O que explicava o pé atrás era a volta da tensão entre Estados Unidos e China. Mas tudo mudou de figura quando o presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou medidas muito mais brandas do que as esperadas pelo mercado. O pregão de hoje, aliás, foi uma espécie de resumo do que aconteceu neste mês, como mostra o Victor Aguiar.

Momento Tiririca

Ao se referir ao cenário econômico atual, com a pandemia do coronavírus pesando, o presidente da Gol, Paulo Kakinoff, disse que não tem como o buraco ser mais embaixo. “Não conseguimos vislumbrar nada que seja pior do que agora”, afirmou. Neste contexto, a empresa aérea cortou a folha pela metade ao reduzir jornadas e criou programa de licença não remunerada ao qual 38% dos funcionários aderiram. Vale a pena ler a entrevista com Kakinoff.

Dividendos, ainda não

Os bancos terão de segurar o pagamento de dividendos aos acionistas por mais tempo. O Conselho Monetário Nacional também decidiu prorrogar até o fim do ano o veto ao aumento da remuneração de dirigentes de instituições financeiras e distribuição de lucros acima do mínimo regulatório. A primeira determinação do colegiado era impedir elevações até setembro.

O fim do 2 com 20?

A taxa básica de juros (Selic) está na sua mínima histórica — e provavelmente cairá mais, para perto dos 2%. No atual cenário, vale a pena continuar pagando 2% ao ano de taxa de administração e mais 20% de taxa de performance para os gestores de fundos de investimento? Esse é o tema da coluna do Felipe Arrais, que também conta a história de como um espião comunista criou esse método de cobrança dos fundos.

Quem ganhou em maio?

A edição desta semana do podcast Touros e Ursos reflete uma semana movimentada no mundo das finanças. Em meio à tensão política, nossos repórteres Julia Wiltgen e Victor Aguiar discutem o que guiou os mercados, além de fazerem um balanço sobre os investimentos de maio e o PIB do primeiro trimestre. Nosso podcast é ao vivo — toda sexta-feira, ao meio dia —, mas quem não viu pode conferir a transmissão aqui.

O conto da bilionária aos 21

Mentira tem perna curta — e a de Kylie Jenner caiu do cavalo selado em frente à Forbes. A revista americana afirma que a empresária e membro do clã Kardashian inflou seus resultados para alcançar a marca de 9 dígitos. Jenner já havia figurado na lista das potenciais bilionárias do futuro, da própria Forbes, em 2018, na 27ª posição. A Larissa Santos traz as contas da fortuna da celebridade.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Novo nome no MEC

Bolsonaro anuncia pastor Milton Ribeiro como novo ministro da Educação

Decreto presidencial nomeou professor para o cargo nesta sexta-feira

Investimento para o cliente

Corretora Warren recebe aporte de R$ 120 milhões para investimento em plataformas digitais

Fintech visa multiplicar por cinco patrimônio sob gestão até o fim de 2021 e aumentar alcance da marca: ‘Nossa meta é seguir investindo em tecnologia’

Chegou lá

E o Ibovespa, quem diria, voltou aos 100 mil pontos. O que isso significa?

Depois de mais de quatro meses, o Ibovespa finalmente reconquistou o patamar dos três dígitos. Algumas boas notícias da economia doméstica ajudam a explicar o otimismo na semana, mas há mais fatores que influenciaram esse movimento

Crise se afastando?

Barômetros globais sinalizam retomada gradual da economia mundial, diz FGV

Melhoras ainda estão condicionadas a um ‘grau elevado’ de incerteza diante da pandemia, pondera pesquisador

desconfiança justa?

Amazon pede que funcionários excluam TikTok por questões de ‘segurança’

Segundo uma captura de tela obtida pelo The New York Times, a empresa de e-commerce enviou um e-mail solicitando a exclusão do app

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu