Menu
Matheus Spiess
Insights Assimétricos
Matheus Spiess
É economista e editor da Empiricus
2020-07-16T19:55:38-03:00
Insights Assimétricos

Ainda dá para comprar ouro?

Se o ouro performa muito bem em períodos de inflação elevada, ele também performa bem em momento de inflação baixa; veja por quê

14 de julho de 2020
7:03 - atualizado às 19:55
Imagem conceitual traz barras de ouro em cima de dólar
Imagem: Shutterstock

O ouro não para de subir. Continua batendo máximas subsequentes e já ultrapassa a marca de US$ 1.810,00 a onça troy. No passado, lá atrás, reforcei diversas vezes sobre a necessidade imperativa de se ter ouro. Mais notadamente, ainda em fevereiro de 2020, trouxe para os leitores da coluna os motivos para nos assentarmos em metais preciosos com uma parcela de 5% a 10% do patrimônio financeiro investido.

Existem fatores estruturais muito fortes hoje que apontam para um mundo deflacionário. Estou falando da demografia e da tecnologia. No primeiro, a população mais velha tem uma preferência cada vez maior em poupar e em postergar consumo, aliviando pressões na demanda presente e jogando a inflação para baixo. No segundo, por sua vez, a tecnologia possibilita produções de custo cada vez mais reduzido, levando tal impacto para os preços, de modo a jogá-los para baixo. Vivemos em um mundo deflacionário.

Em geral, o ouro costuma performar bem em momento de alta da inflação, uma vez que, por ser a mais clássica reserva de valor, os agentes costumam alocar recursos no ouro em momentos de inflação elevada. Ora, se o mundo é deflacionário, então não deveríamos naturalmente gostar cada vez menos de ouro?

Negativo. Aí que entra a coisa interessante.

Se o ouro performa muito bem em períodos de inflação elevada, ele também performa bem em momento de inflação baixa. Isso porque, como o mundo é deflacionário, as autoridades monetárias têm estímulo para jogar as taxas de juro para baixo, de modo a tentar engajar a economia.

Historicamente, o ouro é negativamente correlacionado com o juros real de 10 anos nos EUA, uma vez que, com juros cadentes, mais vale deixar dinheiro parado em ouro, cotado internacionalmente e sujeito a fluxo positivo (oferta e demanda), do que alocar dinheiro pagando juros negativo, como já acontece em muitos lugares do mundo.

Além disso, vivemos uma época em que, por mais que haja forças deflacionárias, também passamos por uma elevada e sem precedentes expansão da base monetária em âmbito global, provocando uma distorção dos ativos financeiros e uma atual injeção infinita de liquidez - grande oferta de moeda (vide Teoria Monetária Moderna).

No limite, se há infinita expansão monetária (Quantitative Easing - QE ao redor do mundo), podemos falar que as moedas valerão cada vez menos, em um processo de curva quase que assíntota. Resultado? Inflação.

Ou seja, vivemos um momento que aparenta ser inexoravelmente positivo para o ouro em diversos sentidos. Já podemos ver sinais de fraqueza no dólar ao redor do mundo quando o comparamos com outras moedas. Provavelmente, o rali do DXY acabou e pode começar a ser um novo momento para as moedas consideradas fortes.

Como se não bastasse, fazia tempo que não era tão convidativo manter posições protetivas no portfólio, como ouro e moedas fortes (dólar, franco suíço, iene…). Note abaixo a desproporcionalidade entre ações de tecnologia (growth) e ações regulares (value/fundamento).

Por conta da expansão de liquidez e falta de fundamentos no presente, os agentes foram em peso para growth - se não tem value, vamos para crescimento. O problema é o crowded trade gerado pelos fenômenos de TINA e FOMO. Medo de bolha faz com que agentes procurem proteções. O ouro acaba sendo uma solução bem evidente.

Por fim, mas não menos importante, existem dados que provam o benefício de se manter ouro em proporções controladas dentro do portfólio. Tudo isso, claro, feito sob o devido dimensionamento das posições, conforme seu perfil de risco, e a devida diversificação de carteira, com as respectivas proteções associadas.

A presença do metal, quando bem cadenciada, acaba equilibrando e tornando mais atrativa a relação de risco e retorno do portfólio. Abaixo, como já falei aqui, podemos ver benefícios do ouro na carteira para algo entre 5% e 10%.

Devido aos preços historicamente já bem altos do metal, acredito que a fase de se carregar 10% da carteira, como disse lá atrás, já passou. Ainda assim, 5% ainda se mostra bastante interessante por tudo o apresentado acima.

Ideias como essa são sempre muito bem exploradas na série Palavra do Estrategista, best-seller da Empiricus. Recentemente, inclusive, Felipe Miranda e eu destrinchamos por completo o mercado de ouro nacional e internacional, esmiuçando cada um dos detalhes telegraficamente exibidos aqui. Quem acompanha o Palavra, acaba ficando na frente por estar sempre bem informado. Convido-os a conferir, não vão se arrepender.

Deixo também o convite para você se cadastrar de graça no Telegram da Empiricus e receber as principais atualizações do mercado em tempo real.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

controvérsia

Rússia anuncia vacina contra covid-19, mas decisão é questionada por especialistas

País espera poder iniciar a aplicação em massa, mesmo que estejam ocorrendo ainda testes clínicos para comprovar a segurança da vacina

tarifas e justiça

Trump ameaça retaliar Brasil por causa do etanol

Atualmente, há isenção para importação de até 750 milhões de litros de etanol dos EUA por ano, mas a partir daí a tarifa é de 20%

em reunião do corte

Em ata, Copom indica cautela na análise de novos cortes de juros

Documento mostra que o BC monitora risco da elevada ociosidade da economia produzir inflação abaixo da esperada, ao mesmo tempo que se preocupa com trajetória fiscal

investimento

Bradesco cria ‘ranking ambiental’ de empresas

Ao longo deste semestre, a gestora está se estruturando para fazer a classificação das empresas, que receberão notas de zero a 100

revisão

Pandemia derruba ‘preços’ de aeroportos

Com a revisão dos estudos da próxima rodada de concessão de aeroportos em razão da pandemia, o valor mínimo que o governo vai arrecadar à vista com a transferência dos terminais à iniciativa privada caiu 60%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu