🔴 SÉRIE EMPIRICUS IN$IGTS: +100 RELATÓRIOS CORTESIA – LIBERE GRATUITAMENTE

Saneamento e Petrobras podem movimentar mercados

A votação dos vetos vem sendo prorrogada desde o dia 2 e um novo adiamento não pode ser descartado

28 de setembro de 2020
9:33
Precatórios
Congresso Nacional em Brasília - Imagem: Shutterstock

O Congresso se reúne, na quarta-feira, para votar vetos presidenciais. Os mais polêmicos são o que trata da prorrogação da desoneração da folha de pagamento para 17 setores da economia até dezembro de 2021 e o que trata do novo marco regulatório do saneamento.

O risco para o governo de derrubada do veto da desoneração da folha é muito alto. O governo se reúne com líderes partidários nesta semana para apresentar a segunda fase da Reforma Tributária com o objetivo de reverter uma derrota no Congresso.

Com relação ao saneamento, há dois vetos polêmicos. O primeiro é o § 1º do art. 14, que dispensa a autorização dos municípios para a privatização de empresa estatal. Outro é o art. 16, que permite a renovação de contratos de empresas públicas, expirados ou em vigor, com um novo prazo contratual de até 30 anos. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Regional, as negociações avançaram e a tendência é a manutenção dos vetos. Conversei no final de semana com fontes dentro do Congresso e no Palácio do Planalto e o otimismo é grande. 

A votação dos vetos vem sendo prorrogada desde o dia 2 e um novo adiamento não pode ser descartado. Fontes da oposição consultadas pela Arko Advice admitem que, por conta das discussões em torno da nova fase da Reforma Tributária, o risco de adiamento é real. 

Do outro lado da Praça dos Três Poderes, o Supremo Tribunal Federal (STF) julga, na quarta-feira, pedido de liminar na reclamação do Congresso contra a venda da Refinaria Landulpho Alves (Rlam) e da Refinaria do Paraná (Repar). Ambas pertencem à Petrobras.

O argumento do Legislativo contra as operações tem como base a acusação de que a empresa estaria fatiando seus ativos em subsidiárias, cuja desestatização não depende de aprovação parlamentar, para “contornar” decisão anterior do STF segundo a qual a venda de uma empresa-mãe precisa de aval do Congresso.

O julgamento estava ocorrendo pelo plenário virtual, mas o presidente da Corte decidiu levá-lo para o plenário físico. Três ministros votaram contra a Petrobras: Edson Fachin (relator), Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio.

O julgamento poderá ser retomado do início. A expectativa é que a maioria da Corte decida a favor da liminar. Seria uma derrota para a Petrobras. 

Entretanto, pode ser que a análise de mérito possa ser antecipada. Caso o mérito seja de fato analisado, e não somente a liminar, acredito que o STF possa chegar em um meio termo, modulando a decisão. Por exemplo, uma refinaria adquirida após a criação da estatal poderia ser vendida sem a aprovação do Congresso Nacional, por se tratar de um movimento de expansão e não da empresa originária criada por lei.

Compartilhe

Carta de Brasília

O futuro do Renda Brasil

21 de setembro de 2020 - 8:41

Apesar do discurso otimista da equipe econômica de que a atividade na economia já voltou em V, ainda há muitas dúvidas sobre a velocidade e a consistência dessa retomada.

Carta de Brasília

Sucessão de Maia e Alcolumbre movimenta Brasília

14 de setembro de 2020 - 9:40

Proposta que abre caminho para reeleição tem resistências na Câmara – dificilmente será aprovada na Casa; teria de haver uma definição do STF

Carta de Brasília

Batalha dos Vetos

31 de agosto de 2020 - 8:06

Cenário no momento é adverso para o Planalto e vai requerer empenho e jogo de cintura por parte dos articuladores até o início da votação

Carta de Brasília

E o Guedes, hein?

17 de agosto de 2020 - 8:35

A grande questão polêmica hoje envolvendo Guedes está na manutenção, ou não, do teto de gastos para 2021.

Carta de Brasília

Atritos no Centrão atrapalham reformas?

3 de agosto de 2020 - 7:50

Existem outras motivações além da sucessão na Câmara para a saída de DEM e MDB do Centrão. Uma delas é a necessidade eleitoral de buscar uma maior independência em relação ao governo de Bolsonaro

Carta de Brasília

A Reforma Tributária será aprovada em 2020?

20 de julho de 2020 - 9:24

Nessa primeira fase, será encaminhado um projeto de lei que prevê a fusão de OS e Cofins em um único tributo, o IVA Federal, com alíquota entre 11% e 12%

Carta de Brasília

Bomba fiscal bilionária exigirá coordenação política apurada; saneamento volta ao radar

13 de julho de 2020 - 8:32

Acredito que o resultado final dos vetos será positivo para o governo, com a manutenção daqueles que representam maior risco fiscal

Carta de Brasília

Reformas na mão do Congresso. Boa ou má notícia?

6 de julho de 2020 - 7:55

Com a agenda de reformas que o governo pretende implementar em 2021 o tom conciliador é ainda mais crucial.

Carta de Brasília

Queiroz é a bala de prata contra Bolsonaro?

29 de junho de 2020 - 11:25

O caso Queiroz aumenta a temperatura política, alimenta o noticiário negativo e gera maior dependência ainda do governo ao Congresso Nacional

HOJE ÀS 17H

LIVE: Lucas de Aragão e Felipe Miranda debatem o cenário político e os mercados

22 de junho de 2020 - 16:25

Acompanhe ao vivo às 17h

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar