Menu
Carta de Brasília
Lucas de Aragão
Lucas de Aragão é diretor de Comunicação e sócio da Arko Advice, formado em Ciência Política pela UniDF e mestre em Campanhas Eleitorais e Governo pela Fordham University (Nova York). Diversos de seus artigos foram publicados em revistas e periódicos de ciência política no Brasil e no mundo.
2020-09-14T09:40:55-03:00
Carta de Brasília

Sucessão de Maia e Alcolumbre movimenta Brasília

Proposta que abre caminho para reeleição tem resistências na Câmara – dificilmente será aprovada na Casa; teria de haver uma definição do STF

14 de setembro de 2020
9:40
Maia Alcolumbre
Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre promulgam reforma da Previdência - Imagem: Geraldo Magela/Agência Senado

Trinta e um senadores (81 no total) apoiaram a Proposta de Emenda à Constituição (PEC), apresentada pela senadora Rose de Freitas (ES), que abre caminho para a reeleição dos presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-RJ), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Pelo texto, poderia haver reeleição dentro de uma mesma legislatura, o que hoje é vetado, mas seria permitida apenas uma reeleição consecutiva. Por ter recebido críticas do Podemos, a senadora anunciou a desfiliação da legenda.

Entre os senadores que assinaram a PEC estão os líderes do governo no Congresso, Eduardo Gomes (MDB-TO), e no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE).

Embora a proposta da senadora conte com apoio no Senado, ainda encontra sérias resistências na Câmara. Vale ressaltar que Rodrigo Maia afirmou na semana passada, mais uma vez, que não será candidato e que é contra a reeleição.

Sem a certeza de que a PEC será aprovada pelas duas Casas, Alcolumbre prefere aguardar um posicionamento do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o assunto. O PTB entrou com Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) contra uma possível reeleição de Maia e Alcolumbre. O relator é o ministro Gilmar Mendes. Ainda que não haja data marcada, a expectativa é de que o julgamento aconteça entre outubro e novembro.

Dependendo da data do julgamento, pode não haver tempo suficiente para aprovar uma PEC com esse teor na Câmara e no Senado, pois em janeiro haverá recesso parlamentar e a eleição será em 1o de fevereiro de 2021.

No seu discurso de posse como presidente do STF, na sexta-feira (11), o ministro Luiz Fux criticou a “judicialização da política”. Disse que Legislativo e Executivo devem resolver suas questões interna corporis e arcar com as consequências políticas das próprias decisões. “Conclamo as autoridades aqui presentes a acabar com a judicialização da política.”
Como presidente da Corte, cabe agora a Fux definir a pauta de julgamentos.

Se não houver uma definição do assunto por meio do Supremo, dificilmente haverá por meio de PEC. Não há tempo suficiente para a construção de uma narrativa política que sustente a aprovação de uma PEC sobre o tema.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

varejo online

B2W tem alta de 56% nas vendas e diminui prejuízo, que chega a R$ 43,8 milhões

Linha final do balanço é 57% melhor do que há um ano, enquanto mercado falava em prejuízo de R$ 60 milhões no terceiro trimestre; receita teve alta de 58,5% no período

cardápio de balanços

Suzano, Fleury e Totvs: os balanços que mexem com o mercado nesta sexta

São empresas cujas ações fazem parte da carteira teórica do Ibovespa – ou seja, os resultados das companhias ajudam a calibrar o índice

Sucessão no bancão

Milton Maluhy Filho será o novo presidente do Itaú Unibanco

Maluhy tem 44 anos e ingressou no Itaú em 2002. Após passar por diversas funções, o executivo ocupa o cargo de vice-presidente da área de riscos e finanças do maior banco privado brasileiro.

Big Techs

Resultados de Facebook, Google, Amazon, Twitter e Apple mexem com o mercado; veja números

Apesar dos resultados estarem bastante acima do esperado pelos analistas, as ações de algumas das gigantes caíram no pós-mercado em NY

Rombo

Governo Central tem déficit de R$ 76,1 bilhões em setembro

O resultado, que reúne as contas do Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central, sucede o déficit de R$ 96,096 bilhões de agosto.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies