Menu
Carta de Brasília
Lucas de Aragão
Lucas de Aragão é diretor de Comunicação e sócio da Arko Advice, formado em Ciência Política pela UniDF e mestre em Campanhas Eleitorais e Governo pela Fordham University (Nova York). Diversos de seus artigos foram publicados em revistas e periódicos de ciência política no Brasil e no mundo.
2020-09-14T09:40:55-03:00
Carta de Brasília

Sucessão de Maia e Alcolumbre movimenta Brasília

Proposta que abre caminho para reeleição tem resistências na Câmara – dificilmente será aprovada na Casa; teria de haver uma definição do STF

14 de setembro de 2020
9:40
Maia Alcolumbre
Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre promulgam reforma da Previdência - Imagem: Geraldo Magela/Agência Senado

Trinta e um senadores (81 no total) apoiaram a Proposta de Emenda à Constituição (PEC), apresentada pela senadora Rose de Freitas (ES), que abre caminho para a reeleição dos presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-RJ), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Pelo texto, poderia haver reeleição dentro de uma mesma legislatura, o que hoje é vetado, mas seria permitida apenas uma reeleição consecutiva. Por ter recebido críticas do Podemos, a senadora anunciou a desfiliação da legenda.

Entre os senadores que assinaram a PEC estão os líderes do governo no Congresso, Eduardo Gomes (MDB-TO), e no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE).

Embora a proposta da senadora conte com apoio no Senado, ainda encontra sérias resistências na Câmara. Vale ressaltar que Rodrigo Maia afirmou na semana passada, mais uma vez, que não será candidato e que é contra a reeleição.

Sem a certeza de que a PEC será aprovada pelas duas Casas, Alcolumbre prefere aguardar um posicionamento do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o assunto. O PTB entrou com Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) contra uma possível reeleição de Maia e Alcolumbre. O relator é o ministro Gilmar Mendes. Ainda que não haja data marcada, a expectativa é de que o julgamento aconteça entre outubro e novembro.

Dependendo da data do julgamento, pode não haver tempo suficiente para aprovar uma PEC com esse teor na Câmara e no Senado, pois em janeiro haverá recesso parlamentar e a eleição será em 1o de fevereiro de 2021.

No seu discurso de posse como presidente do STF, na sexta-feira (11), o ministro Luiz Fux criticou a “judicialização da política”. Disse que Legislativo e Executivo devem resolver suas questões interna corporis e arcar com as consequências políticas das próprias decisões. “Conclamo as autoridades aqui presentes a acabar com a judicialização da política.”
Como presidente da Corte, cabe agora a Fux definir a pauta de julgamentos.

Se não houver uma definição do assunto por meio do Supremo, dificilmente haverá por meio de PEC. Não há tempo suficiente para a construção de uma narrativa política que sustente a aprovação de uma PEC sobre o tema.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Fechou bem o ano

Petrobras tem lucro de quase R$ 60 bi no 4º trimestre e anuncia R$ 10 bi em dividendos

Alta extraordinária de 635% no lucro teve influência de itens não recorrentes de peso, mas mesmo o lucro recorrente totalizou R$ 28 bilhões, alta de 120% na comparação anual; em 2020, estatal lucrou R$ 7,1 bilhões, queda de 82% em relação a 2019

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Quanto vale a Eletrobras privatizada

Ontem à noite, o governo federal entregou ao Congresso a Medida Provisória que possibilita a privatização da Eletrobras e de quase todas as suas subsidiárias. O procedimento será feito por meio de uma capitalização que vai diluir a participação da União, que apenas manterá uma ação com poderes especiais de veto, a chamada golden share. […]

FECHAMENTO

Eletrobras dá susto na reta final, mas Ibovespa segue se recuperando do tombo recente; dólar recua

Estatais seguem se recuperando do tombo recente e a bolsa brasileira também conta com uma ajudinha do exterior

De volta ao topo

País volta a ser maior mercado de caminhão da Mercedes, que reafirma investimento

O volume supera os 24,5 mil caminhões vendidos na Alemanha, que caiu para a segunda posição no ranking de mercados globais da montadora.

Retomada

Faturamento da indústria de máquinas sobe 38,5% em janeiro em comparação anual

A expectativa é de que as vendas internas continuem positivas.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies