🔴 [TESTE GRÁTIS] NOVO APP PODE GERAR ATÉ R$ 680 POR DIA COM 3 CLIQUES – CONHEÇA

Batalha dos Vetos

Cenário no momento é adverso para o Planalto e vai requerer empenho e jogo de cintura por parte dos articuladores até o início da votação

31 de agosto de 2020
8:06 - atualizado às 8:07
Congresso Nacional Governo
Imagem: Shutterstock

Nesta semana deve haver nova rodada de vetos presidenciais a serem deliberados no Congresso Nacional. Dessa vez, o trabalho do governo para fazer prevalecer as decisões do presidente será muito mais espinhoso do que nas ocasiões anteriores. Agora estarão em pauta os três vetos mais impactantes e até então não há acordo para a sua manutenção.

O mais oneroso deles é o que trata da prorrogação da desoneração da folha de 17 setores econômicos até o fim de 2021, ao custo de R$ 10 bilhões. Esse item é o que oferece mais risco para o governo. Há forte pressão dos setores atingidos e uma aparente maioria parlamentar para a derrubada. O veto terá votação iniciada pela Câmara e só seguirá para deliberação do Senado se obtiver 257 votos contrários. A confirmação da derrubada ocorrerá se 41 senadores também o rejeitarem.

Já os outros dois vetos recaíram sobre matérias originadas no Senado e por isso terão votação iniciada pelos senadores. O primeiro, que também possui peso fiscal, é o que amplia o rol de categorias a terem direito ao auxílio emergencial. Essa extensão do benefício representa um gasto adicional de R$ 1,8 bilhão em três meses, podendo ser acrescido em mais 50%, caso se confirme a prorrogação do pagamento até o fim do ano no valor de R$ 300.

O outro veto permite a prorrogação da prestação de serviços de saneamento básico por empresas estatais e não acarreta aumento de despesa imediato para o poder público. Entretanto, pode adiar o ingresso de novas receitas para estados e municípios com a venda das empresas e, consequentemente, se desobrigarem de desembolsos com o serviço.

Não bastasse a previsível insatisfação dos senadores pelo fato de os vetos recaírem sobre pontos de consenso entre eles, há ainda uma nítida contrariedade na Casa em relação ao governo. Nesse sentido, na semana que passou os senadores aprovaram uma oitiva com o ministro Paulo Guedes para cobrar explicações sobre a crítica feita ao Senado pela rejeição do veto sobre congelamento de remuneração dos servidores públicos.

Portanto, o cenário no momento é adverso para o Planalto e vai requerer empenho e jogo de cintura por parte dos articuladores até o início da votação, que deve ocorrer na quarta-feira (02/09). Os líderes devem se reunir na véspera para tentar acordos.

Compartilhe

Carta de Brasília

Saneamento e Petrobras podem movimentar mercados

28 de setembro de 2020 - 9:33

A votação dos vetos vem sendo prorrogada desde o dia 2 e um novo adiamento não pode ser descartado

Carta de Brasília

O futuro do Renda Brasil

21 de setembro de 2020 - 8:41

Apesar do discurso otimista da equipe econômica de que a atividade na economia já voltou em V, ainda há muitas dúvidas sobre a velocidade e a consistência dessa retomada.

Carta de Brasília

Sucessão de Maia e Alcolumbre movimenta Brasília

14 de setembro de 2020 - 9:40

Proposta que abre caminho para reeleição tem resistências na Câmara – dificilmente será aprovada na Casa; teria de haver uma definição do STF

Carta de Brasília

E o Guedes, hein?

17 de agosto de 2020 - 8:35

A grande questão polêmica hoje envolvendo Guedes está na manutenção, ou não, do teto de gastos para 2021.

Carta de Brasília

Atritos no Centrão atrapalham reformas?

3 de agosto de 2020 - 7:50

Existem outras motivações além da sucessão na Câmara para a saída de DEM e MDB do Centrão. Uma delas é a necessidade eleitoral de buscar uma maior independência em relação ao governo de Bolsonaro

Carta de Brasília

A Reforma Tributária será aprovada em 2020?

20 de julho de 2020 - 9:24

Nessa primeira fase, será encaminhado um projeto de lei que prevê a fusão de OS e Cofins em um único tributo, o IVA Federal, com alíquota entre 11% e 12%

Carta de Brasília

Bomba fiscal bilionária exigirá coordenação política apurada; saneamento volta ao radar

13 de julho de 2020 - 8:32

Acredito que o resultado final dos vetos será positivo para o governo, com a manutenção daqueles que representam maior risco fiscal

Carta de Brasília

Reformas na mão do Congresso. Boa ou má notícia?

6 de julho de 2020 - 7:55

Com a agenda de reformas que o governo pretende implementar em 2021 o tom conciliador é ainda mais crucial.

Carta de Brasília

Queiroz é a bala de prata contra Bolsonaro?

29 de junho de 2020 - 11:25

O caso Queiroz aumenta a temperatura política, alimenta o noticiário negativo e gera maior dependência ainda do governo ao Congresso Nacional

HOJE ÀS 17H

LIVE: Lucas de Aragão e Felipe Miranda debatem o cenário político e os mercados

22 de junho de 2020 - 16:25

Acompanhe ao vivo às 17h

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar