Menu
2020-11-13T11:38:02-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Mundo dos fundos

SPX mantém aposta de que BC terá de elevar Selic antes do esperado

Com R$ 35 bilhões em patrimônio, a gestora de Rogério Xavier manteve as posições tomadas na parte curta da curva de juros — ou seja, com a aposta de alta nas taxas

12 de novembro de 2020
11:51 - atualizado às 11:38
Rogério Xavier, sócio-fundador da SPX Capital
Rogério Xavier da SPX - Imagem: Leo Martins

O Banco Central sinalizou na última reunião do Copom que pretende manter a taxa básica de juros (Selic) nas mínimas históricas por um longo período para estimular a economia. Mas não convenceu a SPX Capital.

Com R$ 35 bilhões em patrimônio, a gestora de Rogério Xavier manteve as posições tomadas na parte curta da curva de juros — ou seja, com a aposta de alta nas taxas. Lembrando que o mercado já coloca hoje nos preços o risco de alta da Selic em 2021.

Leia também:

“Acreditamos que a pressão pela extensão do estado de calamidade pública em 2021 ou mesmo manobras criativas para financiar o Renda Brasil continuarão a pesar sobre o risco dos títulos públicos e sobre a curva prefixada”, escreveu a SPX em sua carta mensal aos investidores.

Nesse contexto, a gestora avalia que o BC terá uma tarefa árdua se quiser mesmo manter a Selic nos atuais patamares. Mas reconhece que pode encontrar certo alívio com o resultado das eleições americanas, teoricamente mais favorável para mercados emergentes.

Os ganhos no mercado de juros e moedas impulsionaram a rentabilidade do SPX Nimitz, o principal fundo da gestora, que rendeu 1,62% em outubro, contra 0,16% do CDI. No ano, o retorno acumulado é de 7,21%, contra 2,45% do indicador de referência.

Eleições nos EUA

Sobre o resultado das eleições nos Estados Unidos, com o cenário de vitória do democrata Joe Biden e Senado e Câmara divididos, a SPX reduziu a expectativa de aprovação de estímulo fiscal de US$ 4 trilhões para US$ 1 trilhão.

Com isso, a gestora também revisou a projeção de crescimento da economia norte-americana em 2021 de 5% para 4%. “Os republicanos, agora na oposição, devem retomar uma postura de maior austeridade fiscal, em contraponto a uma visão democrata mais benevolente com déficits fiscais.”

Principais posições

Além da aposta na alta dos juros no curto prazo, a SPX informou que está "seletivamente vendida" em moedas de países emergentes, mas não informa quais, nem se o real está entre elas.

Em bolsa, a gestora segue comprada em setores cíclicos nos Estados Unidos e seletivamente em empresas que foram negativamente impactadas pela pandemia. Na bolsa brasileira, os fundos possuem ações dos setores de utilities (serviços públicos), consumo e mineração contra o Ibovespa.

A SPX mantém ainda posições em metais preciosos, industriais e grãos e títulos de dívida de empresas de baixo risco (investment grade) nos EUA. Leia aqui a carta da SPX na íntegra.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Após vacinação e apoio fiscal

Economia dos EUA está “em ponto de inflexão” positivo, diz Powell, do Fed

Economia norte-americana está prestes a começar a crescer muito mais rapidamente, afirmou presidente do banco central norte-americano em entrevista

nos estados unidos

Remuneração de CEOs cresceu em meio à pandemia

Recuperação do mercado de ações impulsionou ganhos de executivos em 2020, que tiveram remuneração média de US$ 13,7 mi no período

Após estremecimentos

China quer parceria estratégia com Brasil, diz chanceler asiático

Chanceler chinês, Wang Yi, falou com o novo ministro das Relações Exteriores do Brasil, Carlos Alberto Franco França.

entrevista

Bittar reafirma que Guedes sabia de acordo para destinar verba a emendas

Apontado como um dos artífices da “maquiagem” no Orçamento, o senador Marcio Bittar diz que não chegou sozinho ao valor de R$ 29 bilhões em emendas

Apesar da pandemia

Saúde perde espaço em emendas parlamentares

Números mostram estratégia dos parlamentares para destinar recursos para obras e projetos de interesse eleitoral em seus redutos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies