Menu
2020-03-13T14:37:06-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Forte recuperação

Tombos e saltos: após desabar 14% ontem, Ibovespa sobe mais de 8%; dólar tem leve alta

Depois do caos da sessão passada, o Ibovespa e as bolsas globais operam em forte alta, sustentados pelas iniciativas de estímulo tomadas pelos BCs e governos

13 de março de 2020
10:22 - atualizado às 14:37
Ibovespa sobe Ibovespa desce
Imagem: Looney Tunes / Montagem Andrei Morais

O Ibovespa e as bolsas globais têm enfrentado dias de volatilidade extrema, e a sessão desta sexta-feira (13) é mais um exemplo do humor errático dos mercados. Após uma abertura bastante positiva, as principais praças perderam força e se aproximaram da estabilidade. No entanto, neste início de tarde, voltam a ganhar impulso.

Por volta de 14h30, o Ibovespa subia 8,83%, aos 79.011,10 pontos — logo depois da abertura, o índice chegou a disparar 15,40%, aos 83.757,51 pontos, mas, perto das 12h, praticamente zerou os ganhos.

Com o desempenho do momento, a bolsa brasileira vai revertendo parte das perdas contabilizadas ontem, dia em que o Ibovespa despencou 14,78% — foi o terceiro pior pregão desde o início o plano Real, de acordo com um levantamento feito pela Economatica a pedido do Seu Dinheiro.

Lá fora, a sessão também é marcado por uma recuperação que já foi mais intensa: na Europa, as principais praças seguem em alta, mas longe dos ganhos de mais de 5% vistos mais cedo; nos Estados Unidos, o Dow Jones (+4,46%), o S&P 500 (+4,09%) e o Nasdaq (+3,86%) avançam em bloco.

  • Eu gravei um vídeo para comentar a recuperação vista nesta sexta-feira e a enorme volatilidade dos mercados. Veja abaixo:

É claro que o bom desempenho visto nesta sexta não apaga, nem de longe, todas as perdas contabilizadas nesta semana. Mesmo com a alta de hoje, o Ibovespa ainda acumula queda de mais de 20% na semana; no ano, o recuou é superior aos 30%.

A recuperação desta sexta-feira deixa evidente a alta volatilidade e o caráter errático dos mercados num momento de grande incerteza. O panorama do surto de coronavírus segue grave, com consequências ainda desconhecidas para a economia global.

No entanto, após as quedas dos últimos dias, parte dos investidores começa a buscar "pechinchas" na bolsa, voltando a assumir uma postura compradora em papéis específicos. E, além disso, os anúncios de estímulo por parte de governos e bancos centrais contribuem para trazer algum alívio às preocupações.

Ontem, o Federal Reserve (Fed, o BC americano) já anunciou um programa de injeção de liquidez de até US$ 1,5 trilhão, através da recompra de títulos. Hoje, notícias de iniciativas semelhantes e de cortes de juros no Japão, China, Suécia, Noruega e muitos outros países somam-se a esse contexto, de modo a criar um 'colchão' para amortecer os mercados.

No câmbio, o dia também é de volatilidade: no mesmo horário, o dólar à vista tinha leve alta de 0,08%, a R$ 4,7930, mas, durante a manhã, chegou a cair a R$ 4,6458 (-2,99%). Lá fora, a sessão é marcada pela desvalorização da moeda americana em relação às divisas de países emergentes.

Ontem, no pico de estresse, o dólar à vista chegou a ultrapassar a barreira dos R$ 5,00, mas afastou-se das máximas após o anúncio do Fed e as diversas atuações do Banco Central, que injetou recursos novos no sistema por meio diversos leilões no segmento à vista.

E, nesta sexta-feira, a autoridade monetária já arregaçou as mangas: convocou leilões de linha com oferta de até US$ 2 bilhões, um movimento que contribuiu para derrubar ainda mais a cotação da moeda americana.

Nas curvas de juros, o clima também é de calmaria, após a forte abertura da sessão anterior. Tanto na ponta curta quanto na longa, são vistos fortes movimentos de baixa, que, inclusive, travaram o mercado de DIs mais cedo. Veja abaixo o comportamento dos principais ativos no momento:

  • Janeiro/2021: de 4,95% para 4,26%;
  • Janeiro/2022: de 6,20% para 5,34%;
  • Janeiro/2023: de 7,26% para 6,24%;
  • Janeiro/2025: de 8,22% para 7,24%.

Top 5

Em meio à recuperação da bolsa brasileira, veja quais eram os cinco ativos de melhor desempenho do Ibovespa por volta de 14h30:

CÓDIGONOME PREÇO (R$)VARIAÇÃO
BPAC11BTG Pactual units39,29 20,97%
AZUL4Azul PN24,23 19,36%
JBSS3JBS ON19,98 19,28%
MGLU3Magazine Luiza ON40,45 18,97%
MRFG3Marfrig ON8,54 16,35%

Na ponta oposta do índice, apenas duas ações aparecem em baixa no momento: Yduqs ON (YDUQ3), em queda de 6,83%, e Suzano ON (SUZB3), com perda de 0,74%

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Recessão à vista

PIB do Brasil deve cair 0,7% em 2020 por coronavírus, diz S&P

S&P Global Ratings prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil deve sofrer contração de 0,7% neste ano, com risco de baixa, devido aos impactos econômicos da pandemia de coronavírus

Seu Dinheiro na sua noite

Balança mas não cai?

Caro leitor, Embora a pandemia global de coronavírus ainda esteja longe de ser debelada – pelo menos com os dados e tratamentos que temos até o momento – o mercado começou a semana menos pessimista. Itália, Espanha e o estado de Nova York – três localidades críticas de disseminação da doença – mostraram, no fim […]

Embraer cortada

S&P rebaixa rating da Embraer de BBB para BBB- e mantém nota em observação

S&P diz que, em resposta à pandemia de coronavírus, muitas companhias aéreas devem tentar atrasar novas entregas de aeronaves até pelo menos o fim do terceiro trimestre de 2020, o que deve pressionar o fluxo de caixa e as métricas de crédito da empresa.

Em meio à pandemia

Telefônica, dona da Vivo, parcela fatura de inadimplentes

A Telefônica Brasil, dona da marca Vivo, decidiu flexibilizar as condições de pagamento de seus clientes de telefonia fixa e móvel, banda larga e TV por assinatura devido à crise do coronavírus

Não rolou

Clientes do Bradesco relatam instabilidade no aplicativo de internet banking

O aplicativo do Bradesco para pessoa física apresentou problemas na manhã desta segunda-feira, 6. Com o isolamento social, muitos clientes tiveram de fazer as transações via celular

Recuperação intranquila

Ibovespa passa por instabilidade com possível demissão de Mandetta, mas ainda fecha em alta firme

O Ibovespa terminou a sessão com ganhos de mais de 6%, mas ainda assim ficou distante das máximas e aquém das bolsas americanas. Tudo por causa das incertezas relacionadas à permanência do ministro da Saúde no cargo

Números atualizados

Brasil tem 553 mortes e 12 mil casos confirmados do novo coronavírus

Brasil chegou a 553 mortes em razão da pandemia do coronavírus, segundo atualização do Ministério da Saúde. Número representa um aumento de 13%

Fundos

Comprada em bolsa nos EUA, Verde Asset diz que volta de preços ocorrerá ‘mais rápido do que muitos imaginam’

Mercado já colocou nos preços uma brutal queda de lucratividade das empresas, que será revertida ao longo dos próximos anos, segundo a gestora

Não tem pra todo mundo

‘Não há como ajudar todos os setores’, diz presidente do Santander

Presidente do Santander Brasil, Sergio Rial afirmou que deve-se evitar que mais setores venham buscar dinheiro no governo por conta da crise

Premiê com covid-19

Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido, dá entrada em UTI

Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, deu entrada em uma unidade de terapia intensiva após a piora no seu quadro médico, disse a BBC

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements