Menu
2020-03-15T12:07:31-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Depois da queda

Fundo Verde, de Luis Stuhlberger, mantém posição na bolsa brasileira e aumenta no exterior

Para o gestor do lendário fundo, mercados tendem a se estabilizar conforme as taxas de crescimento do número de novos casos do coronavírus desacelerem

10 de março de 2020
12:14 - atualizado às 12:07
Luis Stuhlberger, sócio da Verde Asset
Luis Stuhlberger, sócio da Verde Asset, durante evento promovido pelo Credit Suisse - Imagem: Fotoka/Divulgação

Com uma queda de 2,86% e perdas em todas as posições, fevereiro foi um mês difícil para o lendário fundo Verde, de Luis Stuhlberger. Mas apesar do agravamento da crise nos mercados pelo coronavírus, o gestor aumentou as posições no mercado de ações.

O fundo mantém por volta de 20% do portfólio na bolsa brasileira e ampliou ao longo do mês a posição em ações globais, também para 20% da carteira.

A gestora também manteve a visão de que os mercados tendem a se estabilizar conforme as taxas de crescimento do número de novos casos do coronavírus desacelerem – embora reconheça que a situação ainda está longe de ser resolvida.

A Verde também acredita que a doença deve refluir conforme as temperaturas no Hemisfério Norte subam e que a reação de política pública tem um papel importante em mitigar o pânico no mercado.

“Temos adotado uma estratégia gradualista, de aumentar as posições em ações do fundo aos poucos, focando no mercado acionário americano, que consideramos o mais resiliente e que deve voltar primeiro”, escreveu a gestora.

Sobre o impasse entre Arábia Saudita e Rússia, Stuhlberger acredita ser pouco provável que a aliança seja retomada no médio prazo. A consequência desse movimento é a queda nos preços de energia, o que transfere renda do bolso dos países árabes para os consumidores do mundo ocidental.

No curto prazo, porém, a guerra de preços do petróleo representa um choque adicional nos mercados, que já vêm em posição frágil, ainda segundo a gestora.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Funcionários com covid-19

Secretaria do Espírito Santo confirma 53 infectados na plataforma Macaé da Petrobras

Segundo a Sesa, a comunicação da Petrobras sobre a ocorrência aconteceu nesta quarta-feira. Estatal disse mais cedo ao Broadcast que a plataforma era da SBM

Seu Dinheiro na sua noite

Sobe no tuíte, cai no (quase) fato

Você já deve ter ouvido alguma vez a expressão “sobe no boato, cai no fato”. Alguém se lembra dela toda vez que a bolsa sobe diante de algum rumor e cai logo depois da confirmação. Isso acontece porque o tal mercado sempre tenta se antecipar aos acontecimentos. Quando eles se materializam, os preços em geral […]

Atualização sobre covid-19

Brasil registra 941 mortes por coronavírus desde início de pandemia

O resultado marca um aumento de 17% de mortes no Brasil em relação a ontem, quando foram registrados 800 óbitos

Alívio intenso

Ibovespa fecha em queda, mas ainda acumula ganhos de mais de 11% na semana; dólar cai a R$ 5,09

O Ibovespa teve a melhor semana desde março de 2016, sustentado pelo viés mais otimista visto no exterior nos últimos dias. O dólar à vista também passou por um alívio importante, recuando mais de 5% na semana

Socorro financeiro

Maia acusa equipe econômica de dar informações falsas em projeto para estados

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) acusou a equipe econômica de dar informações falsas no projeto de socorro emergencial a Estados e relacionou o impasse em torno da proposta à disputa do presidente Jair Bolsonaro com governadores

Crédito contra covid-19

Boa parte do valor liberado ainda não foi usada pelos bancos, diz presidente do BC

Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta quinta-feira, 9, em entrevista por videoconferência ao portal UOL, que a instituição já anunciou a liberação de cerca de R$ 1,2 trilhão para os bancos, para combater os efeitos da pandemia do novo coronavírus

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: um presente de Páscoa para os mercados

O podcast de hoje faz o balanço de uma semana positiva para os mercados, mesmo em meio à crise do coronavírus

Prontos para auxiliar

Bancos estão sólidos para ajudar a preservar empregos e empresas, diz presidente da Febraban

presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Isaac Sidney, garantiu nesta quinta-feira, 9, que o setor bancário está pronto para ajudar as empresas a preservar empregos

Recessão pior que 2008

IIF prevê que PIB global cairá 2,8% em 2020, e do Brasil, 4,1%

IIF revisou para baixo sua projeção para o PIB global e passou a prever contração de 2,8% em 2020

Títulos privados

BCs de emergentes podem necessitar ser comprador de última instância, diz Campos Neto

Roberto Campos Neto fez nesta quinta-feira, 9, em reunião com senadores, uma defesa da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 10, que permite que o BC compre títulos privados durante o período de crise

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements