Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-02-19T18:41:32-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.

Mais um recorde: dólar à vista sobe a R$ 4,36 e renova a máxima nominal de fechamento

O dólar à vista subiu mais um degrau nesta quarta-feira (19): pela primeira vez, terminou uma sessão acima dos R$ 4,36, cravando um novo recorde nominal. É a oitava vez em 2020 que a moeda renova as máximas de fechamento

19 de fevereiro de 2020
18:41
Dólar
Imagem: Shutterstock

Alguns temas têm se repetido nos mercados brasileiros em 2020: na bolsa, o coronavírus causa uma espécie de efeito sanfona, com dias de pressão e alívio se sucedendo; no câmbio, o dólar à vista enfrenta uma onda quase permanente de pressão, galgando patamares cada vez mais elevado.

A sessão desta quarta-feira (19) apenas deu continuidade à tendência: a moeda americana fechou em alta e renovou mais uma vez os recordes nominais de fechamento, enquanto o Ibovespa subiu e reverteu as perdas do dia anterior.

O dólar à vista permaneceu no campo positivo durante toda a sessão, terminando em alta de 0,19%, a R$ 4,3656 — a terceira valorização consecutiva da moeda. É a primeira vez na história que a divisa fecha acima de R$ 4,36.

Com os ganhos de hoje, o dólar à vista já acumula uma alta de 1,88% em fevereiro — no ano, o salto já chega a 8,82%. Somente em 2020, a moeda americana já renovou oito vezes as máximas de encerramento em termos nominais.

E, nesta quarta-feira, o catalisador da nova alta do dólar foi o cenário político doméstico. Rumores de que o ministro da Economia, Paulo Guedes, estaria descontente com o encaminhamento da agenda de reformas e, por isso, poderia deixar o cargo, trouxeram alguma turbulência às negociações.

Por mais que o presidente Jair Bolsonaro tenha negado tal hipótese, os boatos foram suficientes para reforçar o viés defensivo dos investidores — e, no mercado de câmbio, a prudência se traduz em maior demanda por dólares.

No momento de maior pressão do dia, a moeda americana chegou a ser negociada a R$ 4,3775 (+0,46%), o que elevou a expectativa quanto a uma eventual atuação do Banco Central (BC) no câmbio, de modo a acalmar as operações e atender à demanda pela divisa. No entanto, a autoridade monetária seguiu apenas observando o mercado.

Na semana passada, o BC promoveu dois leilões extraordinários de swap cambial, injetando recursos novos no sistema — o primeiro deles foi convocado quando o dólar à vista bateu os R$ 4,38.

Calmaria no Ibovespa

O Ibovespa até começou o pregão desta quarta-feira em baixa, mas logo ganhou força e virou para o campo positivo. O clima mais ameno visto lá fora, somado à reação positiva aos balanços trimestrais, deu sustentação à bolsa brasileira.

O índice fechou em alta de 1,34%, aos 116.517,59 pontos, após chegar a cair 0,18% mais cedo, aos 114.774,04 pontos. Com isso, a bolsa brasileira acompanhou os mercados externos: nos EUA, o Dow Jones (+0,40%), o S&P 500 (+0,47%) e o Nasdaq (+0,87%) subiram em bloco.

Lá fora, as preocupações relacionadas ao coronavírus diminuíram um pouco nesta quarta-feira. Por mais que a Apple tenha sinalizado que não cumprirá suas projeções para o trimestre por causa do surto — o que aumentou a aversão ao risco na sessão anterior — a percepção atual é a de que a disseminação da doença tem ocorrido num ritmo mais lento.

Os dados mais recentes dão conta de mais de dois mil mortos e 75 mil pessoas contaminadas pelo vírus, números que ainda inspiram cautela entre os investidores. Contudo, apesar da tensão, o clima é menos pesado nos mercados globais — o que abriu espaço para a recuperação das bolsas.

Na Europa, as principais praças fecharam em alta nesta quarta-feira, revertendo as baixas de ontem; na Ásia, quase todas as bolsas encerraram no azul — a exceção foi a China continental, que cedeu a um movimento de realização de lucro.

Juros em baixa

Apesar da pressão vista no dólar à vista, as curvas de juros fecharam em baixa nesta quarta-feira, tanto na ponta curta quanto na longa, em meio às apostas de novos cortes na Selic para estimular a economia doméstica.

Veja abaixo como ficaram os principais DIs:

  • Janeiro/2021: de 4,21% para 4,19%;
  • Janeiro/2022: de 4,71% para 4,64%;
  • Janeiro/2023: de 5,27% para 5,20%;
  • Janeiro/2025: de 6,00% para 5,96%;
  • Janeiro/2027: de 6,39% para 6,37%.

Balanços e mais balanços

Muitas empresas do Ibovespa reportaram seus números referentes ao quarto trimestre de 2019 desde o fechamento de ontem — e, hoje, alguns desses papéis exibiram reações intensas aos balanços.

Em destaque, aparece IRB ON (IRBR3), com alta de 1,02%. A resseguradora fechou o ano com um lucro de R$ 1,764 bilhão, alta de 44,7% ante 2018, e abriu os números contestados pela gestora Squadra.

Weg ON (WEGE3), Ecorodovias ON (ECOR3) e Iguatemi ON (IGTA3), com ganhos de 9,22%, 1,69% e 0,72%, nesta ordem, também reagiram positivamente aos balanços trimestrais — veja aqui um resumo dos números dessas empresas.

Além disso, as ações da Petrobras tiveram uma sessão positiva, às vésperas da divulgação dos números trimestrais da estatal, a serem conhecidos na noite de hoje. Os papéis ON (PETR3) subiram xx%, enquanto os PNs (PETR4) avançaram xx%.

Top 5

Confira abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa neste momento:

  • Weg ON (WEGE3): +9,22%
  • Via Varejo ON (VVAR3): +6,21%
  • Metalúrgica Gerdau PN (GOAU4): +5,19%
  • JBS ON (JBSS3): +4,28%
  • B3 ON (B3SA3): +3,91%

Veja também as maiores baixas do índice:

  • Cia Hering ON (HGTX3): -2,88%
  • Cogna ON (COGN3): -2,19%
  • BR Distribuidora ON (BRDT3): -1,16%
  • Carrefour Brasil ON (CRFB3): -1,09%
  • Ultrapar ON (UGPA3): -1,00%
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

De volta ao jogo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 6,25%

Renda fixa “voltou ao jogo”, mas ainda não dá para ficar rico. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

entrevista

BC briga para recuperar a credibilidade e poderia ter acelerado alta da Selic, diz economista-chefe da gestora Garde

Para Daniel Weeks, BC passou mais tempo do que o necessário com a sinalização de que manteria taxa de juros muito baixas; ele avalia que aumento poderia ter sido de 1,25 ponto e que discussão sobre fim do ciclo de ajustes ainda não acabou

Seu Dinheiro na sua noite

Seguindo a rota planejada

Decisão da Selic pelo Copom, juros nos Estados Unidos, dólar em alta e muitas outras notícias que mexeram com o mercado hoje

Vai mudar

Ultrapar (UGPA3): Marcos Lutz, ex-presidente da Cosan, assumirá como CEO em janeiro de 2022

Lutz já era membro do conselho de administração da Ultrapar (UGPA3) e, após o período como CEO, deve virar presidente do colegiado

Bota para subir

Após nova alta da Selic, FMI apoia aperto monetário adotado pelo Banco Central para combater inflação

Os diretores do órgão também aprovam o compromisso do BC intervenções limitadas para conter condições desordenadas de mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies