Menu
2020-02-19T18:41:32-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.

Mais um recorde: dólar à vista sobe a R$ 4,36 e renova a máxima nominal de fechamento

O dólar à vista subiu mais um degrau nesta quarta-feira (19): pela primeira vez, terminou uma sessão acima dos R$ 4,36, cravando um novo recorde nominal. É a oitava vez em 2020 que a moeda renova as máximas de fechamento

19 de fevereiro de 2020
18:41
Dólar
Imagem: Shutterstock

Alguns temas têm se repetido nos mercados brasileiros em 2020: na bolsa, o coronavírus causa uma espécie de efeito sanfona, com dias de pressão e alívio se sucedendo; no câmbio, o dólar à vista enfrenta uma onda quase permanente de pressão, galgando patamares cada vez mais elevado.

A sessão desta quarta-feira (19) apenas deu continuidade à tendência: a moeda americana fechou em alta e renovou mais uma vez os recordes nominais de fechamento, enquanto o Ibovespa subiu e reverteu as perdas do dia anterior.

O dólar à vista permaneceu no campo positivo durante toda a sessão, terminando em alta de 0,19%, a R$ 4,3656 — a terceira valorização consecutiva da moeda. É a primeira vez na história que a divisa fecha acima de R$ 4,36.

Com os ganhos de hoje, o dólar à vista já acumula uma alta de 1,88% em fevereiro — no ano, o salto já chega a 8,82%. Somente em 2020, a moeda americana já renovou oito vezes as máximas de encerramento em termos nominais.

E, nesta quarta-feira, o catalisador da nova alta do dólar foi o cenário político doméstico. Rumores de que o ministro da Economia, Paulo Guedes, estaria descontente com o encaminhamento da agenda de reformas e, por isso, poderia deixar o cargo, trouxeram alguma turbulência às negociações.

Por mais que o presidente Jair Bolsonaro tenha negado tal hipótese, os boatos foram suficientes para reforçar o viés defensivo dos investidores — e, no mercado de câmbio, a prudência se traduz em maior demanda por dólares.

No momento de maior pressão do dia, a moeda americana chegou a ser negociada a R$ 4,3775 (+0,46%), o que elevou a expectativa quanto a uma eventual atuação do Banco Central (BC) no câmbio, de modo a acalmar as operações e atender à demanda pela divisa. No entanto, a autoridade monetária seguiu apenas observando o mercado.

Na semana passada, o BC promoveu dois leilões extraordinários de swap cambial, injetando recursos novos no sistema — o primeiro deles foi convocado quando o dólar à vista bateu os R$ 4,38.

Calmaria no Ibovespa

O Ibovespa até começou o pregão desta quarta-feira em baixa, mas logo ganhou força e virou para o campo positivo. O clima mais ameno visto lá fora, somado à reação positiva aos balanços trimestrais, deu sustentação à bolsa brasileira.

O índice fechou em alta de 1,34%, aos 116.517,59 pontos, após chegar a cair 0,18% mais cedo, aos 114.774,04 pontos. Com isso, a bolsa brasileira acompanhou os mercados externos: nos EUA, o Dow Jones (+0,40%), o S&P 500 (+0,47%) e o Nasdaq (+0,87%) subiram em bloco.

Lá fora, as preocupações relacionadas ao coronavírus diminuíram um pouco nesta quarta-feira. Por mais que a Apple tenha sinalizado que não cumprirá suas projeções para o trimestre por causa do surto — o que aumentou a aversão ao risco na sessão anterior — a percepção atual é a de que a disseminação da doença tem ocorrido num ritmo mais lento.

Os dados mais recentes dão conta de mais de dois mil mortos e 75 mil pessoas contaminadas pelo vírus, números que ainda inspiram cautela entre os investidores. Contudo, apesar da tensão, o clima é menos pesado nos mercados globais — o que abriu espaço para a recuperação das bolsas.

Na Europa, as principais praças fecharam em alta nesta quarta-feira, revertendo as baixas de ontem; na Ásia, quase todas as bolsas encerraram no azul — a exceção foi a China continental, que cedeu a um movimento de realização de lucro.

Juros em baixa

Apesar da pressão vista no dólar à vista, as curvas de juros fecharam em baixa nesta quarta-feira, tanto na ponta curta quanto na longa, em meio às apostas de novos cortes na Selic para estimular a economia doméstica.

Veja abaixo como ficaram os principais DIs:

  • Janeiro/2021: de 4,21% para 4,19%;
  • Janeiro/2022: de 4,71% para 4,64%;
  • Janeiro/2023: de 5,27% para 5,20%;
  • Janeiro/2025: de 6,00% para 5,96%;
  • Janeiro/2027: de 6,39% para 6,37%.

Balanços e mais balanços

Muitas empresas do Ibovespa reportaram seus números referentes ao quarto trimestre de 2019 desde o fechamento de ontem — e, hoje, alguns desses papéis exibiram reações intensas aos balanços.

Em destaque, aparece IRB ON (IRBR3), com alta de 1,02%. A resseguradora fechou o ano com um lucro de R$ 1,764 bilhão, alta de 44,7% ante 2018, e abriu os números contestados pela gestora Squadra.

Weg ON (WEGE3), Ecorodovias ON (ECOR3) e Iguatemi ON (IGTA3), com ganhos de 9,22%, 1,69% e 0,72%, nesta ordem, também reagiram positivamente aos balanços trimestrais — veja aqui um resumo dos números dessas empresas.

Além disso, as ações da Petrobras tiveram uma sessão positiva, às vésperas da divulgação dos números trimestrais da estatal, a serem conhecidos na noite de hoje. Os papéis ON (PETR3) subiram xx%, enquanto os PNs (PETR4) avançaram xx%.

Top 5

Confira abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa neste momento:

  • Weg ON (WEGE3): +9,22%
  • Via Varejo ON (VVAR3): +6,21%
  • Metalúrgica Gerdau PN (GOAU4): +5,19%
  • JBS ON (JBSS3): +4,28%
  • B3 ON (B3SA3): +3,91%

Veja também as maiores baixas do índice:

  • Cia Hering ON (HGTX3): -2,88%
  • Cogna ON (COGN3): -2,19%
  • BR Distribuidora ON (BRDT3): -1,16%
  • Carrefour Brasil ON (CRFB3): -1,09%
  • Ultrapar ON (UGPA3): -1,00%
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

CRIPTOMOEDA

Bitcoin ultrapassa US$ 60 mil antes de abertura de capital da Coinbase Global

Criptomoeda teve alta de 4,87%, a quatro dias de IPO da maior corretora de moedas digitais dos EUA

pandemia

Mortes por Covid-19 cresceram 468% no Brasil entre janeiro e março, alerta Fiocruz

Para os novos casos, o aumento foi de 701%; Sul e Centro-Oeste tendem a cenário mais crítico nas próximas semanas.

IPCA DE MARÇO

Inflação vai a 0,93% e mercado vê risco de estourar meta

Taxa acumulada passou a 6,10% no mês passado, reforçando temor de que inflação oficial termine o ano acima do teto da meta, de 5,25%.

congresso X executivo

Orçamento tem guerra de pareceres

Câmara e Senado se armaram com notas técnicas para mostrar que o presidente Jair Bolsonaro pode sancionar o Orçamento sem vetos a emendas; Ministério da Economia já prepara próprio embasamento jurídico.

Aura e Aeris: veja o que dizem os CEOs das novatas da bolsa e outras notícias que bombaram na semana no Seu Dinheiro

Novidade na praça sempre causa burburinho. Na bolsa não é diferente. É bem verdade que as opiniões divergem:Lindas!Não são lá tudo isso…Não sei, nunca ouvi falarA bolsa brasileira recebeu 43 novas integrantes em 2020 e 2021. E a fila para entrar continua a aumentar. Para você, amigo leitor, isso é excelente. São mais ações na […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies