Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-06-04T18:08:06-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Bolsa imparável

Ibovespa sobe pelo quinto dia, desafiando até mesmo o tom mais cauteloso no exterior

O Ibovespa contrariou a tendência global e fechou em alta, aproximando-se do patamar dos 94 mil pontos. O tom mais cauteloso visto lá fora só foi sentido no mercado de câmbio, com o dólar à vista subindo e voltando a R$ 5,13

4 de junho de 2020
18:08
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Em teoria, a sessão desta quinta-feira (4) tinha tudo para mostrar um comportamento mais cauteloso por parte dos investidores: a agenda de indicadores domésticos estava esvaziada, o noticiário de Brasília não trazia novidades e o exterior indicava uma certa prudência — uma combinação que poderia desencadear alguma correção no Ibovespa e no dólar à vista.

E, durante a manhã, parecia que o rali da bolsa brasileira chegaria ao fim: o Ibovespa operava em ligeira queda, ficando em linha com os mercados globais. Nada que zerasse os ganhos recentes, mas, ainda assim, uma mudança de tom em relação aos últimos dias.

Só que, durante a tarde, os agentes financeiros domésticos resolveram voltar às compras na bolsa, embora sem abrir mão da cautela: o Ibovespa virou para alta, mas o dólar à vista se firmou no campo positivo — uma estratégia clássica dos momentos de incerteza.

  • Eu gravei um vídeo para falar sobre a sessão desta quinta e tirar algumas dúvidas dos leitores e espectadores. Veja abaixo:

Ao fim da sessão, o Ibovespa avançava 0,89%, aos 93.828,61 pontos — a quinta alta consecutiva do índice —, enquanto o dólar à vista se valorizava 0,81%, a R$ 5,1311. Desde o início da semana, o índice já acumula ganhos de 7,35%, enquanto a moeda americana recua 3,89%.

O comportamento do Ibovespa chama ainda mais a atenção por causa do tom majoritariamente negativo visto no exterior: as principais praças da Europa fecharam em baixa e, nos EUA, o S&P 500 (-0,34%) e o Nasdaq (-0,69%) recuaram — a exceção foi o Dow Jones, com leve ganho de 0,05%.

Como eu disse no começo do texto, a agenda econômica doméstica esteve esvaziada nesta quinta-feira, assim como o noticiário político local. Assim, o protagonismo coube ao exterior — e, lá fora, tivemos dados mistos sendo divulgados, o que inspirou alguma cautela aos investidores.

Estímulo em tempos difíceis

A prudência vista no exterior se deve, em grande parte, aos sinais emitidos pelo Banco Central Europeu (BCE) em sua decisão de política monetária. Por um lado, a instituição ampliou seu programa de compras emergenciais em 600 bilhões de euros, dando continuidade à injeção de recursos no sistema financeiro; por outro, manteve as taxas de juros da região inalteradas.

O que pesou mesmo sobre o humor dos investidores, no entanto, foram as declarações da presidente do BCE, Christine Lagarde. Ela mostrou pessimismo em relação às perspectivas econômicas do bloco, projetando queda de 8,7% no PIB em 2020 — ela também trabalha com um cenário de queda de inflação.

Esse tom mais realista adotado por Lagarde serviu para esfriar um pouco os ânimos do mercado, que vinha trabalhando com um cenário de recuperação rápida da atividade na Europa. Assim, um movimento de correção e realização de lucros acabou ganhando força nesta quinta.

Nos EUA, os investidores digeriram os mais recentes dados do mercado de trabalho: na semana encerrada em 30 de maio, foram 1,877 milhão de novos pedidos de seguro-desemprego no país, número que ficou em linha com o projetado pelo mercado, mas que ainda mostra uma fraqueza importante na atividade americana.

Ibovespa descolado?

Dito tudo isso: por que os investidores domésticos continuam tão otimistas?

É uma pergunta difícil, com diversas peças a serem levadas em conta: em primeiro plano, aparece a calmaria vista em Brasília, com uma diminuição nas tensões entre governo, congresso e STF — um fator importante para reduzir o estresse dos mercados por aqui.

No entanto, é importante ressaltar que, apesar desse alívio pontual nos riscos políticos, o clima na capital federal ainda está sujeito à turbulências. Além disso, a pandemia de coronavírus continua numa fase ascendente no país, que já tem mais de 30 mil mortos por causa da doença.

Considerando tudo isso, os investidores optaram por buscar alguma proteção no câmbio, aumentando a demanda por dólares e levando a cotação da moeda americana novamente para além dos R$ 5,10.

Mas, paralelamente a esse tom mais prudente no mercado de moedas, também tivemos uma renovação do otimismo na bolsa, que deu mais um passo rumo aos 94 mil pontos — um nível que não era visto desde o começo de março.

No mercado de juros, os investidores também mudaram de humor ao longo da sessão: se, durante a manhã, o tom era de ajuste positivo nos DIs curtos, ao fim do dia o comportamento era o inverso:

  • Janeiro/2021: de 2,18% para 2,16%;
  • Janeiro/2022: de 3,03% para 3,01%;
  • Janeiro/2023: estável em 4,05%;
  • Janeiro/2025: de 5,66% para 5,71%.

Top 5

Veja abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa logo após a abertura:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
BEEF3Minerva ON13,36+7,31%
EMBR3Embraer ON8,93+4,81%
SUZB3Suzano ON39,85+4,51%
JBSS3JBS ON21,47+4,22%
BRAP4Bradespar PN36,80+3,84%

Confira também as cinco maiores baixas do índice:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
ECOR3Ecorodovias ON13,57-4,23%
CIEL3Cielo ON4,38-3,52%
RAIL3Rumo ON22,36-3,41%
GOLL4Gol PN17,04-3,13%
CCRO3CCR ON14,69-3,04%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Ventos contrários

Renova Energia não consegue “proteção” contra minoritários da própria empresa

Empresa perdeu ação no TJ-SP que tentata impedir os acionistas de produzirem provas contra a empresa, relativas à investigação sobre desvio de recursos

Preocupação

Vidas secas? Bolsonaro admite que Brasil vive “enorme crise hidrológica”

Presidente citou a falta de chuvas como um dos grandes problemas econômicos do país, juntamente com os efeitos causados pela pandemia

MESA QUADRADA

“Não me arrependo de nada. Só não posso dar conselhos financeiros para ninguém”, diz Bob Wolfenson, o fotógrafo das celebridades entrevistado no 7º episódio do Mesa Quadrada

Em em conversa para o podcast Mesa Quadrada, Dan Stulbach, Teco Medina e Caio Mesquita, conversam sobre dinheiro e carreira com Bob Wolfenson, ícone da fotografia brasileira

Situação preocupante

Cuidado com as luzes acesas! Aneel mantém taxa adicional mais alta na contas de agosto

Tarifa cobrada na bandeira vermelha nível 2 é de R$ 9,49 por 100 quilowatts-hora (kWh), e agência continua avaliando se vai elevar o valor

O melhor do Seu Dinheiro

Os melhores investimentos do mês e as notícias que foram destaque na semana

lém do ranking, tivemos o Ibovespa em queda de 2,60, e uma entrevista exclusiva com o CEO da Ânima Educação, que busca um “modelo Magalu”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies