Menu
2020-06-03T18:01:20-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Ninguém segura

A corrida dos touros: Ibovespa sobe pelo quarto dia e volta aos 93 mil pontos; dólar cai a R$ 5,09

O Ibovespa teve mais um dia de ganhos e chegou ao maior nível desde 6 de março, sustentado pelo otimismo global. O dólar à vista caiu forte, chegando a R$ 5,01 na mínima da sessão

3 de junho de 2020
18:01
Touros bull market
Imagem: Shutterstock

Quando uma manada de touros estoura bem na sua frente, só há uma coisa a fazer: abrir caminho para não ser atropelado. Eis um resumo do que vem acontecendo nas bolsas globais nos últimos dias — e o Ibovespa também faz parte dessa corrida.

O índice brasileiro engatou nesta quarta-feira (3) a quarta alta consecutiva, acumulando ganhos de 6,96% no período: só hoje, saltou mais 2,15%, indo aos 93.002,14 pontos — é o maior nível de fechamento para o Ibovespa desde 6 de março.

Lá fora, o dia foi igualmente positivo nos mercados acionários: na Europa, as principais praças subiram mais de 2%; nos EUA, o Dow Jones (+2,05%), o S&P 500 (+1,36%) e o Nasdaq (+0,78%) também avançaram em bloco.

  • Eu gravei um vídeo levantando alguns fatores que explicam o rali dos ativos domésticos, mas também citei alguns fatores de risco que permanecem no horizonte dos mercados. Veja abaixo e deixe sua opinião:

No câmbio, o clima também é bastante tranquilo: o dólar à vista terminou o dia em queda de 2,28%, a R$ 5,0901 — e olha que, ontem, a moeda americana já tinha recuado mais de 3%. Na mínima da sessão, a divisa chegou a ser negociada a R$ 5,0171 (-3,68%).

A pergunta de um milhão de dólares continua a mesma: por que os mercados entraram nessa onda de otimismo? O que instigou os touros a saírem em disparada, pisoteando quem tenta conter o estouro?

Afinal, por mais que a curva de contágio do coronavírus tenha se estabilizado na Europa e nos EUA, a pandemia ainda é um problema real para as economias. E, mesmo que estivéssemos num mundo sem a Covid-19, há grandes problemas sociais e geopolíticos agitando o noticiário.

No Brasil, o clima não é muito diferente: por mais que haja uma trégua nas tensões em Brasília, não é possível dizer que os riscos políticos tenham sido superados — e, vale lembrar, o coronavírus segue em fase ascendente por aqui.

Mas se é verdade que há muitos fatores de risco no radar, também é certo que há uma série de pontos que trazem alívio às negociações. Notícias quanto à recuperação da atividade global e à reabertura das economias da Europa têm injetado ânimo nos investidores.

E, nesta quarta-feira, não foi diferente: a percepção de melhora nas perspectivas globais se sobrepôs mais uma vez a qualquer indicativo de cautela — e as bolsas voltaram a deslanchar.

Crise?

No exterior, há um claro movimento de redução na aversão ao risco, com os mercados globais focando-se na reabertura das economias da Europa e dos EUA — e os recentes indicadores menos fracos que o esperado aumentam a esperança quanto a uma recuperação rápida da atividade.

A interrupção na escalada de tensões entre americanos e chineses também é comemorada pelos investidores, que se sentem mais confortáveis em aumentar as posições na bolsa e diminuir as proteções no mercado de câmbio, vendendo dólares.

Essa percepção mais otimista em relação aos rumos da economia global acaba se sobrepondo às preocupações quanto ao clima social mais conturbado nos EUA e os riscos quanto a uma segunda onda do coronavírus no Ocidente — e, de certa maneira, uma leitura parecida foi vista no cenário doméstico.

Riscos ignorados

Por aqui, os investidores mostraram-se animados com a melhoria vista no cenário político: após um pico de estresse, as relações entre governo, STF e Congresso parecem mais estáveis, sem indícios de deterioração no curto prazo.

Essa "pacificação" foi suficiente para tirar boa parte da pressão vista na bolsa e no dólar durante a primeira quinzena de maio. No entanto, há diversos fatores de risco no horizonte que, a julgar pelo comportamento recente dos ativos domésticos, estão sendo deixados de lado.

A começar pelo próprio estado da economia: boa parte dos economistas já projeta uma baixa de cerca de 6% no PIB em 2020; hoje, foi revelado que a produção industrial desabou 18,8% em abril, o pior resultado da série histórica.

Além disso, há a própria pandemia de coronavírus, ainda longe de estar controlada no país, apesar do início do processo de reabertura das principais capitais. E, por fim, o cenário político ainda encontra-se tumultuado, apesar da trégua vista no momento.

No câmbio, uma notícia ajudou a trazer alívio extra ao dólar à vista: o Tesouro captou US$ 3,5 bilhões no exterior através da emissão de títulos de dívida de 5 e 10 anos — o que implica na entrada de um volume expressivo de recursos no país e, consequentemente, aumenta a oferta de moeda americana no mercado doméstico.

"É dólar entrando no país, além também das captações no exterior de empresas e do superávit na balança, entre outros pontos", diz um analista que prefere não ser identificado.

Esse forte alívio no câmbio, em conjunto com a percepção de fraqueza da economia doméstica evidenciada pela queda forte na produção industrial, também provocou uma forte baixa no mercado de juros futuros.

Tanto os DIs curtos quanto os longos passaram por ajustes negativos hoje, deixando cada vez mais claro que o mercado ainda vê amplo espaço para cortes na Selic:

  • Janeiro/2021: de 2,25% para 2,19%;
  • Janeiro/2022: de 3,05% para 2,99%;
  • Janeiro/2023: de 4,06% para 4,01%;
  • Janeiro/2025: de 5,72% para 5,66%.

Top 5

Veja abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa hoje:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
IRBR3IRB ON10,75+25,00%
GOLL4Gol PN17,59+16,41%
CYRE3Cyrela ON20,89+14,78%
AZUL4Azul PN18,45+10,15%
QUAL3Qualicorp ON26,82+9,87%

Confira também as cinco maiores quedas do dia:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
JBSS3JBS ON20,60-5,55%
BRKM5Braskem PNA27,95-4,87%
BEEF3Minerva ON12,45-3,34%
BRFS3BRF ON22,65-3,00%
MRFG3Marfrig ON12,75-2,07%
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Bolsa em alta

Petrobras e Vale têm ganhos firmes e puxam a recuperação do Ibovespa; dólar cai

Dados mais fortes na China deram forças ao setor de commodities, impulsionando as ações da Vale e da Petrobras e ajudando o Ibovespa como um todo

Presidente da Câmara

Câmara deve retomar debate sobre reforma tributária na 4ª, diz Maia

O presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), aguardava a retomada da comissão mista, que reúne deputados e senadores, mas não foi possível, por isso, dará continuidade apenas na Câmara

Lael Brainard

Para diretora do Fed, é excepcionalmente importante admitir que ventos contrários vão durar

Nesse contexto, a diretora Lael Brainard defendeu os apoios fiscal e monetário como cruciais para sustentar o quadro econômico, no contexto atual da pandemia

Projeções para a bolsa

“Não é trivial romper a barreira dos 100 mil pontos do Ibovespa”, diz Beker, do Bank of America

David Beker, chefe de economia e estratégia do Bank of America no Brasil, falou sobre sua visão para a economia global e o comportamento do Ibovespa nos próximos meses

gigante aérea americana

Delta tem prejuízo de US$ 5,7 bilhões no 2º trimestre e estima que levará mais de dois anos para se recuperar

No mesmo período do ano passado, a aérea teve lucro de US$ 1,44 bilhão. Delta diminuiu em 70% a queima de caixa em junho, em comparação aos últimos dias de março. Ações caem 2% em Nova York

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements