Menu
2020-12-21T18:50:35-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Ainda a pandemia

Bolsa tem dia negativo com nova cepa de coronavírus detectada no Reino Unido, mas reduziu perda no fim do dia

Ibovespa reduziu perda no fim do dia, mas ainda fechou em queda forte de 1,86%; mercado teve alívio após esclarecimentos sobre o vírus

21 de dezembro de 2020
18:47 - atualizado às 18:50
Coronavírus
Coronavírus - Imagem: Shutterstock

O Ibovespa iniciou esta semana de Natal em queda por conta do temor causado pela mutação do novo coronavírus (Sars-Cov-2) detectada no Reino Unido.

Mas depois de uma manhã e um início de tarde negativos - o índice chegou a cair 2,79%, a 114.730 pontos, na mínima do dia -, o principal indicador da B3 reduziu as perdas, chegando a cair menos de 1% no meio da tarde.

Perto do fechamento, porém, o Ibovespa voltou a aprofundar a queda, fechando em baixa de 1,86%, aos 115.822 pontos. Um dos motivos parece ter sido a discussão do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), com o líder do governo na Casa, Ricardo Barros (PP-PR), se negando a retirar da pauta uma proposta que aumenta os repasses da União para municípios. O aumento das transferências pode ter impacto de R$ 4 bilhões no caixa do Tesouro Nacional por ano.

Leia também:

Os investidores começaram o dia preocupados com a identificação de uma nova variação do coronavírus, feita por cientistas do Reino Unido, que permite uma disseminação mais rápida da doença. A descoberta fez com que vários países europeus suspendessem voos provenientes de aeroportos britânicos.

Além de França, Itália, Bélgica, Áustria e Holanda, que suspenderam os voos durante o fim de semana, Índia e Hong Kong anunciaram, hoje, decisão semelhante. A Austrália divulgou, nesta segunda, que também detectou esta linhagem do vírus, que já havia sido identificado no Brasil, no mês de abril.

Com isso, as bolsas americanas abriram em forte baixa, com as ações de companhias aéreas caindo 4%. Mas, no início da tarde, os índices acionários de Wall Street reduziram bastante as perdas, depois que o diretor executivo do Programa de Emergências em Saúde da Organização Mundial da Saúde (OMS), Mike Ryan, disse ser improvável que a variante do coronavírus detectada no Reino Unido inviabilize as vacinas contra a covid-19.

O Dow Jones, então, virou para alta, fechando com ganho de 0,12%, enquanto o S&P 500 fechou em baixa de 0,39% e o Nasdaq fechou com leve recuo de 0,10%.

As bolsas europeias, por outro lado, fecharam com fortes perdas. Em Frankfurt, o DAX fechou em queda de 2,82%, enquanto o FTSE 100 de Londres perdeu 1,73%. O CAC 40 de Paris fechou em baixa de 2,43% e o FTSE MIB de Milão terminou o pregão em queda de 2,52%.

O dólar, por sua vez, passou o dia em alta, mas também reduziu o ritmo com os esclarecimentos sobre a nova cepa de coronavírus. A moeda americana finalmente fechou com avanço de apenas 0,78%, a R$ 5,1228, depois de passar boa parte do dia em alta superior a 1%, cotada a cerca de R$ 5,15. Na máxima do dia, a moeda chegou à casa dos R$ 5,22.

Os investidores agora estão de olho no novo pacote fiscal americano no valor de US$ 900 bilhões que deve finalmente ser aprovado nesta semana. Durante o fim de semana, os senadores americanos chegaram a um acordo que removia a última barreira para a aprovação do pacote. À tarde, o texto do projeto de Lei dos estímulos foi finalizado e deve ser submetido à votação às 22h de hoje.

Segundo o presidente do Tesouro americano, Steven Mnuchin afirmou em entrevista à CNBC, os americanos devem começar a receber o auxílio previsto no novo pacote já a partir de semana que vem. A perspectiva de novos estímulos contribui para a alta das bolsas e enfraquecimento do dólar em âmbito global.

Os juros futuros seguiram o dólar e operaram em alta até o início da tarde, mas à tarde passaram a desacelerar os ganhos, fechando perto da estabilidade. Confira o fechamento dos principais vencimentos:

  • Janeiro/2021: de 1,91% para 1,92%;
  • Janeiro/2022: de 2,965% para 2,97%;
  • Janeiro/2023: de 4,405% para 4,42%;
  • Janeiro/2025: de 5,91% para 5,92%.

Quem sobe, quem desce

A forte queda do petróleo com a notícia da nova variação de coronavírus no Reino Unido derruba as ações da Petrobras nesta segunda-feira. Os contratos WTI e Brent com vencimento em fevereiro de 2021 passaram boa parte do dia em queda de cerca de 3%, mas chegaram a cair 6% no início da sessão.

Assim, os papéis ordinários da Petrobras (PETR3) fecharam em queda de 3,70%, e os preferenciais (PETR4) tiveram baixa de 3,84%.

As ações de Gol (GOLL4), Azul (AZUL4), CVC (CVCB3) e Embraer (EMBR3) ficaram entre as maiores baixas do Ibovespa com as notícias de novas restrições de viagens da Europa, mesmo com a melhora nas bolsas.

As ações da Vale (VALE3) recuaram 1,07%, menos que o Ibovespa. Apesar da notícia do deslizamento de terra na mina de Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), na sexta-feira - que matou um trabalhador e rendeu à Vale a suspensão do seu alvará de funcionamento da empresa no município por sete dias -, a alta do minério de ferro no porto de Qingdao, na China, ajuda a conter a queda das ações da mineradora.

Já as ações do Magazine Luiza (MGLU3) apresentam a maior alta do dia depois que a empresa anunciou a aquisição da instituição de pagamentos Hub Prepaid.

Confira as poucas altas e maiores baixas do Ibovespa nesta segunda:

Maiores altas

CÓDIGOEMPRESAPREÇO (R$)VARIAÇÃO
MGLU3Magazine Luiza25,00+1,96%
GNDI3NotreDame Intermédica75,48+1,52%
CSNA3CSN30,86+1,51%
BPAC11BTG Pactual90,71+0,71%
QUAL3Qualicorp34,60+0,29%

Maiores baixas

CÓDIGO EMPRESA PREÇO (R$) VARIAÇÃO
GOLL4Gol23,95-4,77%
EMBR3Embraer8,54-4,58%
VVAR3Via Varejo16,15-3,98%
CVCB3 CVC19,78-3,93%
PETR4Petrobras27,02-3,84%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

balanço do dia

Covid-19: casos sobem para 15,5 milhões e mortes, para 432,6 mil

O total de vidas perdidas durante a pandemia subiu para 432.628. Entre ontem e hoje, foram registradas 2.211 novas mortes.

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Mudaram as estações, mas nada mudou na bolsa

Quem olha para o saldo do Ibovespa na semana pode achar que os últimos dias foram um marasmo. O índice, afinal, ficou praticamente estável — uma quase desprezível queda de 0,13%. “Mas eu sei que alguma coisa aconteceu / tá tudo assim, tão diferente”, já dizia a música. E é verdade: nada mudou na bolsa, […]

Fechamento da semana

Inflação americana e minério de ferro vivem ‘dias de luta e dias de glória’, monopolizando a semana; dólar avança e bolsa recua no período

O minério de ferro puxou Vale e siderúrgicas para cima – mas depois derrubou. A inflação americana também assustou, mas conseguiu acalmar o ânimo dos investidores. Confira tudo o que movimentou a semana

Engordando o caixa

Petrobras gera US$ 2,5 bilhões com desinvestimentos em 2021; venda mais recente é para fundo árabe

E a estatal não deve parar por aí, pois o diretor financeiro da empresa já reafirmou a intenção de continuar com o programa de venda de ativos

Em evento do BofA

Presidente do BC revela preocupação com análise de autonomia no STF e planos para PIX internacional

Campos Neto e o ministro da Economia, Paulo Guedes, têm conversado com ministros da Corte sobre os questionamento acerca do tema

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies