Menu
2019-04-15T17:41:29-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
CONSTA NO PROJETO DE LEI PARA O ORÇAMENTO

Governo estima salário mínimo de R$ 1.040 em 2020, com alta de 2,7% do PIB

O valor consta no Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2020, apresentado nesta segunda-feira (15). Secretário de Fazenda descarta elevação de impostos e disse que Eletrobras será privatizada

15 de abril de 2019
15:29 - atualizado às 17:41
Dinheiro; notas e moedas de real
Imagem: Shutterstock

O ministério da Economia apresentou os principais parâmetros econômicos para o período de 2020 a 2022. O salário mínimo deve subir dos atuais R$ 998 para R$ 1.040, alta de 4,2%. Para 2021, o valor estimado é de R$ 1.082, subindo a R$ 1.123 em 2022.

O valor do salário mínimo consta no Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2020, apresentado hoje. Desde 2006, o modelo de correção considera a inflação (INPC) do ano anterior mais a variação do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes. Mas sua validade expirou em janeiro deste ano.

Segundo o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, os valores para o salário mínimo não implicam lei. “É uma avaliação paramétrica, atendendo a uma regra de correção pelo INPC”, disse, lembrando que o governo tem até dezembro para editar regra de reajuste via lei. O INPC projetado é de 4% em 2020 e de 3,7% em 2021 e 2022.

"Esse valor é uma previsão, não é política do salário mínimo. O governo tem até dezembro para apresentar sua política e assim o faremos", voltou a dizer após ser perguntado sobre o tema.

Na PLDO, não há previsão de reajustes para o funcionalismo público. No entanto, esses aumentos podem ser feitos via projetos no Congresso.

O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano foi mantido em 2,2%. Para 2020, a previsão é de 2,7%, seguido de avanços de 2,6% em 2021 e 2,5% em 2022. A mediana do mercado, captada pelo Focus, mostra crescimento de 2,58% no ano que vem.

Perguntado sobre a projeção de PIB, Rodrigues disse que "não estamos sendo otimistas. Posição do PLDO é de política econômica". Ao longo do caminho, lembrou, os número serão alterados e a perspectiva é que seja para melhor.

O secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida, disse que se for mudar toda a semana a projeções "é difícil para nós, até para planejar o setor público". Ele chamou atenção para pesquisa feita pela SPE sobre o impacto da reforma da Previdência para o crescimento do PIB .

Para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) as projeções são de 4% para 2020 e 3,7% para os dois anos seguintes. Para 2019, a inflação deve ficar em 3,8%.

O governo também faz suas estimativas considerando Selic de 6,5% neste ano, 7,5% em 2020, e 8% em 2021 e 2022. Em linha com as estimativas de mercado.

Déficit primário

Com esses parâmetros, a previsão do governo é de um déficit para o setor público consolidado de R$ 118,9 bilhões em 2020, novo déficit de R$ 65,3 bilhões em 2021 e R$ 30,3 bilhões em 2022.

Considerando apenas o governo central (Tesouro, BC e INSS), o déficit previsto é de R$ 124,1 bilhões em 2020, 1,58% do PIB, contra R$ 110 milhões previstos anteriormente. Segundo Rodrigues, esse aumento reflete "prudência e conservadorismo" do atual governo.

o secretário de Orçamento Federal, George Soares, explicou que a projeção anterior, considerava alguma coisa da reforma da Previdência do governo anterior. Também tinha outra previsão para preço do petróleo. O preço médio estimado agora é de US$ 64,4 por barril em 2020.

O secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, também nota que há uma queda "brutal" de arrecadação. O normal seria ver uma recuperação da arrecadação junto com a atividade. "Mas temos perdendo arrecadação nos últimos anos."

De acordo com Mansueto, o cenário de despesa é inédito para cumprir o teto de gasto, algo como uma redução de dois pontos do PIB em quatro anos. "Algo não visto desde a Constituição de 1988." Para atender a isso, não há previsão de concursos, reajuste de salários, e há queda do investimento público.

“Por isso seria extremamente importante a reforma da Previdência e outras reformas”, disse Mansueto, acrescentando que o governo vai trabalhar, no lado da receita, na revisão de benefícios tributários.

Dívida Bruta

Com déficit nas contas públicas, a dívida bruta mantém trajetória de alta, saindo de 77,2% no ano passado, para 79% neste ano, 80,2% em 2020, 80,9% em 2021 e 81,6% em 2020.

Rodrigues destacou que sem reformas e medidas que contemplem o ajuste fiscal, a dívida bruta cresce cerca de 0,7 ponto do PIB por ano. "Esse é um resultado que implica ficar atendo e não inerte. Temos 0,7 da dívida que cresce e isso tem de ser reduzido, se aqui colocasse impacto da reforma da Previdência, teria estabilização e em seguida queda no valor da dívida bruta", afirmou.

Segundo Rodrigues, as metas do PLDO são indicativas e podem ser modificadas nos próximos meses ou anos. Mas o cenário apresentado é "realista e contemplando a política fiscal com a máxima transparência e bastante conservadorismo. Mostra a necessidade de seguir com zelo fiscal".

Ainda de acordo com Rodrigues, o desenho que se apresenta não é de um governo gastador. A previsão de despesas segue o cumprimento do teto de gastos, que limita os gastos à inflação do ano anterior.

Para Rodrigues, a perspectiva é de melhora dessas projeções, assim que ações de alto impacto no lado fiscal, como a reforma da Previdência, forem aprovadas.

BNDES

De acordo com Rodrigues, antecipação de recursos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no total de R$ 126 bilhões implica em melhora da dívida bruta, cancelando esse aumento inercial de 0,7 ponto, trazido pelos gastos previdenciários.

A devolução, segundo Rodrigues, seguirá critérios de liquidez do BNDES, mas a ideia e concluir a antecipação dos empréstimos feitos até 2022.

Impostos

"Esse governo não trabalha com perspectiva de elevação da carga tributária. Perspectiva é de redução", disse o secretário.

Possíveis reduções de impostos, disse o secretário, dependem do ajuste fiscal e da reação da economia a esses ajustes.

Rodrigues também falou que "nossa dívida é relativamente elevada" e neste ponto entram os programas de privatização e revisão de outros ativos que estão dentro do governo.

Mais setor privado

Rodrigues também destacou que o governo quer promover um aumento da participação do setor privado na economia “crowding in”. Para isso, há uma correlação de ações entre redução da dívida bruta, melhora das condições financeiras e melhora da efetividade da política fiscal.

O secretário também afirmou que o governo trabalha pela privatização da Eletrobras ainda neste ano. Com isso, cerca de R$ 12,2 bilhões estimados com a operação podem voltar a fazer parte do Orçamento. Ainda de acordo com ele, esse valor de R$ 12,2 bilhões pode estar subestimado.

Diesel e liberalismo

Perguntado sobre possível política de subvenção ao preço do diesel, Rodrigues disse que “não temos nenhuma indicação sobre políticas nesta área”, pois essa é uma decisão que cabe ao Ministério de Minas e Energia e o Ministério da Economia se reportará se necessário por meio do ministro Paulo Guedes.

Perguntado se o mercado poderia manter a confiança na linha liberal, mesmo após intervenção na Petrobras, Rodrigues disse que: “O mercado pode confiar na integra. Todo o quadro do ministério da Economia acredita firmemente na participação do mercado, na propriedade privada, no Estado eficiente. Mercado pode confiar na íntegra que a equipe do Ministério intenciona o que seja o melhor para o crescimento robusto e que traga equidade”.

Cessão onerosa

De acordo com Rodrigues, a cessão onerosa é um contrato entre Petrobras e União e esse contrato guarda suficiência, ou seja, não precisa de lei específica. Ainda assim, Rodrigues destacou que seguem as conversas com o Congresso, que são importantíssimas.

Eventual partilha de recursos com entes subnacionais, explicou o secretário, precisaram de projeto de lei. E os recursos serão partilhados, disse ele.

Rodrigues também afirmou que a cessão foi colocada de maneira indevida. "Foi um problema", disse, pois foi feito sem concorrência para participação de apenas uma empresas.

Rodrigues disse que teve reunião com grandes petrolífera e que o “apetite por esses campos é enorme”. Os leilões dos excedentes do pré-sal estão previstos para o fim de outubro. É possível recebimento da receita em 2019 e fazer pagamento também em 2019 para Petrobras, mas para isso será preciso de projeto de lei ou emenda constitucional.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

fechamento

Após sangria, Ibovespa acompanha Nova York e sobe 1,3%; juros recuam com Copom

Índice teve sessão de altos e baixos a princípio, mas acabou seguindo bolsas americanas e registrou maior alta em uma semana; Petrobras e Vale são destaques após balanços. Dólar marca leve ganho

plataforma de pagamentos

Em expansão, Locaweb propõe R$ 180 milhões pela empresa de tecnologia Vindi

Companhia tem até 5 de dezembro para aceitar a proposta – que, segundo a Locaweb, já foi aceita por acionistas que representam 79,33% da empresa

Para além dos shoppings

Multiplan vai retomar investimentos imobiliários em empresa separada, diz presidente da companhia

CEO José Isaac Peres disse, em teleconferência, que não pensa em abrir capital dessa eventual empresa segregada, e está otimista com o mercado imobiliário atual.

mundo em alerta

Brasil não deve ter segunda onda, mas governo tem instrumentos para enfrentá-la, diz Guedes

Ministro considerou que a única solução para a covid-19 é a vacina e alertou para a necessidade de avançar em reformas para que o governo tenha mais fôlego

segunda onda

‘Não consigo entender medida como essa’, diz Bolsonaro sobre lockdown na França

Governo francês anunciou novo confinamento nacional para conter o aumento de casos de covid-19 a partir desta sexta-feira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies