Menu
2019-07-10T11:48:27-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Protagonismo

Maia: reforma tributária divide a federação e unifica a sociedade

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, esteve na instalação da Comissão Especial da reforma tributária e destacou o protagonismo da Câmara

10 de julho de 2019
11:48
Maia reforma tributária
Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, durante instalação da Comissão Especial da reforma tributária - Imagem: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Enquanto não assume a sessão que vai voltar a reforma da Previdência, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, compareceu à instalação da Comissão Especial que vai discutir a reforma tributária, a PEC 45.

Em breve discurso, Maia ressaltou que a decisão do governo Jair Bolsonaro de governar sem coalização no Congresso, fortalece o papel o Parlamento, que tem assumido sua responsabilidade e protagonismo, e dá maior liberdade para que a Câmara possa colocar suas pautas e os pontos de vistas dos deputados.

Segundo Maia, o desafio da reforma tributária é diferente do desafio da Previdência, pois a mudanças nas regras previdenciárias unificam a federação e dividem a sociedade, já as mudanças tributárias dividem a federação e unificam a sociedade.

“Nosso desafio é harmonizar as divergências para que se consiga, como na reforma previdenciária, ter um texto que organize melhor o sistema tributário”, disse.

O texto que será discutido pelos parlamentares tem com base a proposta do economista Bernard Appy e foi escrito pelo deputado Balei Rossi (MDB-SP). A proposta acaba com três tributos federais (IPI, PIS e Cofins) e cria uma regra para extinguir o ICMS, de competência estatual, e o ISS, dos municípios.

No lugar desses impostos sobre o consumo, entra o Imposto sobre Operações com Bens e Serviços (IBS) de competência de municípios, estados e União, além de um outro imposto, sobre bens e serviços específicos, esse de competência apenas federal. O prazo de transição estimado é de dez anos.

A reforma tributária está na agenda prioritária de Rodrigo Maia assim que for vencida a votação da Previdência. No entanto, o Senado Federal também vai discutir uma reforma tributária e há o desenho de uma proposta pela equipe econômica do governo.

Na Câmara, a presidência da Comissão Especial, que conta com 43 membros, ficou com o deputado Hildo Rocha (MDB-MA) e a relatoria com o deputado Agnaldo Ribeiro (PP-PB), que já disse que vai criar sub-relatorias.

Maia também disse que vai encaminhar discussões sobre outros dois temas. Ações para melhoria da eficiência do Estado e resultados mais efetivos dos programas sociais.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Seu Dinheiro na sua noite

O grande respiro do câmbio e mais…

“Ih, vai ser uma semana daquelas”, pensei eu na segunda-feira, ao olhar a agenda de eventos previstos para os dias seguintes. Teríamos decisão do Copom e relatório de empregos nos EUA — e isso sem contar os inúmeros balanços corporativos. Em semanas assim, eu gosto de traçar alguns cenários na minha cabeça: se o BC […]

Fechamento da semana

Real ganha do dólar na semana e bolsa sobe mais de 2% com economia americana nem tão aquecida e Copom incisivo

Os problemas domésticos foram para baixo do tapete e os fatores externos ajudaram o Real a se valorizar e a bolsa a romper resistências importantes. Confira um resumo da semana.

Mudou de ideia?

Elon Musk passa a recomendar cautela com o dogecoin às vésperas de sua participação no SNL

O bilionário, que já fez a moeda-meme disparar 60% com apenas um tweet, exibiu um alerta para as limitações do mercado de criptoativos

pandemia

Estudo aponta relação entre negacionismo de Bolsonaro e evolução da pandemia no Brasil

Segundo o levantamento, em cidades onde o presidente obteve mais de 50% dos votos no segundo turno das eleições de 2018, número de mortes foi 415% maior do que nos municípios onde ele perdeu o pleito

Insistência incomoda

Ex-presidente do BC Affonso Pastore acredita que ajuste parcial da Selic é insustentável

O economista defende o reconhecimento explícito de que a instituição perseguirá o ajuste integral da taxa básica de juros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies