Menu
2019-10-14T14:52:07-03:00
admirável mundo novo

Economia digital vira gargalo para tributação

Na era dos aplicativos de serviços, impressoras 3D, robôs, moedas virtuais e marketplaces, o sistema tributário ficou obsoleto e tem tirado o sono do Fisco

14 de outubro de 2019
14:52
startup inovação planejamento
Imagem: Shutterstock

A proliferação de novos negócios decorrentes da revolução digital virou um gargalo para o recolhimento de impostos no Brasil - e no mundo. Na era dos aplicativos de serviços, impressoras 3D, robôs, moedas virtuais e marketplaces, o sistema tributário ficou obsoleto e tem tirado o sono do Fisco - que não tem conseguido acompanhar a rapidez das transformações na economia, na indústria e na sociedade.

Nesse ambiente inovador, conceitos como "valor agregado" e "circulação de mercadorias" estão perdendo relevância diante da nova gama de atividades e serviços à disposição do mercado, segundo estudo dos professores do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP) Celso de Barros Correia Neto, José Roberto Afonso e Luciano Felício Fuck.

Com o título "A tributação na era digital e os desafios do sistema tributário no Brasil", eles fazem um alerta sobre a necessidade do Fisco rever os tributos vigentes e a forma de cobrá-los. "Renda, trabalho e consumo foram diretamente impactados pelas transformações já em curso e, decerto, sofrerão repercussões ainda mais profundas nos próximos anos", afirmam os professores. Com a economia digital cada vez mais inserida no dia a dia de milhares de brasileiros, os exemplos começam a ficar latentes.

O uso maciço do WhatsApp, por exemplo, fez a população trocar a telefonia convencional pelos aplicativos. Segundo o Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviços Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil), desde 2017, os usuários gastam mais com dados do que com ligações. No primeiro semestre deste ano, o gasto médio com dados foi 77% da conta e o gasto com ligações, 23%.

A questão, segundo Correia Neto, é que ao usar mais internet, o valor pago a título de imposto tende a ser menor. "Cai, portanto, a arrecadação porque a forma de comunicação mudou. A base de arrecadação mudou."

Segundo artigo de Afonso, o setor de comunicações respondia por 10,4% da arrecadação nacional de ICMS em 2000. Essa participação caiu para 7,8%, em 2017. "O maior problema é a incerteza de como serão os tributos do futuro, sendo que a única certeza é que os atuais serão inúteis, inadequados ou insuficientes", diz Afonso.

A tributação do emprego já reflete essa preocupação. De acordo com o estudo, há um processo de desconstrução das relações trabalhistas tradicionais, com a substituição da mão de obra por máquinas e pela crescente flexibilização das formas de trabalho.

No emprego com carteira assinada, há desconto do Imposto de Renda na Fonte e contribuição para a previdência social sobre os salários. Hoje, com a popularização de aplicativos, como Uber e Rappi, a renda praticamente deixou de ser tributada.

"A questão é: quem vai financiar a Previdência? O sistema precisa ser ajustado, pois esse é um caminho sem volta", diz Correia Neto, professor do IDP. Segundo ele, o uso de robôs no lugar do trabalhador deve crescer de forma acelerada nos próximos anos, o que pode corroer a base tributária e prejudicar o custeio e a estrutura da Previdência.

No consumo, o surgimento de novos negócios também é desafio para o Fisco. A rede de hotelaria, por exemplo, paga os impostos sobre a receita total de serviços, afirma os advogados da Cascione Pulino Boulos, Rafael Vega e Luca Salvoni.

Já o Airbnb pagará os mesmos impostos, mas apenas sobre a receita de intermediação. O grosso do dinheiro pago, dizem eles, vai para o dono do imóvel, que deveria pagar os impostos respectivos como pessoa física. Mas, nesse caso, controlar o que foi pago ou não exigirá um grande esforço de fiscalização.

Nessa mesma linha, os advogados destacam a evolução dos softwares. No passado, as pessoas compravam um CD (ou disquete) com o programa e pagava Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), com alíquotas na casa de 18%. Com a evolução tecnológica, veio a fase do download e a discussão sobre a natureza do produto.

Hoje há uma disputa do ICMS, dos Estados, e o ISS, dos municípios. "E agora estamos entrando na fase de SaS (Software as a Service), em que o consumidor nem baixa mais o programa ou adquire uma licença definitiva para aquela versão. Você adquire uma licença de uso por um período de tempo."

Segundo Vega e Salvoni, há no País legislação que permite as duas cobranças. "A nacional diz que se pode cobrar ISS sobre streaming e download. E há uma lei estadual que permite cobrança do ICMS."

Natureza da atividade

Daqui para frente as questões tributárias serão cada vez mais complexas e as atividades difíceis de se enquadrar nos três impostos e níveis de governo - a União cobra Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI); os Estados, o ICMS; e os municípios, o ISS. "Para os novos negócios e tecnologias, essa separação nem sempre é fácil de fazer. Além disso, tudo vai se transformando em intangível e, portanto, serviços", diz Correia Neto. Na prática, isso significa tirar a arrecadação dos Estados e passar para os municípios.

Num futuro próximo, outros produtos vão exigir ainda mais analise sobre a natureza da operação. Quando as impressoras 3D estiverem mais difundidas, novas formas de produção e comercialização de bens vão alterar a maneira como as pessoas adquirem (ou produzem) mercadorias e serviços. "A impressora é uma mercadoria, mas e o que ela vai imprimir? Hoje não é possível enquadrá-la", diz Correia Neto.

PEC 45

Na avaliação do advogado Renato Coelho, especialista de tributação do escritório Stocche Forbes, existe uma grande assimetria entre a tributação e a economia digital. O sistema está sempre um passo atrás, diz ele. Para ele, no entanto, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 45, em tramitação no Congresso, resolve alguns pontos da tributação sobre o consumo que hoje não é capturado pelo ICMS nem pelo ISS. Isso porque a proposta é unificar todos os tributos do País.

O economista Bernard Appy, cujo trabalho baseou a PEC 45, concorda que a proposta resolve alguns pontos da economia digital. Mas em relação à tributação sobre a folha de pagamento será preciso rever o sistema da Previdência, pois é difícil obrigar esse pessoal a contribuir. "O sistema terá de se adaptar para lidar com isso; nosso modelo de tributação da folha é péssimo para lidar com essa situação."

A Receita Federal não respondeu os pedidos de entrevista.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Mais uma para a lista

Empresa de shoppings Almeida Junior faz pedido de IPO na CVM

Acionista vendedor é Jaimes Bento Almeida Júnior, fundador da empresa

Seu Dinheiro na sua noite

Um brilho no futuro da Oi

Em recuperação judicial desde 2016 e com uma dívida bilionária, a Oi é uma empresa que divide a opinião de analistas do mercado. Para uns, as ações da tele representam uma aposta de risco, porém com chances de render uma bolada caso o turnaround seja bem-sucedido. Para outros, no entanto, o risco se mostra excessivo, […]

Olha o dinheiro aí

Conselho de administração do Bradesco aprova pagamento de R$ 490,9 milhões em dividendos complementares

O conselho de administração do Bradesco aprovou nesta segunda-feira (17) o pagamento de dividendos complementares, relativos a 2019, no valor de R$ 490.918.326,17. Nesse total, serão pagos R$ 0,058213963 por ação ordinária e R$ 0,064035359 por ação preferencial do banco. O pagamento ocorrerá em 2 de fevereiro, sem retenção de Imposto de Renda na fonte. […]

Martelo batido

Braskem assina acordo de R$ 40 milhões com Ministério Público do Trabalho e põe fim a ação civil

A Braskem anunciou nesta segunda-feira (17) a assinatura de um termo de acordo com o Ministério Público do Trabalho (MPT) que visa a implementação de um Programa para Recuperação de Negócios e Promoção de Atividades Educacionais na cidade de Maceió, Alagoas. No total, a empresa vai desembolsar R$ 40 milhões para colocar o programa em […]

Agora vai?

Maia sinaliza que comissão mista da reforma tributária será formada nesta semana

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse acreditar na formação da comissão mista da reforma tributária nesta semana. “Acredito que sim”, respondeu Maia quando perguntado sobre a possibilidade. É esta a expectativa, reforçou, do relator da proposta, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB). Na semana passada, a secretaria do Congresso Nacional pediu aos líderes da Câmara […]

Recuperação

Com o noticiário corporativo em foco, Ibovespa fecha em alta e retoma os 115 mil pontos

Focado nos balanços trimestrais e nas sinalizações positivas vindas da China, o Ibovespa passou o dia em alta e se recuperou das perdas recentes. O dólar à vista, por outro lado, teve uma sessão mais pressionada e voltou ao patamar de R$ 4,32

Dados do BC

Reservas internacionais subiram US$ 157 milhões no dia 14, para US$ 358,955 bilhões

De acordo com o Banco Central, o resultado é uma consequência da oscilação do valor de mercado dos ativos que compõem as reservas

Novo projeto

Bolsonaro diz que governo está na iminência de mandar a reforma administrativa

Presidente disse que a proposta ainda pode passar por novas alterações ao longo da semana

Na ponta do lápis

Estudo do Banco Central discute objetivos de modalidades de recolhimentos compulsórios

Uma das conclusões é que o nível atual dos compulsórios sobre depósitos à vista está adequado para o cumprimento de sua função

Impacto negativo

Coronavírus pode acentuar enfraquecimento do comércio no 1º trimestre

“O crescimento anual do comércio pode cair no período, embora as estatísticas oficiais para confirmar a hipótese só estejam disponíveis em junho”, disse a instituição

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements