Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-06-11T18:16:27-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Invasão? Não sabemos de nada

Telegram se manifestou sobre o caso Moro — e afastou a hipótese de ação hacker em seu sistema

O aplicativo de troca de mensagens usado nas conversas entre Sergio Moro e procuradores da Operação Lava Jato se manifestou sobre o caso — e afastou a possibilidade de invasão em seu sistema

11 de junho de 2019
16:06 - atualizado às 18:16
Imagem da tela de um celular com o aplicativo Telegram no foco
O Telegram é conhecido por ter dispositivos de segurança mais refinados que o WhatsApp - Imagem: Shutterstock

O Telegram ganhou popularidade no Brasil nos últimos dias. E isso graças ao caso envolvendo o ministro da Justiça, Sergio Moro, e os procuradores da Operação Lava Jato, já que as conversas vazadas pelo site The Intercept ocorreram por meio desse aplicativo — e não pelo WhatsApp, mensageiro muito mais utilizado no país.

De origem russa, o Telegram é conhecido por ter dispositivos de segurança de dados muito mais sofisticados que o rival. Assim, o fato de os diálogos terem ocorrido nessa plataforma e, ainda assim, terem vazado, chamou a atenção de pessoas mais familiarizadas com o mundo digital.

E, nesta terça-feira (11), o aplicativo pronunciou-se oficialmente a respeito do caso. Via Twitter, o Telegram respondeu aos questionamentos de um usuário do Brasil — e sinalizou que não houve qualquer ataque hacker ao seu sistema.

"Não há evidência de qualquer ação hacker", diz o Telegram, em sua conta oficial no Twitter. "Provavelmente, trata-se de um malware [um tipo de vírus] ou alguém não usando uma senha de verificação com duas etapas". A manifestação do aplicativo não diz nada a respeito de eventuais invasões nos celulares das pessoas envolvidas.

Na noite de domingo, o site The Intercept publicou uma série de matérias em que revela conversas privadas entre Moro — então juiz federal — e o coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol. Outros diálogos publicados envolvem mensagens trocadas entre os procuradores da operação.

O conteúdo disponibilizado pelo site sinaliza que Moro e Dallagnol tratavam diretamente dos rumos da Lava Jato, o que indicaria uma interferência do juiz no trabalho do Ministério Público. Segundo o The Intercept, todo o conteúdo foi repassado por uma fonte anônima.

Em nota publicada ainda no domingo, a força-tarefa da Lava Jato no Ministério Público Federal no Paraná (MPF) disse ter sido alvo "de ação criminosa de um hacker", que teria invadido telefones e aplicativos de procuradores.

"Não se sabe exatamente ainda a extensão da invasão, mas se sabe que foram obtidas cópias de mensagens e arquivos trocados em relações privadas e de trabalho", afirma a nota oficial da MPF/PR.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

De volta ao jogo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 6,25%

Renda fixa “voltou ao jogo”, mas ainda não dá para ficar rico. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

entrevista

BC briga para recuperar a credibilidade e poderia ter acelerado alta da Selic, diz economista-chefe da gestora Garde

Para Daniel Weeks, BC passou mais tempo do que o necessário com a sinalização de que manteria taxa de juros muito baixas; ele avalia que aumento poderia ter sido de 1,25 ponto e que discussão sobre fim do ciclo de ajustes ainda não acabou

Seu Dinheiro na sua noite

Seguindo a rota planejada

Decisão da Selic pelo Copom, juros nos Estados Unidos, dólar em alta e muitas outras notícias que mexeram com o mercado hoje

Vai mudar

Ultrapar (UGPA3): Marcos Lutz, ex-presidente da Cosan, assumirá como CEO em janeiro de 2022

Lutz já era membro do conselho de administração da Ultrapar (UGPA3) e, após o período como CEO, deve virar presidente do colegiado

Bota para subir

Após nova alta da Selic, FMI apoia aperto monetário adotado pelo Banco Central para combater inflação

Os diretores do órgão também aprovam o compromisso do BC intervenções limitadas para conter condições desordenadas de mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies