🔴 AÇÃO QUE JÁ DISPAROU 1.200% E AINDA ESTÁ BARATA – VEJA QUAL

Estadão Conteúdo
arrumando as contas

País paga dívida com ONU e banco do Brics

Não pagamento à ONU poderia fazer com que o Brasil, pela primeira vez, perdesse o direito a voto no órgão a partir de 1.º de janeiro

Bolsonaro discursa na Assembleia Geral da ONU, em setembro de 2019. - Imagem: TV Brasil / ONU / Reprodução

O governo federal pagará dívidas de R$ 1,815 bilhão com a Organização das Nações Unidas (ONU) e com o banco do Brics (grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) até o fim do ano.

Por outro lado, deixará de honrar compromissos com o Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), Corporação Interamericana de Investimentos (BID Invest), Fundo Financeiro para o Desenvolvimento da Bacia do Prata (Fonplata), e Agência Internacional de Desenvolvimento (AID).

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo/Broadcast apurou, não há previsão orçamentária para fazer o pagamento a esses organismos internacionais em 2019, o que inviabiliza o repasse. Para a ONU e o banco do Brics, no entanto, o pagamento foi autorizado após a aprovação, na noite de terça-feira, de um projeto de lei que altera o Orçamento deste ano pelo Congresso Nacional. A equipe econômica aguarda apenas a sanção do presidente Jair Bolsonaro para repassar os recursos.

O não pagamento à ONU poderia fazer com que o Brasil, pela primeira vez, perdesse o direito a voto no órgão a partir de 1.º de janeiro. O projeto aprovado reserva R$ 549 milhões para a contribuição às Nações Unidas. A dívida atualizada em 21 de novembro com a entidade soma US$ 415,9 milhões, dos quais US$ 143 milhões tratam de orçamento regular e, o restante, compromissos com missões de paz e tribunais internacionais.

Já para o banco do Brics, o projeto prevê a destinação de R$ 1,266 bilhão para integralização de cotas de capital. Na criação da instituição financeira, em 2014, os países acordaram em aportar, cada um, US$ 10 bilhões até 2021. Neste ano, o Brasil tem de pagar cerca de US$ 300 milhões.

O projeto aprovado na noite de terça-feira abre um crédito extra de R$ 9,6 bilhões para a União. Além dos organismos internacionais, os recursos serão destinados também para despesas como fortalecimento da agricultura familiar, educação, saúde e desenvolvimento regional.

Sem dinheiro

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo/Broadcast apurou, o País deixará de pagar para o CAF US$ 45 milhões, para o BID Invest US$ 27,6 milhões, para o Fonplata US$ 27,6 milhões e para a AID R$ 43,2 milhões. Como mostrou reportagem no início do mês, a necessidade de pagamento a esses órgãos e à ONU foi objeto de discussão no governo e é considerada urgente.

Em nota técnica obtida, o Ministério da Economia afirma que, com o não pagamento ao CAF, a exposição do banco a países como Venezuela e Argentina, atualmente em crise econômica, faz com que a dívida brasileira da parcela de 2019 aumente as chances de rebaixamento da nota da instituição pelas agências classificadoras de risco internacionais. O Brasil é membro do banco desde 1995 e detém 8,9% de seu capital. / COLABOROU DANIEL WETERMAN

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Compartilhe

Vai aumentar?

Cúpula dos Brics diz apoiar processo de expansão do número de membros do NDB

17 de novembro de 2020 - 18:16

Um pouco antes, durante a reunião, o presidente do Banco dos Brics, o brasileiro Marcos Troyjo, falou para os líderes que a instituição conta com 65 projetos que somam US$ 21 bilhões

De olho no futuro

Banco de Brics investe em sustentabilidade

24 de julho de 2020 - 13:15

São projetos de infraestrutura e logística que têm de se encaixar no que o NDB (sigla em inglês para Novo Banco de Desenvolvimento) elegeu como foco prioritário, especialmente no pós-pandemia: sustentabilidade.

Pensando no depois

Brics vai criar fundo de US$ 15 bi para recuperação econômica pós-pandemia

28 de abril de 2020 - 12:14

Anúncio foi feito após uma videoconferência de chanceleres do Brics, grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

Cúpula no Brasil

Bolsonaro diz que Brics trabalhou para alimentar competitividade e produtividade

14 de novembro de 2019 - 12:35

Bolsonaro disse que a relevância econômica do Brics é inquestionável e que o grupo de países seguirá crescendo. Segundo Bolsonaro, esses resultados garantem legitimidade para governança internacional “mais inclusiva”.

Diplomacia

Bolsonaro e líderes tentam vender o peixe dos Brics a empresários

13 de novembro de 2019 - 19:55

Presidentes do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul contam a empresários o que têm feito para melhorar o ambiente de negócios

Próximos passos

Banco dos BRICS quer trabalhar com mais empréstimos em moedas locais

13 de novembro de 2019 - 17:38

NDB tem como foco o financiamento de projetos no Brasil, na Rússia, na Índia, na China e na África do Sul

Precisa melhorar isso aí

Em reunião em Brasília, representantes dos BRICS dizem que cooperação do grupo está aquém do potencial

13 de novembro de 2019 - 15:43

Grupo realiza nesta quarta-feira uma série de encontros e debates em Brasília para decidir os seus próximos passos

Falando em relações...

Guedes diz que Brasil está “bem atrasado” nas possibilidades de comércio com a Índia

13 de novembro de 2019 - 14:07

Ministro também qualificou como “especial” o fato de a China e a Índia serem, atualmente, os países indutores do crescimento global

supositórios da burocracia

Afinal, qual a relevância dos Brics?

13 de novembro de 2019 - 5:12

Cúpula dos Brics acontece em Brasília com o tema: “crescimento econômico para um futuro inovador”. Mas foco recai, mesmo, nos encontros bilaterais com a China

Desacelerou

Ministros de comércio dos Brics observam perda de impulso na economia mundial

11 de novembro de 2019 - 19:26

Autoridades dizem concordar que a “liberalização do comércio é um elemento essencial para liberar o potencial de crescimento econômico

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar