Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-11-13T18:06:05-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Próximos passos

Banco dos BRICS quer trabalhar com mais empréstimos em moedas locais

NDB tem como foco o financiamento de projetos no Brasil, na Rússia, na Índia, na China e na África do Sul

13 de novembro de 2019
17:38 - atualizado às 18:06
BRICS
Imagem: Shutterstock

O presidente do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB, na sigla em inglês), Kundapur Vaman Kamath, sinalizou nesta quarta-feira, 13, a intenção da instituição de trabalhar cada vez mais com empréstimos em moedas locais. Também conhecido como "Banco dos Brics", o NDB tem como foco o financiamento de projetos no Brasil, na Rússia, na Índia, na China e na África do Sul.

"Uma iniciativa do banco é utilizar moedas locais. É uma escolha que colocamos à mesa a nossos parceiros. Por que usar moeda forte, como dólar e euro? Todo mundo quer trabalhar em sua própria moeda", afirmou Kamath, durante evento do banco em Brasília.

Ele afirmou que, atualmente, a maior parte dos empréstimos feitos na África do Sul são na moeda local, o rand.

Para ilustrar a questão, Kamath citou o caso de um tomador brasileiro que teria feito um empréstimo "meio a meio", em reais e na moeda chinesa, o renminbi.

Durante o evento, Kamath também destacou que o banco deve inaugurar um escritório regional em São Paulo nas próximas semanas.

Kamath participou na manhã desta quarta do seminário "O NDB e o Brasil: Parceria Estratégica para o Desenvolvimento Sustentável", promovido em Brasília. O evento ocorreu por ocasião da XI Cúpula dos Brics.

Ministro brasileiro fala em apoio

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, disse que o Novo Banco de Desenvolvimento apoiará projetos de financiamento e garantia de infraestrutura no Brasil. Freitas disse estar "impressionado" com a nova postura do banco e criticou a dificuldade de acessar garantias nos anos anteriores.

"Nos incomodava ver a quantidade grande de financiamentos no NDB, nós precisávamos do banco de desenvolvimento (NDB) onde há risco de engenharia, que o mercado não absorve. Temos recebido boas notícias do NDB", completou.

Sobre o tema, Kamath disse que o banco tem diversificado seus aportes e considerado projetos não só dos governos, mas do setor privado. Além disso, países como China e Índia têm procurado financiamentos em moeda local. "Temos olhado projetos mais verdes e limpos para o Novo Banco de Desenvolvimento", afirmou.

O ministro brasileiro destacou o programa de infraestrutura brasileiro e frisou a necessidade de investimentos no setor ferroviário. "Pergunta agora é por que não as ferrovias? Ficaríamos felizes de ver investimentos no setor ferroviário, teremos oportunidades interessantes", afirmou.

O ministro lembrou que há ainda aeroportos, rodovias e portos a serem concedidos à iniciativa privada nos próximos anos.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies