Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-06-28T11:15:49-03:00
Agência Brasil
No G20

Bolsonaro diz que se empenhará por maior cooperação entre o Brics

Presidente brasileiro destacou ainda que a união dos líderes do grupo, composto por Brasil, Índia, China, Rússia e África do Sul, é importante para colaborar na busca de soluções de conflitos internacionais.

28 de junho de 2019
11:14 - atualizado às 11:15
BRICS, Bolsonaro, Xi Jinping
Imagem: Alan Santos/PR

O presidente da República, Jair Bolsonaro, disse nesta sexta-feira (28), ao abrir a reunião informal do Brics, grupo de países que reúne Brasil, Índia, China, Rússia e África do Sul, no Centro de Convenções Intex, em Osaka, no Japão, que o seu governo trabalhará ativamente para o fortalecimento do Brics. “Contem com o empenho de nosso governo para que a cooperação entre nós se fortaleça sempre mais”.

Bolsonaro destacou, como exemplo desse cooperação, a criação do Novo Banco de Desenvolvimento. “Menciono, como exemplo bem-sucedido da cooperação no Brics, o Novo Banco de Desenvolvimento. Aproximá-lo do setor privado e garantir que atenda às necessidades de financiamento em infraestrutura é prioridade para nosso governo”.

O presidente brasileiro disse ainda que a união dos líderes do grupo é importante para colaborar na busca de soluções de conflitos internacionais. Segundo ele, desde a crise financeira de 2008, o Brics tem apontado o papel relevante das grandes potências emergentes para a estabilidade e a prosperidade da economia mundial.

Bolsonaro ressaltou que, no seu governo, o Brasil reafirmou o apoio ao sistema multilateral de comércio por entender que ele é importante para o desenvolvimento da economia mundial. “A persistência de correntes protecionistas e de práticas econômicas desleais é fonte de tensões comerciais e põe em risco a estabilidade das regras internacionais de comércio. Em meu governo, o Brasil reafirmou seu apoio ao sistema multilateral de comércio, por ter certeza de que o dinamismo da economia mundial depende dele”.

Em seu discurso, o presidente brasileiro destacou o posicionamento do Brasil de continuar colaborando para a reforma da Organização Mundial do Comércio (OMC). “Estamos plenamente dispostos a seguir colaborando para a reforma da Organização Mundial do Comércio e para a construção de uma agenda negociadora equilibrada. A redução das medidas distorcivas do comércio agrícola segue sendo uma prioridade e uma tarefa de grande urgência para os países em desenvolvimento”.

Declaração conjunta

Após a reunião, os líderes do Brics divulgaram uma declaração conjunta, na qual manifestaram o posicionamento do grupo em que reconhece, entre outros temas, que a inovação é uma força motriz essencial do desenvolvimento e reafirmaram comprometimento em maximizar os benefícios da digitalização e das tecnologias emergentes, inclusive para as populações de áreas rurais e remotas. “Encorajamos esforços conjuntos para compartilhar boas práticas de redução da pobreza por meio da internet, bem como de transformação digital do setor industrial”, diz o comunicado.

O Brics ressalta também a importância de uma reforma da OMC para enfrentar os desafios que a entidade terá pela frente. "Trabalharemos de forma construtiva com todos os membros da OMC sobre a necessária reforma da organização, com vistas a melhor enfrentar os desafios atuais e futuros no comércio internacional, aumentando assim sua relevância e eficácia. A reforma deve, inter alia, preservar a centralidade, os valores centrais e os princípios fundamentais da OMC, e considerar os interesses de todos os membros, inclusive os países em desenvolvimento e os países de menor desenvolvimento relativo (PMDRs). É imperativo que a agenda de negociações da OMC seja equilibrada e discutida de maneira aberta, transparente e inclusiva".

Leia a íntegra da declaração conjunta.

 

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Risco fiscal

O preço do furo no teto de gastos virá em forma de juro maior e recessão em 2022, diz Itaú

Com o aumento da incerteza fiscal, o Banco Central deverá entrar em um regime de “regime de contenção de danos”, segundo o banco, que prevê alta da Selic para até 11,25% ao ano

Me vê bitcoin

De olho no interesse dos clientes por bitcoin (BTC), Mastercard vai lançar plataforma que une criptomoedas com cartões de débito e crédito

Com essa integração, o cliente pode receber cashback em criptomoedas após compras no cartão de crédito, por exemplo

Exile on Wall Street

Felipe Miranda: Entre “O fim do Brasil —parte 2” e o começo da terceira via

Depois do desastre com o teto de gastos, o que podemos esperar de uma resolução que não envolva nem Lula nem Bolsonaro?

COLUNA DO JOJO

Bolsa hoje: Suas definições de “responsabilidade fiscal” foram atualizadas

A temporada de resultados brasileira, que começou na última sexta-feira, segue hoje com EcoRodovias, EDP Brasil, Neoenergia e TIM, após o fechamento do mercado. Enquanto isso, ao longo do dia, o presidente Jair Bolsonaro deverá lançar o Programa de Crescimento Verde, indicativo positivo para a COP26 de novembro

CRIPTOMOEDAS HOJE

Bitcoin (BTC) retoma os US$ 63 mil após cair na sexta-feira e outras criptomoedas sobem até 10% hoje; confira

Destaque para a Solana (SOL), que vem apresentando resultados acima da média das dez principais moedas do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies