🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
Bolsa e dólar hoje

Possível retaliação árabe prejudica Ibovespa; dólar sobe a R$ 3,80

Árabes estão descredenciando exportadores de frango no que seria uma resposta aos planos de Bolsonaro de mudar embaixada de Tel Aviv para Jerusalém

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
22 de janeiro de 2019
10:25 - atualizado às 19:05
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
A Arábia Saudita é a maior importadora de carne de frango do Brasi - Imagem: Seu Dinheiro

A Bolsa de Valores de São Paulo operou em queda o dia todo nesta terça-feira, perdendo os 95 mil pontos por várias horas seguidas, quando chegou a bater em 1,40% de baixa. No final do pregão, contudo, houve uma leve recuperação, fazendo o Ibovespa fechar em desvalorização de 0,94%, com 95.103 pontos.

Maior queda do Ibovespa, as ações da Marfrig recuaram 5,47%. Também na lista das baixas, BRF caiu 5,02% e JBS ON perdeu 0,73%. O tombo aconteceu quando foi divulgado que a Arábia Saudita irá descredenciar 33 unidades brasileiras habilitadas a exportar carne de frango para o país sem uma clara justificativa no documento que foi enviado, na noite de ontem, ao governo brasileiro.

Como o discurso do presidente Jair Bolsonaro, em Davos, foi considerado neutro, ele não conseguiu impulsionar os negócios. O dólar subiu 1,20%, negociado a R$ 3,80. A moeda engatou a sexta alta consecutiva e fechou no maior nível, desde 28 de dezembro, quando foi cotado a R$ 3,87. A aversão ao risco do investidor que teme a desaceleração da economia mundial, segundo especialistas, foi o motivo do avanço.

Briga de Galo

A decisão da Arábia Saudita de suspender a compra de carne de frango do Brasil seria uma retaliação dos países árabes à ideia estudada pelo governo Jair Bolsonaro de mudar a embaixada brasileira em Israel de Tel-Aviv para Jerusalém. A declaração é de Amr Moussa, secretário-geral da Liga Árabe até 2011 e hoje um dos diplomatas do Oriente Médio de maior influência na região. Moussa chegou a concorrer à eleição para a presidência no Egito.

"O mundo árabe está enfurecido (com o Brasil)", disse Moussa, que participa do Fórum Econômico em Davos. "Essa é uma expressão de protesto contra uma decisão errada por parte do Brasil", insistiu. "Muitos de nós não entendemos o motivo pelo qual o novo presidente do Brasil trata o mundo árabe desta forma." E acrescentou: "Acredito que tais medidas vão continuar. A única forma de evitar é se o Brasil desistir dessa ideia. Jerusalém é uma capital de dois estados, não de um."

A Arábia Saudita é a maior importadora de carne de frango do Brasil. Atualmente, 67 frigoríficos estão habilitados a exportar para a Arábia, mas apenas 30 exportavam efetivamente.

Mas fontes do setor acreditam que a motivação principal da medida pode estar relacionada a questões técnicas, como o sistema de abate de aves no Brasil. Segundo nota do Ministério da Agricultura, 15 plantas de carnes da BRF e da JBS continuarão habilitadas a vender para a Arábia Saudita - três da BRF; quatro da SHB Alimentos (que pertence à BRF); duas da JBS Aves e seis da Seara Alimentos (que são da JBS).

Commodities

Empresas ligadas a commodities tiveram perdas, em meio ao mau humor no cenário internacional, após redução na projeção de crescimento mundial feita pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e desaceleração da economia chinesa em 2018.

De acordo com Glauco Legat, analista-chefe da Necton Investimentos, as empresas de commodities como um todo acompanham a aversão ao risco mundo afora diante da queda do petróleo e redução do crescimento mundial principalmente devido à desaceleração da China em meio a uma guerra comercial travada entre Pequim e os EUA. Petrobras teve baixa de 1,50% (ON), e 1,57% (PN) e Vale ON recuou 0,36%.

Suzano

A queda no preço das commodities prejudicou os papéis da Suzano Papel e Celulose. As ações ordinárias tiveram redução de 2,46%. Apesar da queda no preço dos ativos, o BTG Pactual divulgou hoje relatório afirmando que a Suzano ainda é a melhor opção de compra no setor. O documento diz que as ações da companhia estão subvalorizadas e continuam promissoras para os investidores, uma vez que a consolidação da negociação com a Fibria pode impulsionar ganhos. Além disso, o banco explica que o setor como um todo está gradativamente voltando à normalidade, após impasse com fornecedores e compradores chineses.

Ou vende, ou compra

A gestora de recursos GWI Group, do investidor Mu Hak You, pode ter que desembolsar até R$ 342 milhões caso se confirme a necessidade de realização de uma oferta pública de aquisição de ações (OPA, na sigla em inglês) da Gafisa. O valor considera a cotação do papel a R$ 15,56, conforme fechamento do pregão de ontem, 21. Com isso, as acoes da construtora caíram 1,29% no pregão de hoje. A GWI anunciou nesta manhã ao mercado que passou a deter um total de 21,9 milhões de ações da incorporadora, o equivalente a uma participação de 50,17%. Segundo o artigo 46 do estatuto da companhia, o acionista que superar uma fatia de 50,0% deve prosseguir com uma oferta pública de aquisição da totalidade das ações pertencentes aos demais investidores. Para isso, o edital com as regras da OPA deve ser publicado em até 45 dias. O preço a ser ofertado pelas ações deverá corresponder, no mínimo, ao valor justo, apurado em laudo de avaliação elaborado conforme determinado na regulamentação aplicável.

O Broadcast apurou que a GWI está estudando neste momento se levará adiante a OPA ou se pedirá à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) um prazo, que pode ser de três meses, para ajustar a sua posição, isto é, vender ações até voltar a ter uma posição abaixo de 50,0%. No comunicado divulgado hoje ao mercado, a GWI informou apenas que "tomará todas as providencias previstas no estatuto social", sem dar mais detalhes. Procuradas, Gafisa e GWI não se manifestaram até a publicação dessa matéria.

Cortando as asas

As ações ON da Embraer tiveram uma queda de 3,28% depois que o Credit Suisse cortou o preço-alvo da ADR negociada em Nova York de US$ 28 para US$ 24, o que implica em uma valorização de 14,17% em relação ao fechamento de ontem (US$ 21,02), de acordo com um operador. A informação se sobrepõe ao corte na recomendação da ADR pelo Morgan Stanley na semana passada, que vem influenciando nas negociações das ações desde então.

Além disso, foi divulgado hoje que a Associação Brasileira de Investidores (Abradin) e os sindicatos de metalúrgicos da região de São José dos Campos (SP) vão entrar novamente na Justiça para tentar impedir o andamento do negócio com entre a Embraer e a Boeing, depois de o governo brasileiro e o conselho de administração da Embraer terem aprovado a operação negociada entre as empresas.

Monstro Amazon

As ações de varejistas registram mais um dia de perdas depois que a Amazon Brasil anunciou hoje o lançamento de uma plataforma de comércio eletrônico com estoque próprio, com entrega em até um dia. Rumores sobre o lançamento da gigante norte-americana já influenciaram os negócios com os papéis de varejistas brasileiros ontem.

Além disso, o Carrefour Brasil informou ontem à noite que as vendas no e-commerce cresceram 110% no quarto trimestre de 2018 em comparação com igual período do ano anterior. O bom resultado, todavia, nao segurou a queda de hoje e a empresa francesa teve baixa de 2,15%. As ações da B2W caíram 1,15%. O papel ON da Magazine Luiza perdeu 2,96%.

Porém...

A Via Varejo, porém, teve elevação de 2,71%, depois de uma alta de mais de 6% ontem. Isso por conta do Itaú BBA manter a recomendação de compra do papel em meio a uma perspectiva de retomada da empresa. Segundo analistas do banco, a empresa traçou um plano de seis iniciativas que terão como foco recuperar a participação de mercado perdida, ou seja, "aumentar as vendas". O Itaú BBA manteve também o preço-alvo da ação em R$ 6,50, o que implica em um potencial de crescimento de 35,4% em relação ao fechamento de ontem (R$ 4,80).

Braskem

As ações PNA da Braskem subiram 3,05% e e foram a maior alta do Ibovespa após a Coluna do Broadcast informar ontem que o ministro da Economia, Paulo Guedes, se reunirá em Davos para destravar a tentativa de unir os negócios das petroquímicas LyondellBasell, da Holanda, e Braskem, do Brasil. De acordo com Glauco Legat, analista-chefe da Necton Investimentos, a informação é positiva porque a venda volta a ganhar os holofotes e que a operação não está esquecida, como os investidores estimavam.

 *Com Estadão Conteúdo

Compartilhe

BRIGA PELO TRONO GRELHADO

Acionistas da Zamp (BKBR3) recusam-se a ceder a coroa do Burger King ao Mubadala; veja quem rejeitou a nova oferta

21 de setembro de 2022 - 8:01

Detentores de 22,5% do capital da Zamp (BKBR3) já rechaçaram a nova investida do Mubadala, fundo soberano dos Emirados Árabes Unidos

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana segue sendo o elefante na sala e Ibovespa cai abaixo dos 110 mil pontos; dólar vai a R$ 5,23

15 de setembro de 2022 - 19:12

O Ibovespa acompanhou o mau humor das bolsas internacionais e segue no aguardo dos próximos passos do Fed

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Cautela prevalece e bolsas internacionais acompanham bateria de dados dos EUA hoje; Ibovespa aguarda prévia do PIB

15 de setembro de 2022 - 7:42

As bolsas no exterior tentam emplacar alta, mas os ganhos são limitados pela cautela internacional

FECHAMENTO DO DIA

Wall Street se recupera, mas Ibovespa cai com varejo fraco; dólar vai a R$ 5,17

14 de setembro de 2022 - 18:34

O Ibovespa não conseguiu acompanhar a recuperação das bolsas americanas. Isso porque dados do varejo e um desempenho negativo do setor de mineração e siderurgia pesaram sobre o índice.

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Depois de dia ‘sangrento’, bolsas internacionais ampliam quedas e NY busca reverter prejuízo; Ibovespa acompanha dados do varejo

14 de setembro de 2022 - 7:44

Os futuros de Nova York são os únicos que tentam emplacar o tom positivo após registrarem quedas de até 5% no pregão de ontem

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana derruba Wall Street e Ibovespa cai mais de 2%; dólar vai a R$ 5,18 com pressão sobre o Fed

13 de setembro de 2022 - 19:01

Com o Nasdaq em queda de 5% e demais índices em Wall Street repercutindo negativamente dados de inflação, o Ibovespa não conseguiu sustentar o apetite por risco

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas internacionais sobem em dia de inflação dos EUA; Ibovespa deve acompanhar cenário internacional e eleições

13 de setembro de 2022 - 7:37

Com o CPI dos EUA como o grande driver do dia, a direção das bolsas após a divulgação dos dados deve se manter até o encerramento do pregão

DANÇA DAS CADEIRAS

CCR (CCRO3) já tem novos conselheiros e Roberto Setubal está entre eles — conheça a nova configuração da empresa

12 de setembro de 2022 - 19:45

Além do novo conselho de administração, a Andrade Gutierrez informou a conclusão da venda da fatia de 14,86% do capital da CCR para a Itaúsa e a Votorantim

FECHAMENTO DO DIA

Expectativa por inflação mais branda nos Estados Unidos leva Ibovespa aos 113.406 pontos; dólar cai a R$ 5,09

12 de setembro de 2022 - 18:04

O Ibovespa acompanhou a tendência internacional, mas depois de sustentar alta de mais de 1% ao longo de toda a sessão, o índice encerrou a sessão em alta

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies