Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-11-12T10:40:11-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Programa Verde Amarelo

Bolsonaro assina medida que reduz custo para contratação de jovens

Programa atenderá jovens entre 18 e 29 anos que ainda não tiveram seu primeiro emprego. Custo da mão de obra cai entre 30% e 34% para as empresas que aderirem

11 de novembro de 2019
18:16 - atualizado às 10:40
Presidente da República, Jair Bolsonaro, fala com a imprensa sobre rompimento de barragem da Vale em Brumadinho
Imagem: Isac Nóbrega/PR/Fotos Públicas

O presidente Jair Bolsonaro assinou diversas medidas para melhorar o ambiente de trabalho no país, mas não discursou em evento no Palácio do Planalto. Foram os secretários do Ministério da Economia que anunciaram brevemente algumas das medidas

O principal deles é chamado "Programa Verde Amarelo” e tem foco na empregabilidade de jovens de 18 a 29 anos que ainda não tiveram seu primeiro emprego. Antes do anúncio oficial também foi considerado incluir trabalhadores acima dos 55 anos. Algo que não se confirmou.

O desenho do programa não é propriamente novo e está apoiado na desoneração da folha de pagamentos. Segundo o governo, o custo da mão de obra cai entre 30% e 34% para as empresas que aderirem. O governo Dilma Rousseff também promoveu uma desoneração da folha, mas foi por setores econômicos, com resultados pouco relevantes sobre o emprego, mas custosos em termos de contas públicas.

Além da desoneração da folha, o recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) cai de 8% para 2% e a multa por demissão sem justa causa poderá ser acertada entre as partes em 20% e não nos 40% habituais. Se optar pela multa menor, de 20%, o empregado recebe parte do FGTS na vigência do contrato.

As empresas poderão ter até 20% do seu quadro de funcionários nessa nova modalidade, que está limitada a contratações com remuneração até 1,5 salário mínimo. O modelo diferenciado só é válido para novas contratações, com prazo de até 24 meses.

Até pouco tempo, a ideia da equipe econômica era lançar uma carteira de trabalho verde e amarela, um regime de trabalho com total desoneração da folha. Mas o plano fez água junto com as discussões sobre um imposto sobre transações financeiras, que bancaria essa desoneração da folha. O termo “nova CPMF” tomou conta do debate e terminou com a queda do secretário da Receita Marcos Cintra.

Projeto piloto

O secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, destacou que esse é um projeto piloto, mas que pretende atender 1,8 milhão de jovens até dezembro de 2022. “Temos de fazer a desoneração da folha, mas não vai ser irresponsável, estamos propondo um piloto com foco muito claro. A faixa de 18 anos a 29 anos tem o dobro do índice de desemprego do restante da população”, disse.

Segundo Marinho, os projetos anteriores não deram certo, pois não havia a contrapartida da geração de empregos, os empresários utilizaram o alívio de caixa para reduzir dívida ou melhorar margens.

O custo da desoneração é de cerca de R$ 10 bilhões ao longo de cinco anos. A contrapartida, estimada em R$ 11 bilhões a R$ 12 bilhões, está na cobrança de alíquota previdenciária no pagamento do seguro-desemprego. O governo cobrará  7,5% sobre o seguro-desemprego, menor alíquota do INSS, mas o período de recebimento do benefício contará para aposentadoria do trabalhador.

Ainda de acordo com Marinho, esse governo tem objeto e um rumo: fazer com que o ambiente de trabalho seja confortável para quem emprega e para quem se emprega.

“Esse governo entende que não há emprego sem empregador”, disse Marinho.

Marinho destacou que as mudanças feitas pelo governo estão sendo inspiradoras, sinal disso é queda do juro real, que “acaba com a especulação no nosso país”.

Marinho também afirmou que as mudanças que estão sendo empreendidas fazem parte de uma agenda de transformação do país. “Deixa de ser uma discussão pequena para a ser uma discussão do Estado, rompendo outra lógica cruel, a concentração de recursos em Brasília”, disse em referência às novas reformas propostas na semana passada.

Qualificação

Também foi assinado um decreto instituindo a Estratégia Nacional de Qualificação para a Produtividade e o Emprego. A ideia é qualificar, com ajuda do setor público e privado, 4,5 milhões de trabalhadores. A meta é que metade dos qualificados ingressem no mercado de trabalho dentro de um período de um ano.

As entidades privadas de qualificação profissional serão pagas por performance, ou seja, só receberão recursos públicos os parceiros privados que comprovarem a empregabilidade dos ex-alunos.

De acordo com o secretário de produtividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, a ideia é garantir o impacto no cidadão desempregado ou aquele que tem seu posto de trabalho ameaçado pelo desenvolvimento da tecnologia. Feito em parceria com o Sebrae e Senai, o programa não tem custo orçamentário.

Costa falou que gastamos R$ 18 bilhões nos últimos anos com programas de qualificação que foram inúteis, sem aumento de produtividade. Assim, foi desenhado um programa que busque a efetiva contratação. “Será o maior sistema de qualificação com voucher do mundo”, disse.

Outras medidas

Dentro do programa de emprego, o governo volta a tratar do trabalho aos fins de semana, e busca regulamentar o pagamento de gorjetas, para que esse valor seja parte de fato da remuneração.

Também é proposto um novo indexador para os débitos trabalhistas. Sai o IPCA-E mais 12% ao ano. A proposta é manter o IPCA-E e juros da caderneta de poupança. Segundo o governo, com Selic de 5% não faz sentido essa taxa de 12%.

Há previsão para uso de fiança garantia ou seguro garantia no lugar dos depósitos recursais trabalhistas. A projeção é que isso libere R$ 65 bilhões.

O governo também busca uma reorganização da fiscalização do trabalho. Entre as medidas está a simplificação de multas, com estabelecimento de 4 níveis: leve, médio, grave e gravíssima, com variações de acordo com o número de empregados e faturamento. Atualmente existem centenas de multas diferentes.

Além disso, em alguns casos a primeira visita do fiscal não gera multa, mas advertência, oferecendo a possibilidade de regularização. Multa só em caso de reincidência.

Outra iniciativa é a reabilitação de trabalhadores afastados por incapacidade e a possibilidade de acordo entre empresas para que uma empresa compense a cota de outra na contratação de pessoas com deficiência (PCDs).

Durante o evento também foi assinado um protocolo de intenções com a Febraban buscando a adoção de medidas que ampliem o microcrédito.

Bolsonaro também assinou uma medida provisória acabando com o seguro obrigatório (DPVAT).

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

em busca de recursos

AES Brasil (AESB3) aprova oferta pública e pode captar até R$ 1,8 bilhão

De acordo com a AES Brasil, o objetivo da oferta é acelerar seu plano de crescimento, com foco na diversificação do portfólio por meio de fontes complementares à hídrica, além de potencializar a criação de valor para os acionistas

o melhor do seu dinheiro

Mercados na semana: mais imposto, indefinição sobre dívidas e desaceleração na China

O Ibovespa acumulou uma perda de 2,5% na semana que termina e o dólar à vista avançou 0,28%, para R$ 5,28.  Foram três os principais fatores que impactaram os mercados: o anúncio de aumento de impostos, a indefinição sobre os precatórios — dívidas do governo com sentença judicial definitiva — e uma possível desaceleração da […]

Podcast Mesa Pra Quatro

De corretor de investimentos a árbitro e comentarista de futebol: conheça a trajetória de Arnaldo Cézar Coelho

O ex-árbitro e ex-comentarista de futebol é o convidado do podcast Mesa Pra Quatro. Ele conta como sua mãe influenciou a investir em imóveis e fala sobre a sua trajetória no mercado financeiro, um lado que poucos conhecem – confira agora

nome limpo na praça

Boa Vista (BOAS3): Itaú BBA inicia cobertura com ‘compra’ e potencial de alta de 27%

Preço-alvo para 2022 foi estabelecido em R$ 15,50, apoiado na tese de crescimento da companhia e do mercado de serviço de informações de crédito

de olho na inovação

Bitcoin é ineficiente como moeda e bom apenas para especulação, diz ‘Papa’ do valuation

Damodaran disse que a importância que tem sido dada ao bitcoin é desproporcional em relação ao seu papel na economia e minimizou a adoção da criptomoeda por El Salvador

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies