Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-08-01T14:20:12-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
vamos falar da indústria nacional?

Produção industrial tem segundo mês negativo seguido

Setor fechou o segundo trimestre com queda de 1%, na comparação com o mesmo período de 2018

1 de agosto de 2019
11:49 - atualizado às 14:20
Indústria
Imagem: Shutterstock

A produção industrial registrou queda de 0,6% em junho - é o segundo mês negativo seguido, segundo dados da Pesquisa Industrial Mensal, divulgada nesta quinta-feira, 1, pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE).

Com esse resultado, a indústria está 17,9% abaixo do recorde alcançado em maio de 2011. No fechamento do segundo trimestre, o setor teve queda de 1%, na comparação com o mesmo trimestre de 2018.

Segundo o instituto, a perda de ritmo do setor no mês reflete a redução da produção em 17 das 26 atividades e em todas as grandes categorias econômicas de bens intermediários, de consumo e de capital.

Na comparação com junho de 2018, a queda da indústria foi mais acentuada, de 5,9%, acumulando -1,6% no primeiro semestre do ano. Além da redução de ritmo, o efeito calendário contribuiu negativamente, já que junho de 2019 teve dois dias úteis a menos que junho do ano passado.

A pesquisa apontou resultados negativos também nos últimos 12 meses, com recuo de 0,8%, mantendo a trajetória descendente iniciada em julho do ano passado.

Produtos alimentícios puxam para baixo

Entre as 17 atividades que puxaram a produção para baixo, na comparação com maio, estão produtos alimentícios (-2,1%), máquinas e equipamentos (-6,5%) e veículos automotores, reboques e carrocerias (-1,7%).

Essas três atividades representam cerca de um terço da produção total e seguiram o comportamento da indústria, com seu segundo mês de queda. “São segmentos importantes que precisam de uma demanda doméstica mais fortalecida e que são diretamente afetados por um mercado de trabalho ainda longe de uma recuperação consistente”, explica o gerente da pesquisa, André Macedo.

Ainda em relação ao mês anterior, houve perdas em todas as grandes categorias econômicas, sendo a mais intensa de 1,2% em bens de consumo semi e não duráveis. As demais taxas negativas foram em bens de consumo duráveis (-0,6%), de capital (-0,4%) e intermediários (-0,3%).

Indústria extrativa e Brumadinho

Entre os nove ramos que ampliaram a produção em junho, destaque para as indústrias extrativas. O setor avançou 1,4% em relação a maio, a segunda taxa positiva consecutiva, interrompendo quatro meses de queda, quando acumulou -25,6%.

Já na comparação com junho de 2018, o setor extrativo caiu 16,3% e exerceu a maior influência negativa, ainda pressionado pelos efeitos do rompimento da barragem de rejeitos em Brumadinho (MG).

“Há um aperto na legislação que faz com que algumas atividades extrativas deixem de funcionar ou operem em ritmo menor. É a atividade com a principal influência negativa na comparação anual, seja frente a junho de 2018, seja no acumulado no ano”, avalia o gerente da pesquisa.

O tal do efeito calendário

Em coletiva de imprensa após o anúncio do levantamento, o gerente da Coordenação de Indústria do IBGE, André Macedo, afirmou que setor industrial mostra menos dinamismo em relação ao ano passado, mas o recuo de 5,9% registrado pela produção em junho foi potencializado pelo "efeito calendário". O mês de junho de 2019 teve dois dias úteis a menos que junho de 2018.

"Isso ajuda no entendimento da magnitude da taxa e no perfil mais disseminado de quedas entre as atividades. Eliminando o efeito calendário, ainda assim teria resultado negativo. Não de 5,9%, mas ainda uma queda importante, de 4,3%. O efeito calendário vai potencializar essa queda", disse Macedo.

Difusão

O índice de difusão, que mostra a proporção de produtos com crescimento na produção, encolheu de 68,1% em maio para 37,8% em junho. "Das seis informações disponíveis em 2019, em quatro meses ficou abaixo de 50%", apontou Macedo.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

RIQUEZA DIGITAL

Dancinha milionária: estrelas do TikTok já ganham mais do que grandes executivos nos Estados Unidos; veja quanto elas faturam

Os milhões de seguidores de alguns tiktokers são irresistíveis para as marcas, que acabam gastando muito dinheiro não só em anúncios como em suas linhas de produtos

DA REALIDADE PARA O NOVO DIGITAL

Walmart no metaverso: gigante do varejo dos EUA vai fabricar e vender no mundo virtual; entenda

Para ter um pé nesse universo, Nike e marcas de vestuário como Urban Outfitters, Ralph Lauren e Abercrombie & Fitch também entram com pedidos de marca registrada

PEGA LADRÃO!

Fechada na economia e aberta ao cibercrime: Coreia do Norte desvia milhões de dólares com ataques a plataformas de criptomoedas em 2021

Norte-coreano Lazarus ganhou notoriedade com invasões cibernéticas à Sony Pictures e à WannaCry. Grupo já foi sancionado pelos Estados Unidos e pela ONU

EFEITOS DO CLIMA

Usiminas (USIM5) retoma gradualmente atividades de mineração afetadas por chuvas em Minas Gerais

Segundo o grupo, os problemas ainda afetam empresas responsáveis pela cadeia de escoamento de minério

Conteúdo Empiricus

Dos R$2 mil aos R$100 mil em 12 meses com esta criptomoeda? Criptoativo criado por sócio de Steve Jobs faz parte do segmento que pode decolar e deixar o Bitcoin no chinelo após evento do dia 24 de janeiro

Ele fundou a Apple junto de Steve Jobs e agora criou uma nova criptomoeda que custa centavos e pertence ao ecossistema que pode saltar 5.000% em 2022 e enriquecer os seus investidores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies