Menu
2019-04-15T13:03:24-03:00
Estadão Conteúdo
seu nome na praça

Inadimplência sobe 0,13% no 1º tri e atinge 62,7 milhões, diz CNDL e SPC

Em março de 2019 em relação ao terceiro mês do ano passado, houve desaceleração na quantidade de consumidores inadimplentes, alta de 2,1%, ante 3,13% anteriormente

15 de abril de 2019
13:03
Cartões de crédito
Cartões de crédito - Imagem: Shutterstock

O nível de inadimplência no País fechou o primeiro trimestre praticamente estável, com alta de 0,13%, de acordo com dados apurados pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) — e antecipados ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Em igual período de 2018, o crescimento fora de 2,38%. Já em março de 2019 em relação ao terceiro mês do ano passado, houve desaceleração na quantidade de consumidores inadimplentes, alta de 2,1%, ante 3,13% anteriormente.

A despeito da quase estabilidade apurada no primeiro trimestre deste ano, o total de consumidores inadimplentes somou 62,7 milhões, o que representa mais de 40% da população adulta. Conforme a instituição, esse montante refere-se a pessoas que enfrentam dificuldades para obter acesso a crédito no mercado, seja por meio de compras a prazo, financiamentos ou empréstimos.

De acordo com o presidente da CNDL, José Cesar da Costa, o ritmo de recuperação da economia, que está aquém do esperado, tem afetado a melhora dos índices de inadimplência. Ele ressalta que a velocidade de recuperação da atividade econômica neste início de ano frustrou as expectativas.

"O desemprego persiste em um nível elevado e o consumo não esboça um crescimento vigoroso", diz em nota.

Apesar da desaceleração da inadimplência neste início de ano, o estoque de pessoas com o CPF restrito ainda é elevado, acrescenta Costa. "O que mais favorecerá um ciclo de queda da inadimplência será uma recuperação mais acentuada do mercado de trabalho e da renda dos trabalhadores", cita.

Faixa etária

O levantamento mostra que a taxa de inadimplência foi maior entre pessoas acima dos 65 anos, ao apresentar alta de 8%, enquanto entre a população jovem de até 24 anos caiu 23%. Na casa dos 30 anos, são quase 18 milhões de inscritos em cadastros de inadimplentes.

Ainda assim, o Brasil encerrou o primeiro trimestre deste ano com aproximadamente 62,7 milhões de pessoas inscritas em cadastros de inadimplentes e que, portanto, enfrentam dificuldades para obter acesso a crédito no mercado, seja por meio de compras a prazo, financiamentos ou empréstimos.

Em março, o volume de dívidas cedeu 1,07%, ante igual mês de 2018, sendo o terceiro recuo consecutivo

Outro número calculado pela CNDL e pelo SPC Brasil é o volume de dívidas que estão no nome de pessoas físicas. Nesse caso, houve uma queda de 1,07% em março deste ano na comparação com o ano passado. Trata-se do terceiro mês seguido em que há um recuo no indicador.

As quedas mais expressivas na quantidade de dívidas foram verificadas no setor de comunicação (-9,56%) - contas de telefone, internet e TV por assinatura - e no de comércio (-5,91%). O número de dívidas bancárias, que levam em conta faturas de cartão de crédito, empréstimos e financiamentos, ficou praticamente estável em março, com ligeira alta de 0,02%. O único segmento que teve elevação no período foi em água e luz (17,20%).

Regiões

O Norte do País registrou população com maior nível de inadimplência, com 47%, o equivalente a 5,74 milhões. Na sequência estão Centro-Oeste (43%) ou 5,07 milhões, Sudeste (40% ou 27,01 milhões), Nordeste (40% ou 16,36 milhões) e Sul. Neste último, o porcentual de inadimplentes foi de 37%, o que representa 8,51 milhões de pessoas com o CPF negativado.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

esquenta dos mercados

Otimismo com vacina e preocupação com situação fiscal se chocam nos mercados

Na agenda, o destaque fica com a divulgação do IPCA-15, prévia da inflação, e dados da arrecadação federal.

AÇÕES NO BOLSO

SulAmérica vai distribuir ações a acionistas após aumentar capital social

Acionistas terão direito a 18,8 novas ações ordinárias e preferenciais para cada lote de 1 mil papéis de cada tipo

follow on

Ânima fará oferta restrita de ações que pode chegar a R$ 1,1 bilhão

Recursos levantados serão destinados a financiar parte da aquisição dos ativos do grupo americano de educação Laureate no Brasil

NÚMEROS DA PANDEMIA

Covid-19: Brasil tem 6 milhões de casos e quase 170 mil mortes

Nas últimas 24 horas foram registrados 302 óbitos e 16.207 novos diagnósticos positivos da doença

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Onde investir se a Bolsa americana estiver cara? Os grandes investidores globais já apontam para um novo caminho…

Existe um horizonte relativamente estável em que poderá haver continuidade dessa alta, mas para onde irão os recursos em um segundo momento?

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies