Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-08-05T14:36:11-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Tá faltando grana

Endividamento de lares paulistanos cresce mais de 4 pontos porcentuais em julho

Estudo da FecomercioSP mostra que a alta foi maior entre os que ganham menos de dez salários mínimos, que representam 59,6% dos endividados

5 de agosto de 2019
14:36
Dívida
Homem endividado - Imagem: Shutterstock

A proporção de lares paulistanos endividados aumentou 4,5 pontos porcentuais em julho de 2019, em comparação com o mesmo mês do ano anterior. No total, 2,2 milhões de famílias permanecem com algum tipo de dívida, o que significa que houve aumento de 190 mil famílias no período de um ano. A inadimplência, por sua vez, aumentou 0,7 ponto porcentual no comparativo mensal e 0,6 no comparativo anual, significando que 792,6 mil paulistanos estão com contas em atraso.

A alta foi maior entre os que ganham menos de dez salários mínimos, que representam 59,6% dos endividados e 26,3% dos inadimplentes, de acordo com a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

O cartão de crédito mantém o posto de principal tipo de dívida das famílias desde o início da série histórica, em 2010. Em julho, 71,2% das famílias que ganham menos de dez salários mínimos e estão endividadas tinham esse tipo de débito. Na sequência, vem os carnês, ocupando 15,8%, e o financiamento de carros, com 12,5%.

Na segmentação por renda, as famílias com rendimentos abaixo de dez salários mínimos impulsionaram o endividamento, indo para 59,6% em julho, ante os 58,8% de junho, maior patamar desde dezembro de 2017 (59,9%).

As contas em atraso também aumentaram - de 24,9% para 26,3% em julho, a maior da série histórica. Já entre o grupo que ganha mais de dez salários mínimos, o endividamento registrou queda, ao passar de 46,8% em junho para 44,3% em julho. O porcentual de inadimplência também foi reduzido, de 6,3% para 5,9% nesse mesmo período.

De acordo com a FecomercioSP, a alta do endividamento dos que ganham menos de dez salários mínimos fica como alerta para os pequenos e médios empresários repensarem a precificação, ainda que seja preciso diminuir a margem de lucro.

Outras opções seriam oferecer marcas mais acessíveis; criar cartões de fidelidade, com descontos progressivos conforme a frequência; e facilitar a forma de pagamento, aumentando o número de prestações para que o valor mensal seja menor.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

do campo para a bolsa

AgroGalaxy (AGXY3) estreia em queda de 24%, após precificar ações no piso em IPO

Empresa de agronegócio já havia reduzido substancialmente o tamanho da oferta; analistas apontam risco de a companhia ser espremida por fornecedores

Temores atrapalham recuperação

Setor da construção é como uma Ferrari com freio de mão puxado, diz presidente da CBIC

Segundo a Câmara Brasileira da Indústria da Construção, o recorde de alta nos custos de materiais é um dos principais problemas no setor

VIAGEM AO ESPAÇO

Jeff Bezos foi ao espaço e você pode ganhar dinheiro com isso; descubra como

O Bilionário e fundador da Amazon fez um passeio de 10 minutos no espaço e isso pode te render dinheiro

Mudanças nas operações

China ordena a empresas de tecnologia que corrijam práticas anticompetitivas

O movimento faz parte de uma campanha regulatória de Pequim para reformar a forma como as maiores empresas de tecnologia operam

Dinheiro pra lá

Nubank lança serviço de transferências internacionais em parceria com a Remessa Online

Em geral, a remessa de dinheiro pelos bancos tradicionais costuma ser cara com taxa de transferência, Imposto sobre Operação Financeira (IOF) etc

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies