Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-04T14:00:24-03:00
Estadão Conteúdo
Investidores eufóricos

Bolsa tem a primeira quinzena mais otimista desde o primeiro mandato de Lula

Diante da escalada recente do Ibovespa, muitos investidores questionam se ainda há espaço para surfar nessa onda

21 de janeiro de 2019
15:13 - atualizado às 14:00
Bolsa de valores de São Paulo
Eleições no Congresso e impasse comercial entre China e Estados Unidos podem afetar o ritmo do mercado - Imagem: Shutterstock

A posse de Jair Bolsonaro (PSL) como presidente da República foi capaz de garantir alta de 7,49% na Bolsa ainda na primeira quinzena de 2019 - mais do que rendeu o CDI (taxa que anda de mãos dadas com a Selic) durante todo o ano de 2018. Trata-se do início de governo mais otimista desde o primeiro mandato do ex-presidente Lula (PT), em 2003. Diante da escalada, muitos investidores questionam se ainda há espaço para surfar nessa onda.

Especialistas, porém, indicam que esta é a hora de observar movimentos, pois a lua de mel pode ser mais curta que o esperado.

Nos primeiros 15 dias de 2003, quando assumiu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), posteriormente condenado e preso na Operação Lava Jato, o Ibovespa avançou 8,04%. Em seu segundo mandato, Lula viu o índice recuar 3,49% no período, reflexo de dúvidas do mercado de que ele seria capaz de manter a economia nos trilhos.

Já em 2011, a ex-presidente cassada Dilma Rousseff (PT) era vista como herdeira de um trabalho positivo feito por seu antecessor, recebendo o que o analista Pedro Guilherme Lima, da Ativa Investimentos, chama de "voto de confiança".

O resultado foi uma Bolsa com alta de 2,36% nos primeiros 15 dias de governo. Já no início de 2015, o mercado sinalizava a pior crise econômica dos últimos tempos com o segundo mandato de Dilma e recuava 5,07% - movimento também visto quando seu sucessor assumiu o Palácio do Planalto em maio de 2016: com a entrada de Michel Temer (MDB), o índice caiu 7,87% em uma quinzena.

"Após um longo período de pessimismo econômico, agora em 2019 vemos medidas mais positivas em busca de equilíbrio e melhora da economia - e isso reflete nos números", diz Lima.

Para ele, o quadro atual era esperado e fruto de uma equipe econômica que agradou o mercado, liderada por Paulo Guedes, ministro da Economia. "Temos indicações de que serão tomadas atitudes pró-mercado, com postura mais liberalista e reformista. Assim, o mercado reage positivamente."

"Agora temos um cenário completamente diferente, com o mercado dando um grande voto de confiança à nova equipe, o que é bom. Isso explica os números, mas o limite desta lua de mel é curto e depende da reforma da Previdência", diz Jefferson Laatus, operador do mercado e sócio do Grupo Laatus.

Segundo ele, definições como as presidências da Câmara e do Senado no próximo mês e do impasse comercial entre China e Estados Unidos também podem afetar o ritmo do mercado. "Não dá para achar que a Bolsa vai bater um recorde atrás do outro. A popularidade de um governo dura, em média, 100 dias. Por isso, é momento de esperar para investir para, quem sabe, obter mais direcionamento."

Reforma

Nesse aspecto, há cautela com a falta de novidades sobre a reforma da Previdência. "Nunca tivemos um mercado tão esperançoso com um presidente por quase uma década, mas isso não é garantia. O investidor estrangeiro comporta-se de maneira diferente e quer horizonte, por isso mesmo está aguardando para ver o que acontece", afirma o especialista Jefferson Laatus.

Com a abertura do Fórum Econômico de Davos amanhã, na Suíça, há a expectativa de que Paulo Guedes dê mais detalhes sobre a mudança nas regras de aposentadoria. A notícia foi bem recebida pelo mercado.

Enquanto os anúncios não acontecem, a cautela ainda é o melhor caminho, avalia Laatus, sobretudo para quem ainda está engatinhando no mercado acionário. "Para quem já investe na Bolsa, vale a pena acompanhar esse processo para tomar decisões. Para quem ainda não faz isso, o custo pode ser muito caro, com risco de perder dinheiro", diz. "Pode parecer contraditório, mas o momento de entrar na renda variável não é quando está tudo lá em cima e ainda cercado de incertezas", afirma.

*Com o jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

XP anuncia investimento na edtech Resilia

A Resilia é uma edtech que combina tecnologias que potencializam o aprendizado individualizado e em comunidade com um método de ensino que capacita potenciais talentos de uma forma mais rápida para o mercado digital

Análise

Investir em ações de banco ainda é uma boa? Veja 3 motivos que deixam a XP Investimentos cautelosa

Se no ano passado a postura era otimista, agora os analistas do setor financeiro da XP estão mais cautelosos, já que o cenário é de preços elevados dos ativos e uma concorrência e intervenções regulatórias preocupantes.

REFORMA TRIBUTÁRIA

PIB pode crescer 1,6% com redução de IR para empresas, indica estudo

O cálculo de 20% teve como base comportamento das empresas depois de um dos maiores aumentos na alíquota do imposto sobre dividendos no mundo – na França, em 2013, de 15,5% para 46%

ESG

‘Equidade racial se tornou prioridade dentro da Vivo’, diz presidente

Dentro da extensa agenda ESG, que concentra ações ambientais, sociais e de governança, a Vivo aposta na equidade racial

Clube do livro

Das tulipas ao bitcoin: conheça a história das crises financeiras de uma forma irreverente

O maior trunfo de “Crash”, de Alexandre Versignassi, é nos guiar pela história da economia mundial e brasileira traçando paralelos entre o passado e o presente

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies