2019-06-07T17:13:00-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Complicou de vez!

Lista negra: nada de Facebook, Whatsapp e Instagram nos celulares da Huawei

Com isso, os novos celulares da companhia não virão mais com tais aplicativos pré-instalados. A medida só não irá afetar quem já possui celulares da marca

7 de junho de 2019
17:13
Loja da Huawei
Imagem: Shutterstock

E não são só as sanções que Trump de aumento da tarifação sobre produtos da China que vêm tirando o sono dos chineses. O Facebook (FS) anunciou hoje (7) que suspendeu a disponibilização do software da companhia para a gigante Huawei. As informações são da CNN.

Com isso, os novos celulares da companhia não virão mais com aplicativos, como Facebook, Whatsapp e Instagram pré-instalados.

A medida não valerá apenas para quem já possui os celulares da companhia. Esses, por sua vez, poderão usar normalmente redes sociais como Facebook, Instagram e Whatsapp.

Apesar de a bolsa chinesa estar fechada por conta de um feriado local, as ações da companhia terminaram o pregão da última quinta-feira em queda de 3,23%, cotadas em ¥ 3,30 iuanes.

EUA X China

A proibição ocorre em resposta à decisão tomada pelo presidente norte-americano, Donald Trump, de incluir a Huawei em uma lista negra de empresas em maio passado. Na ocasião, Trump acusou a empresa de ajudar Pequim em práticas de espionagem e baniu o grupo chinês de importar programas e componentes americanos necessários para a fabricação de seus produtos.

A medida é bastante negativa para a companhia chinesa e pode atrapalhar e muito a expansão da segunda maior fabricante de smartphones e postegar o lançamento de novidades, como o equipamento com tecnologia 5G da companhia.

Até a Google entrou na jogada

Além do Facebook, no mês passado, outra gigante do Vale do Silício anunciou medida parecida. A Google foi forçada a não fornecer mais seus softwares ou serviços para a companhia.

Por conta disso, é provável que os chineses não tenham mais acesso a versão pública do sistema operacional do Android. Com isso, eles correm o risco de não conseguir mais usar aplicativos como o Gmail e o Google Mapas.

Como resposta, a Huawei disse que estava montando um sistema operacional próprio como backup para evitar que o problema tivesse consequências drásticas e que "gostaria de continuar operando com os sistemas da Microsoft e da Google, se possível".

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

NÃO MEXE NO MEU QUEIJO

Membros do mercado financeiro defendem Lei das Estatais em documento enviado ao ao Congresso; revogação seria ‘retrocesso’

O texto também cita o relatório de 2020 em que a OCDE afirma que a Lei das Estatais deixou os conselhos de empresas públicas mais independentes de interferências

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Governador de São Paulo fará coletiva nesta segunda-feira após Bolsonaro aprovar isenção do ICMS sem garantia de compensação aos estados

O presidente da República vetou o fundo de ajuda aos estados após sancionar o teto do imposto estadual

SEU DOMINGO EM CRIPTO

‘Compre na baixa’ anima e bitcoin (BTC) busca os US$ 22 mil; criptomoedas aguardam semana de olho no Fed

Entre os destaques da próxima semana estão o avanço dos juros nos Estados Unidos e um possível default da Rússia

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies