Menu
2019-11-04T06:44:09-03:00
Estadão Conteúdo
lá fora

Under Armour é alvo de investigação contábil

Caso examina se a fabricante de roupas esportivas modificou as vendas de um trimestre para outro para parecer mais saudável

4 de novembro de 2019
6:44
Under Armour
Imagem: Shutterstock

As autoridades federais dos EUA estão investigando as práticas contábeis da Under Armour Inc. em um caso que examina se a fabricante de roupas esportivas modificou as vendas de um trimestre para outro para parecer mais saudável, segundo pessoas familiarizadas com o assunto.

Como parte da investigação, que ainda não se tornou pública, os investigadores interrogaram na semana passada pessoas em Baltimore, onde a empresa está sediada, disse uma das pessoas.

Os promotores do Departamento de Justiça estão conduzindo uma investigação criminal sobre o assunto e coordenando com investigadores civis na Securities and Exchange Commission (SEC, a comissão de valores mobiliários dos EUA), disse outra pessoa.

A Under Armour informou que está cooperando com o Departamento de Justiça e as investigações da SEC. "A empresa começou a responder a solicitações de documentos e informações relacionadas principalmente a suas práticas contábeis e divulgações relacionadas em julho de 2017", afirmou. "A empresa acredita firmemente que suas práticas e divulgações contábeis eram apropriadas".

Porta-vozes do Departamento de Justiça e da SEC se recusaram a comentar. A empresa divulgará os resultados do terceiro trimestre nesta segunda-feira,

Ao examinar o que é conhecido como práticas de reconhecimento de receita, as autoridades geralmente se concentram em saber se as empresas registram receita antes de serem efetivamente auferidas ou se adiam a data das despesas para fazer com que os ganhos pareçam mais fortes, entre outras possíveis infrações.

A Under Armour vem reestruturando suas operações e lutando contra as vendas fracas nos últimos dois anos. Até então, estava entre os fabricantes de vestuário que mais cresceram, acumulando 26 trimestres seguidos de pelo menos 20% de crescimento de receita, na comparação anual.

Essa sequência terminou abruptamente quando a Under Armour não cumpriu suas metas de vendas no último trimestre de 2016. Em 31 de janeiro de 2017, as ações da empresa caíram depois que a empresa anunciou um crescimento de apenas 12% no trimestre nas vendas e cortou suas previsões de crescimento para o ano seguinte. Naquele dia, a Under Armour também disse que seu então diretor financeiro estava saindo depois de um ano no cargo.

Naquela época, o fundador, presidente e principal executivo da empresa, Kevin Plank, atribuiu a desaceleração ao menor número de visitas às lojas por consumidores, à variedade de produtos e às mudanças no setor de roupas esportivas, incluindo a falência de varejistas como a Sports Authority Inc. Plank iniciou uma reestruturação, cortando empregos e contratando Patrik Frisk como presidente.

A Under Armour teve três diretores financeiros de 2016 a 2017. Brad Dickerson, que atuou como na posição desde 2008 e deixou a empresa em fevereiro de 2016. Então assumiu o cargo Chip Molloy, que permaneceu apenas um ano, deixando a empresa por motivos pessoais, segundo a companhia. David Bergman foi nomeado chefe interino de finanças em fevereiro de 2017, depois que a empresa relatou sua perda trimestral de vendas e a saída de Molloy. Bergman, que trabalha na Under Armour desde 2004 em várias funções financeiras, foi nomeado diretor financeiro permanente em dezembro de 2017. Dickerson, Molloy e Bergman não responderam imediatamente aos pedidos de comentário neste domingo.

A desaceleração do crescimento, juntamente com algumas quedas inesperadas no lucro trimestral, alimentou preocupações sobre a capacidade da Under Armour de continuar a conquistar participação de mercado frente a Nike e a Adidas. As ações da empresa, que antes eram negociadas acima de US$ 40, fecharam a US$ 18,91 na sexta-feira.

No mês passado, a empresa informou que Plank estava deixando o cargo de CEO em 1º de janeiro, depois de mais de 20 anos no cargo. Plank permanecerá na empresa como presidente do conselho de administração e chefe de marca, e Frisk assumirá o cargo de CEO e continuará se reportando a Plank.

Fonte: Dow Jones Newswires

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Proventos

Banco do Brasil anuncia pagamento de R$ 416 milhões em Juros sobre Capital Próprio (JCP)

Terão direito ao provento os investidores com posição acionária na empresa no dia 11 de março

o melhor do seu dinheiro

Brandão balança mais não cai?

Chegamos ao fim de mais uma semana tensa nos mercados, que começou com a derrocada das ações da Petrobras, em razão da interferência do governo na presidência da estatal, e termina com pressões na bolsa e no dólar motivadas pelas preocupações dos investidores com a inflação nos Estados Unidos e alta nas taxas dos títulos […]

URGENTE

Hapvida e NotreDame chegam a um acordo sobre fusão, afirma site

A maior combinação entre duas empresas brasileiras criará uma gigante do setor de saúde, com um valor de R$ 110 bilhões.

fechamento da semana

Tensão em Brasília leva Ibovespa de volta aos 110 mil pontos e afunda estatais; dólar vai a R$ 5,60

Em semana marcada pela tensão entre governo e mercado, o Ibovespa recuou 7,09%, de volta aos 110 mil pontos. O dólar disparou acima dos R$ 5,60

Abandonando o barco?

Ações do Banco do Brasil recuam quase 5% com possibilidade de saída de André Brandão

Brandão tem mostrado insatisfação com o cargo e quer deixar o comando da estatal, segundo jornal; BB nega que presidente tenha renunciado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies