Menu
2019-11-28T08:15:47-03:00
Estadão Conteúdo
disputa de gigantes

Sócios fazem depósito de garantias por Eldorado

Paper Excellence depositou o valor de R$ 11,2 bilhões referente à compra dos 50,59% que hoje estão nas mãos da família Batista; J&F também fez a transferência

28 de novembro de 2019
8:15
Joesley Batista
Dois acionistas da Eldorado estão em pé de guerra desde setembro de 2017, quando a Eldorado Brasil foi colocada à venda pelos irmãos Batista. - Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Em um novo passo na disputa judicial que envolve a compra de controle da Eldorado Brasil, os dois acionistas da gigante de celulose - a J&F, holding dos irmãos Batista, e a Paper Excellence, que pertence à família indonésia Widjaya, fizeram nesta quarta-feira, 27, depósitos de garantia em dinheiro e ações pelo negócio.

A Paper Excellence depositou na quarta-feira no Itaú Unibanco o valor de R$ 11,2 bilhões referente à compra dos 50,59% que hoje estão nas mãos da família Batista, que também é dona da gigante JBS. A J&F, por sua vez, também fez a transferência, no mesmo banco, das ações que correspondem ao capital detido pela companhia na empresa de celulose.

Os dois acionistas da Eldorado estão em pé de guerra desde setembro de 2017, quando a Eldorado Brasil foi colocada à venda pelos irmãos Batista, também donos da gigante de carnes JBS. Desentendimentos entre comprador e vendedor levaram a negociação para arbitragem - o caso está sob sigilo e só deve ter um desfecho em setembro do próximo ano.


Hoje, os Batistas têm 50,6% e, os Widjaya, os 49,4% restantes da Eldorado Celulose. Quando fechou o negócio, a Paper Excellence desembolsou R$ 3,8 bilhões por 49,4% das ações, mas o negócio não foi concluído porque os Batistas alegaram que os asiáticos não liberaram as garantias que tinham sido comprometidas para a holding pagar os credores da Eldorado.

Já a Paper Excellence acusou a J&F de ter dificultado a liberação dessas garantias por causa da recuperação dos preços da celulose após o negócio ter sido fechado.

Desde então, os acionistas da empresa só se comunicam por meio de seus advogados. Em junho passado, o tribunal arbitral determinou que o valor das ações da empresa teria de ser depositado na Justiça. Caso o tribunal decida que o controle vá para o grupo de Widaya, o dinheiro já estará separado e será repassado aos Batistas.

Ontem, em uma página criada pela CA Investments, veículo de investimento que representa a Paper Excellence, a companhia informou que, dos R$ 11,2 bilhões depositados ontem, R$ 10,2 bilhões têm origem em recursos próprios da empresa. O R$ 1 bilhão restante foi levantado por meio de emisssão de debêntures (títulos da dívida).

Procurada, a J&F não comenta o assunto.

Panorama

Com capacidade para produzir 1,7 milhão de toneladas por ano, a Eldorado tornou-se uma das maiores empresas de celulose do Brasil, chegando a incomodar as gigantes do setor, Fibria e Suzano, que se fundiram no ano passado. A Paper chegou a fazer uma proposta para comprar a Fibria, mas a família Feffer (dona da Suzano) acabou levando o negócio. O setor, desde então, tem passado por um amplo processo de consolidação. A Lwarcel, por exemplo, foi comprada pela gigante asiática RGE. A Jari Celulose foi colocada à venda, mas problemas envolvendo seus acionistas afugentaram os investidores interessados no negócio.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

O tempo fechou

Crise hídrica piora clima da votação sobre privatização da Eletrobras

Na semana passada, líderes do Senado aumentaram a reação à MP e ameaçaram derrubar a proposta, pedindo até que o texto não fosse pautado

Esquenta dos Mercados

Indicadores econômicos dos EUA devem movimentar o dia, com aumento da cautela antes da ‘Super Quarta’

Depois de um pregão ignorando a Super Quarta, Ibovespa deve sentir o peso da cautela antes da decisão de política monetária no Brasil e nos EUA

E a fila aumenta

BR Partners faz registro de IPO que pode movimentar até R$ 620 milhões

Banco de investimentos fundado por Ricardo Lacerda pretende fazer uma oferta pública de Units, com faixa de preço entre R$ 16 e R$ 19

Pedido ao presidente

Instituto Aço Brasil pede a Bolsonaro para não reduzir tarifa de importação

Na visão do presidente executivo da entidade, Marco Polo de Mello Lopes, não há cenário de excepcionalidade que justifique tal medida

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies