Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-10-15T14:48:24-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
vamos fala das teles

Na esteira de notícias sobre possível venda da Oi, presidente da dona da Vivo diz que ficarão no Brasil as teles capazes de investir

Christian Gebara reiterou o plano trienal de investimentos da Telefônica, que prevê chegar a aportes de R$ 9 bilhões em 2019

15 de outubro de 2019
14:43 - atualizado às 14:48
Logo da empresa de telefonia Vivo.
Vivo - Imagem: Shutterstock

Na esteira de notícias de bastidores sobre uma possível venda da Oi, o presidente da Telefônica Brasil (dona da Vivo), Christian Gebara, avaliou que apenas as operadoras com fôlego para realizar investimentos na expansão das redes de fibra ótica, 4G e 5G vão permanecer no mercado brasileiro.

Ele disse o País requer um grande investimento tanto em cobertura fixa quanto móvel.  "O mercado requer mais racionalidade, onde grandes grupos investem muito", falou, em entrevista ao Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) durante o evento Empresas Mais.

O presidente do grupo reiterou o plano trienal de investimentos, que prevê chegar a aportes de R$ 9 bilhões em 2019 e outros R$ 9 bilhões em 2020, além dos R$ 8,2 bilhões já executados em 2018.

O valor dos aportes ainda não inclui os investimentos necessários para a companhia migrar do regime de concessão de telefonia fixa para autorização, conforme previsto pelo novo marco legal de telecomunicações aprovado recentemente pelo Congresso e sancionado pela presidência da República.

A nova legislação prevê, entretanto, que as empresas terão que investir em banda larga como contrapartida pelo corte custos de obrigações regulatórias e aval para venda de bens reversíveis.

Gebara disse que não tem uma estimativa do valor de investimentos necessário para transição, o que será regulamentado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e validado pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

"Não fizemos esse cálculo ainda. Está muito no início ainda. Nós temos muito interesse em trabalhar bem próximos da Anatel para fazer essa transição o quanto antes", disse. "Acreditamos que devemos mesmo investir cada vez mais em banda larga e menos em serviços herdados."

Em relação ao cenário macroeconômico, Gebara disse que tem sentido alguns sinais de melhora tanto nos segmentos de telefonia móvel pré-paga quanto na prestação de serviços para empresas (B2B).

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Oportunidades

Ditadura, crise de 2008 e tragédia do governo Dilma: nada venceu a Bolsa no longo prazo; conheça 7 ações promissoras diante da queda do Ibovespa

É tolice cair no desespero de vender ações na baixa do Ibov, afinal, histórico da Bolsa mostra que nenhuma crise venceu a bolsa no longo prazo; dito isso, o Seu Dinheiro apresenta para você oportunidades que você deve ficar de olho

Estável, mas...

O que mexe com o preço do bitcoin (BTC) hoje: criptomoedas sentem cautela, mas China pode ajudar mercado após caso Evergrande; entenda

A decisão sobre retirada de estímulos da economia pode afetar as criptomoedas, mas o dinheiro pode vir da China, com o caso Evergrande

Destaques da bolsa

Siderúrgicas e mineradoras puxam alta da bolsa e sobem forte após disparada de 16% no minério de ferro; confira

Depois de cair 8% no início da semana, o minério de ferro disparou no porto de Qingdao, na China e mexeu com as ações do setor na bolsa

Economia chinesa

Em meio a alta nos preços de commodities e a disseminação do coronavírus, Conselho de Estado da China diz que vai garantir estabilidade da economia

Gabinete do governo chinês também prometeu fortalecer a coordenação entre as políticas fiscal, financeira e de emprego

A RECOMENDAÇÃO AGORA É NEUTRA

Não é duplo, mas é dose: Depois do UBS, agora é a vez do BofA rebaixar a recomendação para a Vale (VALE3)

Reavaliação do BofA leva em consideração a desaceleração econômica na China e a queda na cotação do minério de ferro nos mercados internacionais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies