Menu
2019-08-30T10:50:49-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
promessa da montadora

Novo carro brasileiro da Volkswagen deve exigir modernização de fábrica

New Urban Coupé, como vem sendo chamado, deve ser um CUV (intermediário entre sedã e utilitário esportivo, o SUV), segundo fontes de mercado

30 de agosto de 2019
10:35 - atualizado às 10:50
fabrica-volkswagen
Volkswagen - Imagem: Volkswagen/Divulgação

O novo carro brasileiro da Volkswagen começa a ganhar forma - e boa parte dos investimentos da montadora alemã destinados ao País nos próximos anos.

A empresa mostrou nesta quinta-feira, 29, a silhueta do modelo que foi totalmente desenvolvido no Brasil e, pela primeira vez, será produzido em outros países. Depois do Brasil, a fábrica de Pamplona, na Espanha, produzirá e exportará o modelo para a Europa.

Ontem, os jornalistas puderam ver o protótipo na sede da empresa, mas não fotografá-lo.

O New Urban Coupé, como vem sendo chamado, deve ser um CUV (intermediário entre sedã e utilitário esportivo, o SUV), segundo fontes de mercado. O modelo usará a mesma plataforma (base) do T-Cross, lançado este ano.

A Volkswagen também confirmou o investimento de R$ 7 bilhões para o Brasil até 2020. Do total, R$ 5 bilhões vão para as fábricas paulistas - São Bernardo e São Carlos receberão R$ 2,4 bilhões em 2019 e 2020. A de São José dos Pinhais (PR), na qual é feito o T-Cross, já consumiu R$ 2 bilhões.

Boa parte da diferença nos investimentos projetados para o próximo biênio - ou R$ 2,6 bilhões - vão para a produção do carro nacional e global. O modelo Fox também foi desenvolvido no Brasil, mas apenas exportado. Agora, há previsão de produção em outros países.

New Urban Coupé

O New Urban Coupé - cujo nome oficial não foi definido e que deve ser lançado a partir de março - exigirá modernização da fábrica Anchieta da montadora em São Bernardo do Campo. Segundo a companhia, a unidade receberá novo conjunto de prensas para ampliar a produtividade.

A previsão é a de que o equipamento consiga produzir quatro vezes mais peças por minuto em comparação com a linha anterior. Além da produção do novo carro, cujos detalhes estão sendo guardados a sete chaves pela empresa, Novo Polo, Virtus, Saveiro e Saveiro Cross são fabricados nessa unidade.

Já na fábrica de São Carlos haverá a duplicação da linha de montagem de virabrequins, componente do motor, para 2 mil unidades. A Volkswagen importava o item e hoje, além de produzi-lo para o mercado doméstico, passou a exportar o produto para outras unidades.

A estratégia da companhia, divulgada anteriormente, era lançar 20 novos modelos até 2020. Desse total, 13 já chegaram ao mercado brasileiro. Julho foi o segundo melhor mês em vendas para a companhia em território nacional (maio segue na liderança e dados de agosto indicam, conforme apurou o Estadão/Broadcast, que possa ocupar a primeira colocação).

Segundo a companhia, há 50 engenheiros no projeto. O novo modelo congrega sistemas de áudio, conectividade, multimídia.

A América do Sul é o mercado da Volkswagen que mais cresce para a marca no mundo e responde atualmente por 8% das vendas globais do grupo. O setor automotivo, incluindo autopeças, representa 4% do Produto Interno Bruto (PIB) e 20% do PIB industrial do Brasil.

Com informações do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

em busca de energia limpa

Criptomoedas: Elon Musk diz que Tesla vendeu 10% do que detinha em bitcoin

Segundo executivo, operação prova que a criptomoeda poder ser liquidada facilmente “sem mover o mercado”

imunização

Governo de São Paulo adianta em 30 dias vacinação contra a covid-19; veja novas datas

Plano é vacinar toda a população adulta do estado, ao menos com a primeira dose, até o dia 15 de setembro

luto

Ex-presidente do BC Carlos Langoni morre de covid-19 no Rio

Carlos Langoni trabalhou no governo na virada das décadas de 1970 e 1980, quando foi presidente do BC; ele colaborou com a equipe econômica do ministro Paulo Guedes, quase 40 anos depois

nos eua

Nova ‘ação meme’? Orphazyme dispara quase 1400% em um dia e mercado não sabe por quê

Investidores da empresa aguardam uma importante atualização sobre um tratamento experimental para a doença de Niemann-Pick; sem novidades, mercado não sabe a razão da alta

entrevista

Superávit primário pode voltar em 2024, diz secretário do Tesouro

Jeferson Bittencourt diz que a melhora no quadro fiscal do País não é “sorte”; confira a entrevista

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies