Menu
2019-10-14T14:23:01-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
reversão?

Após três quedas seguidas, confiança da indústria avança em agosto

ICI, da FGV, subiu 0,8 ponto no mês, para 95,6 pontos; ainda assim, especialista diz que é insuficiente para mudar tendência de baixa

26 de agosto de 2019
11:17 - atualizado às 14:23
Fábrica em Mogi das Cruzes, São Paulo.
Imagem: Shutterstock

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) da Fundação Getulio Vargas (FGV) avançou 0,8 ponto em agosto, para 95,6 pontos, após três quedas consecutivas, mas ainda se manteve aquém dos 100 pontos. Além disso, em médias móveis trimestrais o índice ainda recuou, pelo quinto mês consecutivo, desta vez em 0,5 ponto.

Apesar do resultado positivo em agosto, a economista da FGV Renata Mello Franco avalia que é insuficiente para mudar a tendência de queda. Ela lembra que enquanto os indicadores para os próximos três meses avançaram, o sentimento em relação à evolução dos negócios nos seis meses seguintes piorou.

Por segmentos, a melhora da confiança foi observada em 12 dos 19 avaliados. O Índice de Situação Atual (ISA) cresceu 1,2 ponto, para 95,6 pontos, enquanto o Índice de Expectativas (IE) subiu 0,4 ponto, atingindo 95,7 pontos.

Condutor

Em agosto, todos os componentes do ISA apresentaram comportamento favorável, mas a melhora na percepção sobre os estoques foi o principal condutor da evolução do indicador no mês.

A parcela de empresas que avaliam o nível de estoques como insuficiente aumentou de 5,2% para 5,4% do total, enquanto a parcela das que consideram excessivo caiu de 11,8% para 10,8% do total, levando a uma alta de 2,4 pontos do indicador, para 96,5 pontos.

Já a produção aumentou 0,8 ponto e a situação atual dos negócios teve variação positiva de 0,1 ponto.

No IE, houve melhora das expectativas para os próximos três meses. Os indicadores de produção prevista e evolução pessoal ocupado aumentaram em 2,0 e 2,2 pontos, respectivamente. Em compensação, o indicador que mede o otimismo dos empresários com a evolução do ambiente de negócios nos seis meses seguintes caiu 3,1 pontos.

Quanto ao Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI), houve alta de 0,3 ponto porcentual entre julho e agosto, alcançando 75,8% e acumulando 1 ponto de crescimento no ano. Em médias móveis trimestrais, o NUCI avançou pela quinta vez seguida, em 0,1 ponto, para 75,4%.

A edição da confiança da indústria de agosto coletou informações de 1.138 empresas entre os dias 1º e 22 deste mês. A próxima divulgação ocorrerá em 26 de setembro, com a prévia saindo dia 20 de setembro.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

LIÇÕES DO PAI RICO, PAI POBRE

Você está cometendo esses erros nos seus investimentos?

Milhões de pessoas perderam trilhões de dólares porque violaram as leis da natureza. Uma das principais leis ou princípios que elas violaram é a Lei de Newton: para cada ação, há uma reação igual em direção oposta

Alguém anotou a placa?

Coronavírus derrubou quase tudo em fevereiro; só o dólar e uma parte da renda fixa se salvaram

Entre mortos e feridos, salvaram-se poucos; dólar disparou, bolsa desabou, e até alguns títulos de renda fixa tiveram desempenho negativo no mês.

Dinheiro no bolso

Banco do Brasil aprova pagamento de R$ 517,4 milhões em juros sobre capital próprio

Total a ser pago, relativo ao primeiro trimestre de 2020, equivale a R$ 0,1814 por ação

Seu Dinheiro na sua noite

O que nós fizemos depois da queda da bolsa

Eu sei que assistir de braços cruzados à forte queda das ações em meio à completa falta de clareza sobre os impactos do coronavírus nos investimentos é difícil. Mas foi exatamente o que nós aqui do Seu Dinheiro fizemos. Bem, não ficamos exatamente de braços cruzados. Acompanhamos de perto todos os desdobramentos deste momento delicado […]

Perdas generalizadas

Coronavírus derruba o mercado e faz o Ibovespa cair 8,43% em fevereiro, o pior mês desde maio de 2018

O coronavírus se espalhou pelo mundo e trouxe uma enorme onda de aversão ao risco às bolsas. Como resultado, o Ibovespa desabou em fevereiro e o dólar à vista renovou as máximas, flertando com o nível de R$ 4,50

Pensando nas taxas

Goldman Sachs prevê 3 cortes de juros pelo Fed até junho com coronavírus

Primeira redução seria de 0,25 ponto já na reunião do próximo do comitê, marcada para os dias 17 e 18 de março

Polêmica em Brasília

Presidente do Senado convoca sessão para votar vetos do Orçamento impositivo

Projeto obriga o governo a pagar todas as emendas parlamentares neste ano

BC dos EUA

FED: fundamentos da economia continuam sólidos, mas coronavírus representa risco

Declaração foi dada pelo presidente do FED, Jerome Powell, em comunicado divulgado nesta sexta-feira

REAL DESVALORIZADO

Real está no topo da lista das moedas de emergentes com maior queda desde janeiro

Segundo o levantamento, o real está atrás até mesmo de moedas como o Rand Sul-africano (ZAR) e o peso colombiano (COP). Mas o movimento de depreciação de moedas emergentes em relação ao dólar não é único no Brasil

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: Como navegar as águas turbulentas do mercado?

O surto de coronavírus pegou os mercados em cheio, provocando enormes perdas ao Ibovespa e fazendo o dólar disparar rumo a novas máximas. Nesse cenário, nossos repórteres discutem como se comportar em meio ao tsunami de notícias negativas e proteger seus investimentos. Confira os destaques da semana: O coronavírus chegou com tudo aos mercados Dólar […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements