Menu
2019-02-23T13:00:17-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
É cilada, Bino

Mais de 930 moedas digitais deixaram de existir em 2018. Saiba quais são as apostas alternativas mais seguras para este ano

As informações são do site Deadcoins. Diante de tantos projetos mal-sucedidos no ano passado, criptomoedas como o Ethereum, Ripple e Iota permaneceram e são algumas das opções interessantes para 2019

23 de fevereiro de 2019
5:00 - atualizado às 13:00
shutterstock_1008262588
Imagem: Shutterstock/Divulgação

Assim como dizia Charles Darwin, o processo de seleção natural deixaria apenas os seres mais bem preparados e capazes de passar os melhores gens para os seus sucessores. Pois bem, não é só na parte animal que esse processo de selecionar os mais capacitados existe. Segundo dados retirados do site Deadcoin, mais de 930 projetos de criptomoedas foram por água abaixo apenas em 2018 por uma série de razões.

Mas o fato de tantas moedas terem deixado de existir não é de todo ruim. Ao conversar com o professor de mestrado em criptoeconomia da FGV, Luiz Calado, ele destacou que isso pode diminuir um pouco aquela euforia de 2017 (ano em que o bitcoin chegou a ter uma alta de mais 1.500% no preço do ativo) e melhorar o crivo dos investidores em busca das criptomoedas com as tecnologias mais aprimoradas.

Ao selecionar esse grupo, alguns dos maiores destaques de altcoins para 2019 são o Ethereum, Ripple e Iota, na opinião de Calado. Esse último é o mais novo das três opções.

Ele foi criado em 2015, mas vem ganhando cada vez mais força porque trabalha com internet das coisas, que seria a ideia de embutir sensores em objetos do dia a dia para coletar dados e tomar decisões por meio de uma rede.

Conhecendo a fundo

Para o professor, a aposta no Iota está ligada ao fato de que a rede criada pela criptomoeda é a que melhor se adapta a internet das coisas. Calado destaca que o foco dela é criar um novo método de conectividade entre dispositivos móveis de forma leve, o que possibilita a coleta e venda de dados.

"Outro ponto de destaque é o fato de que a Iota anunciou recentemente, parceria com a fabricante de engenharia e eletrônica, Bosch. Além disso, o especialista me disse que há muitas pessoas sérias no projeto e que inclusive um dos fundadores é um professor que leciona na Universidade Estadual de Campinas", afirma Calado.

O Ethereum, por sua vez, chama a atenção do professor por conta das vantagens que ele oferece. O interessante é que ele já vem com uma plataforma ideal para realizar aplicações descentralizadas, o que ajuda na hora de criar mercados digitais e de fazer a oferta inicial de moedas (ICOs), segundo o professor.

Ele também é usado para fazer contratos inteligentes ou smart contracts, que são acordos formais escritos em códigos de programação. A vantagem é que não é preciso ter intermediários como advogados, cartório etc, o que torna as transações mais baratas e menos burocráticas.

Já o último caso é o do Ripple. Ele é um ativo digital criado para fazer transferências internacionais e que pode ser usado como uma ponte entre moedas, o que aumenta a sua liquidez e a eficiência.

Segundo Calado, o ponto positivo é que a tecnologia do Ripple já está sendo utilizada pelo Santander. Por meio dele, a instituição consegue realizar transferências internacionais de remessas de câmbio em até duas horas, sendo que o normal é de dois dias.

Além disso, Calado destaca que o time internacional é bastante competente e formado por pessoas com bastante experiência no mercado financeiro, o que ajuda a entender melhor questões de demanda e procura.

Menos risco?

Mesmo que eles sejam as maiores apostas, um fato é claro: é difícil não falar sobre riscos quando o assunto é criptomoedas. Na visão de João Canhada, CEO de uma das maiores corretoras de moedas digitais do Brasil, a Foxbit, o investimento em criptomoedas precisa ser bem pensado.

Segundo ele, a decisão mais segura e aconselhável costuma ser começar pelo Bitcoin. Apenas em seguida seria interessante buscar as moedas alternativas.

"A razão é simples. As altcoins são novas e completamente distintas entre si. A valorização delas pode ser até maior, mas o risco é proporcional. Isso porque o Bitcoin já tem dez anos e já teve a sua tecnologia testada. Por outro lado, as novas moedas precisam ser testadas. Logo, é sempre uma aposta de maior risco", destaca Canhada.

Mas se ainda estiver disposto a se arriscar, a sugestão do CEO é olhar as dez moedas mais negociadas no mundo para ter uma ideia da liquidez delas. Geralmente, os maiores volumes de negociação são de Bitcoins, seguido pelo Ripple e depois pelo Ethereum. Já o Iota não está entre os primeiros, mas está nos "top 10".

Saudades, valorização

Apesar das apostas, a expectativa de alta para as criptomoedas ainda não é tão positiva. Mas há alguns fatores que podem trazer certa valorização para os ativos. Na opinião de Calado, se a SEC (órgão que regula as operações dentro das bolsas de valores norte-americanas e que função semelhante parecida com a nossa Comissão de Valores Mobiliários) aprovar a criação de um "pacote de fundos" conhecido como ETFs de criptomoedas, isso pode ajudar a trazer investidores mais institucionais. Com isso, o preço do ativo pode ficar maior.

Além disso, para o especialista, a maior aceitação de empresas e possíveis acordos com varejistas para compra de produtos por meio de criptoativos podem impactar positivamente.

Mas o cenário ainda é incerto. Isso porque há incertezas que pairam sobre a economia americana.

O especialista destaca que se o dólar se desvalorizar, os investidores podem procurar outros ativos e o bitcoin tem possibilidade de entrar na lista, o que poderia levar a uma apreciação no preço do ativo.

Segurança é o lema

Mas antes de sair por aí investindo, o melhor a fazer é pensar que você pode perder tudo. Por isso, a dica é investir o dinheiro da "pinga e não do leite", como explicou o nosso colunista André Franco aqui. Nada de trabalhar com extremos.

A vantagem das criptomoedas é que é possível investir muito pouco. Logo, vá aos poucos e tenha sempre o maior percentual da sua carteira aplicado em ativos um pouco mais seguros, como a renda fixa.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

reta final de negociações

Senado americano aprova “pacote Biden” de US$ 1,9 trilhão

Agora, o pacote voltará para a Câmara dos Representantes, que analisará as alterações feitas no texto pelos senadores. Se for aprovado, o projeto será enviado à Casa Branca para a sanção do presidente

entrevista

‘Episódio Petrobras deu um susto grande nos investidores’, diz economista do Itaú

O economista-chefe do Itaú Unibanco, Mario Mesquita, diz também estar preocupado com as incertezas políticas, que ameaçam o crescimento do PIB

Dificuldades À vista?

Deputados falam em reduzir medidas de ajuste fiscal do texto da PEC do auxílio

Embora defenda celeridade na análise da proposta, Albuquerque admite que o texto pode ser enxugado

escolha da CEO

Investir no Brasil: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come

Confira uma seleção de matérias feita pela CEO do Seu Dinheiro, Marina Gazzoni

Efeitos da pandemia

PEC do auxílio aprovada no Senado prevê abater R$ 100 bi da dívida pública

Pelos cálculos do governo, a necessidade de financiamento da dívida pública federal (DPF) neste ano é de R$ 1,469 trilhão, valor que aumentou por causa do maior volume de títulos de curto prazo que o governo precisou emitir para conseguir captar recursos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies