Menu
2019-04-05T10:20:30-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Briga de sócios

Renova deve pedir novo prazo ao BNDES para quitar dívida, diz jornal

Até setembro do ano passado, valor da dívida chegava a R$ 950,40 milhões

7 de janeiro de 2019
8:31 - atualizado às 10:20
Central de energia eólica da Cemig
Imagem: Elena Fragoso/Shutterstock

Uma disputa entre sócios deve fazer a Renova Energia a adiar sua reestruturação e pedir um prazo adicional para quitar a dívida com o Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES), que vence no próximo dia 15.

A informação é do jornal "Valor Econômico" desta segunda-feira, 7.

Até setembro do ano passado, valor da dívida chegava a R$ 950,40 milhões, ainda segundo o jornal.

A estatal mineira Cemig e a Light, que detém juntas 53,4% da Renova, são favoráveis à oferta feita pela AES Tietê para adquiri o Complexo Eólico Alto Sertão III.

*Conteúdo em atualização

 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

nos estados unidos

Remuneração de CEOs cresceu em meio à pandemia

Recuperação do mercado de ações impulsionou ganhos de executivos em 2020, que tiveram remuneração média de US$ 13,7 mi no período

Após estremecimentos

China quer parceria estratégia com Brasil, diz chanceler asiático

Chanceler chinês, Wang Yi, falou com o novo ministro das Relações Exteriores do Brasil, Carlos Alberto Franco França.

entrevista

Bittar reafirma que Guedes sabia de acordo para destinar verba a emendas

Apontado como um dos artífices da “maquiagem” no Orçamento, o senador Marcio Bittar diz que não chegou sozinho ao valor de R$ 29 bilhões em emendas

Apesar da pandemia

Saúde perde espaço em emendas parlamentares

Números mostram estratégia dos parlamentares para destinar recursos para obras e projetos de interesse eleitoral em seus redutos

Renovação do Conselho

Comitê interno da Petrobras desaprova dois nomes indicados ao Conselho

Indicados foram considerados inaptos pelo Comitê de Pessoas por terem atuado em empresas com relação direta com a estatal nos últimos três anos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies