Menu
2019-10-14T14:13:24-03:00
Buscando alternativas

Empresas trocam BNDES por mercado

Setores como o de infraestrutura, que sempre dependeram do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), têm optado pelo mercado de capitais

4 de julho de 2019
8:53 - atualizado às 14:13
BNDES
Imagem: Agência Brasil

O volume de dinheiro captado pelas empresas brasileiras no mercado de capitais foi três vezes maior que os desembolsos feitos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) nos últimos 12 meses. Com juros mais baixos e dinheiro disponível, as companhias encontraram no apetite de investidores o espaço para substituir os empréstimos do banco de fomento por emissões de títulos e ações nos mercados interno e externo.

Levantamento do Centro de Estudos de Mercado de Capitais da Fipe (Cemec) mostra que até março as emissões, em 12 meses, somaram R$ 220 bilhões. Os desembolsos do BNDES ficaram em R$ 58 bilhões no período. Há quatro anos, as posições eram inversas: em 2015, o mercado de emissão de dívidas e ações somou R$ 115 bilhões e o BNDES, R$ 165,9 bilhões. “O mercado de capitais conseguiu compensar o BNDES”, afirma Carlos Antonio Rocca, diretor do Cemec.

Segundo ele, a queda da Selic - hoje em 6,5% ao ano - e a redução da oferta de financiamentos do BNDES com taxas subsidiadas criou um ambiente adequado para o mercado de capitais. De um lado, as empresas foram obrigadas a buscar opções para se financiar. Do outro, os investidores precisaram encontrar modalidades mais rentáveis que os títulos públicos para melhorar o retorno de suas aplicações.

Pelos dados do Cemec, as taxas de juros das debêntures, do BNDES e dos bancos (para os melhores clientes) estão muito próximas - entre 8,26% e 10,8%. “Isso criou um mercado competitivo, pelo menos, para as empresas mais qualificadas”, diz Rocca. A expectativa é que as emissões de dívidas e ações continuem em ascensão no Brasil e o BNDES adote uma postura voltada ao desenvolvimento de alguns setores. Segundo o Cemec, os desembolsos do banco para micro, pequena e média empresa subiram de 2016 para cá, de 30,8% para 43,1%. Para grandes empresas, recuou de 69,1% para 56,8%.

Opções

O que se vê nos últimos anos é que, mesmo setores como infraestrutura, que sempre dependeram do banco, têm optado pelo mercado de capitais. A geradora de energia francesa Engie, por exemplo, acabou de anunciar uma emissão de até R$ 1,6 bilhão em debêntures para financiar alguns projetos eólicos e hídricos, com prazos de 7 e 10 anos.

O sócio do escritório Pinheiro Neto Advogados, Ricardo Russo, acredita que o BNDES continuará tendo papel de importância como banco de desenvolvimento. “Mas seu porcentual de participação no financiamento à infraestrutura tende a cair ainda mais se o País conseguir adotar medidas que atraiam os estrangeiros.”

Como em debêntures, o mercado de ações também está movimentado. As operações engatilhadas para este mês têm potencial para chegar a um total de R$ 25 bilhões. Só a oferta da BR Distribuidora deve chegar a R$ 9 bilhões, com a venda de parte da participação da Petrobrás na empresa. O potencial para o ano é, ainda, de bater o recorde histórico de 2007.

Rocca afirma, porém, que para o mercado de capitais se consolidar os prazos de resgate ou amortização precisam ser ampliados ainda mais. Entre janeiro e abril, 2,9% das emissões tinham prazos superiores a 15 anos enquanto no banco estatal esse porcentual é de 8,6%. Com a retomada dos investimentos, que despencou para menor patamar em 50 anos, esse fator tende a ser preponderante. O BNDES foi procurado, mas não quis comentar.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Fuga

Saída de dólar supera entrada em US$ 10,791 bilhões no ano até dia 27 de março, diz BC

Fluxo cambial do ano até 27 de março ficou negativo em US$ 10,791 bilhões, diz BC; em igual período de 2019, resultado era positivo em US$ 4,444 bilhões

Medidas sociais

PEC do orçamento de guerra é assinada por Rodrigo Maia e outros 7 deputados

PEC que cria o Orçamento de Guerra já tramita na Câmara. Ela é assinada pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e outros sete deputados

Sem dividendos

Autoridade bancária europeia pede que bancos não paguem dividendos

Autoridade diz que apoia medidas tomadas até agora para garantir que os bancos tenham uma base de capital robusta e deem o apoio necessário à economia

UM DOS TRADERS MAIS EXPERIENTES DO BRASIL

Por que decidi voltar a investir na Bolsa aos 80 anos e após 25 anos fora do mercado

Após um quarto de século, volto para a Bolsa. Como não tenho necessidade imediata de dinheiro, simplesmente tenho certeza de que vou ganhar.

medidas anticrise

Governo anuncia R$ 51 bi para complementar salário de quem tiver jornada menor

Uma medida provisória com ações na área de trabalho e emprego deve ser enviada ao Congresso até quinta, 2, de acordo com o Palácio do Planalto

emergência

Bolsonaro diz que sanciona nesta quarta-feira auxílio a informais

Valores serão pagos durante três meses, podendo ser prorrogados enquanto durar a calamidade pública devido à pandemia do novo coronavírus

outro rumo

Saída de capital de emergentes registrou recorde de US$ 83,3 bi em março, diz IIF

Diferentemente de janeiro e do início de fevereiro, quando as saídas de capital foram restritas aos emergentes da Ásia, no mês passado houve fluxos de saída recorde em todas as regiões de emergentes

prioridades

‘Ninguém vai mexer no teto de gastos e nem criar despesas futuras’, diz Maia

Presidente da Câmara disse que Parlamento pode votar reforma administrativa, desde que governo encaminhe o projeto

Efeitos da quarentena

Fundo imobiliário HSI Malls (HSML11) reduz rendimento de março em mais de 60% em razão do coronavírus

FII distribuirá rendimento próximo de CDI mensal para preservar caixa, uma vez que shoppings da carteira se encontram fechados.

situação complicada

S&P corta projeção de crescimento global em 2020 de 1,0% para 0,4%

De acordo com a S&P, o principal driver para a desaceleração será o crescimento 1,00 ponto porcentual menor nos Estados Unidos e na Europa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements