Menu
2019-06-17T11:19:06-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
E agora?

BNDES: Procura-se um presidente para encolher um banco e que seja resistente a altas temperaturas

Guedes já vinha demonstrando sua insatisfação com a condução da instituição, mas o uso de questão ideológica para mudança de comando não é bom sinal

17 de junho de 2019
11:19
O presidente do BNDES, Joaquim Levy, e o ministro da Economia Paulo Guedes,
Joaquim Levy e Paulo Guedes - Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Se for para ter o maior lucro possível, emprestando com garantia e só para campeão nacional, vocês estão fazendo o que aqui, além de garantir os próprios bônus, salários e as boas instalações?

O questionamento acima foi feito pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, durante o 31º Fórum Nacional, em 10 de maio. Ao seu lado na bancada estava o então presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Joaquim Levy, e na plateia funcionários do banco.

Antes disso, Guedes já tinha demonstrado inconformismo com uma operação que estava autorizada no banco para financiar um bureau de crédito formando por Bradesco, Itaú, Santander, Caixa e Banco do Brasil. Para Guedes, era “o fim do mundo” o BNDES fazer esse tipo de operação, que no fim não saiu.

O ministro também criticou outras operações do banco, com frigoríficos e empresas de celulose, e falou que a instituição tinha de ganhar sua independência institucional, passando adiante apenas os projetos que sejam bons e atendam a critérios técnicos e sociais.

Apesar de elogios a Levy, outras “cutucadas” na instituição aconteceram naquele dia, como uma certa ironia com relação à qualidade e “bom gosto” do lanche que Guedes disse ter feito no BNDES. O ministro também se conteve e disse que “vou falar demais” e mudou de assunto, após alguém na plateia rebater a questão do lanche, que no Ministério da Economia, é uma "gororoba" que se manda comprar em qualquer lugar.

O incômodo de Guedes estava evidente tinha algum tempo. O ministro e outros membros do Ministério vinham acirrando a cobrança por devolução de recursos do Tesouro e a venda de participações em empresas. Mas criou-se a percepção de que Levy teria cedido ao corporativismo dos funcionários do banco, que ele falhou em mostrar que o banco teria de mudar de tamanho e ter nova orientação.

Tudo bem que a linha do ministro e de Bolsonaro seja "it's my way or the highway" (faça do meu jeito ou caia fora). Mas o que surpreendeu de forma negativa gente dentro e fora do mercado foi o uso de questão ideológica para demissão de Levy, ainda mais de forma pública. Sem ser questionado, o presidente Jair Bolsonaro dá um ultimato ao presidente de um banco público e o “chefe” direto, no caso Guedes, endossa a fritura sem pestanejar.

Agora, como me disse o amigo, procura-se alguém para “entrar nessa frigideira”. Quem vai aceitar o cargo sabendo que estará sujeito a caprichos ideológicos do presidente e seu entorno, sem defesa do chefe imediato e ainda tendo de lidar com as demandas do corpo de funcionários?

Quem vai conduzir o processo de reorientação e redução de um banco de fomento sem sucumbir à mediocridade ideológica?

Para encerrar de forma descontraída, a piada nas redes sociais é que demitir Joaquim Levy dá um azar danado.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

atenção, acionista

Weg e Lojas Renner anunciam juros sobre capital próprio; confira valores

Empresa de fabricação e comercialização de motores elétricos paga R$ 86,1 milhões; provento da varejista chega a R$ 88 milhões

Alívio no câmbio

Dólar fica abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez em mais de um ano — e o empurrão veio dos BCs

O dólar à vista terminou o dia em R$ 4,96, ficando abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez desde 10 de junho de 2020. O Ibovespa caiu

Constitucionalidade em xeque

Autonomia do Banco Central: STF retoma julgamento no dia 25, mas recesso pode estender votação até agosto

A lei em análise restringe os poderes do governo federal sobre a autoridade máxima da política monetária do País

nos eua

Presidente do Fed descarta elevação preventiva de juros e vê inflação atual como temporária

Jerome Powell atribuiu a alta dos preços à retomada da demanda em quadro de oferta ainda limitada em alguns segmentos

espaço para mais ganhos

Credit Suisse vê Totvs protegida contra inflação e aponta impulso com PIB

Analistas do banco lembram que empresa repassa a alta dos preços para os contratos anuais; papéis TOTS3 já subiram mais de 80% no último ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies