Menu
2019-08-08T13:59:06-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
nos ares

No setor aéreo, demanda global acelera em junho

RPK expandiu 5,0% em junho ante igual mês de 2018 – pouco acima da alta de 4,7% verificada em maio -, segundo a Iata

8 de agosto de 2019
13:56 - atualizado às 13:59
Aeroporto
Imagem: Shutterstock

A demanda mundial por transporte aéreo de passageiros (medida em número de passageiros por quilômetro voado, ou RPK) expandiu 5,0% em junho ante igual mês de 2018 - pouco acima da alta de 4,7% verificada em maio -, informou a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês) nesta quinta-feira, 8.

A entidade reúne cujas companhias associadas somam 82% do tráfego aéreo global.

No mesmo período, a oferta de assentos (assentos-quilômetros ofertados, ou ASK) aumentou 3,3%, resultando em uma alta de 1,4 ponto porcentual (p.p.) da taxa de ocupação dos voos, para 84,4%, nível recorde para meses de junho.

Guerra comercial

A Iata observa que, há um ano, as taxas de crescimento eram mais robustas, em torno de 7,6%. Isso reflete, segundo a entidade, incertezas econômicas e as tensões comerciais entre grandes potências, como EUA e China.

Na abertura por regiões, África e Oriente Médio apresentaram as maiores taxas de crescimento na base anual (11,7% e 7,8%, respectivamente). Com exceção do Oriente Médio, todas as regiões atingiram taxas de ocupação recordes para um mês de junho.

Na América Latina, a demanda aérea subiu 5,8% ante junho de 2018, enquanto a oferta cresceu 2,5%, resultando em um aumento de 2,6 p.p. da taxa de ocupação, para 84,0%. "O enfraquecimento das condições econômicas em uma série de países da América Latina, incluindo Argentina e Brasil, fez com que o FMI reduzisse suas projeções econômicas para a região em 2019 e enfraqueceu a demanda por transporte aéreo."

Especificamente em relação ao Brasil, a associação de companhias aéreas afirma que o tráfego aéreo doméstico caiu 5,7% em junho ante igual mês de 2018, piorando na comparação com o recuo de 2,7% registrado em maio.

"A forte baixa reflete principalmente o colapso da Avianca Brasil, quarta maior empresa do mercado brasileiro, que detinha aproximadamente 14% de participação de mercado."

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

pacote comercial

Brasil e EUA assinam acordo para facilitar comércio e desburocratizar regulação

O Acordo de Comércio e Cooperação Econômica vinha sendo negociado pelos dois países desde 2011, mas estava em hibernação até a eleição do presidente Jair Bolsonaro

Relatório de produção

Vale: Produção de minério vai a 88,676 milhões/toneladas, alta anual de 2,3%

No relatório que divulgou nesta segunda-feira, 19, a companhia informa que está evoluindo com seu plano de estabilização e entregou uma forte produção de minério de ferro no terceiro trimestre.

Buscando eficiência

Infraestrutura anuncia início do plano de incorporação da Valec e EPL

Segundo a pasta, um dos principais objetivos da incorporação é “otimizar os gastos por meio de uma empresa mais enxuta, eficiente e sustentável”.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Segurando o teto

Hoje foi dia de descolamento entre o Ibovespa e as bolsas americanas novamente. E tudo por causa dos impasses que vêm pesando sobre as perspectivas dos investidores nos últimos tempos. Mas desta vez o jogo virou. Foi a bolsa brasileira que se saiu bem, enquanto as bolsas americanas amargaram perdas. Lá fora, o vaivém das […]

Agora vai?

Agora é oficial: CSN entra com pedido de IPO da unidade de mineração

A abertura de capital da unidade da CSN que inclui a mina Casa de Pedra é aguardada há pelo menos uma década, a ponto de ganhar status de lenda urbana no mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies