Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-08-08T13:59:06-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
nos ares

No setor aéreo, demanda global acelera em junho

RPK expandiu 5,0% em junho ante igual mês de 2018 – pouco acima da alta de 4,7% verificada em maio -, segundo a Iata

8 de agosto de 2019
13:56 - atualizado às 13:59
Aeroporto
Imagem: Shutterstock

A demanda mundial por transporte aéreo de passageiros (medida em número de passageiros por quilômetro voado, ou RPK) expandiu 5,0% em junho ante igual mês de 2018 - pouco acima da alta de 4,7% verificada em maio -, informou a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês) nesta quinta-feira, 8.

A entidade reúne cujas companhias associadas somam 82% do tráfego aéreo global.

No mesmo período, a oferta de assentos (assentos-quilômetros ofertados, ou ASK) aumentou 3,3%, resultando em uma alta de 1,4 ponto porcentual (p.p.) da taxa de ocupação dos voos, para 84,4%, nível recorde para meses de junho.

Guerra comercial

A Iata observa que, há um ano, as taxas de crescimento eram mais robustas, em torno de 7,6%. Isso reflete, segundo a entidade, incertezas econômicas e as tensões comerciais entre grandes potências, como EUA e China.

Na abertura por regiões, África e Oriente Médio apresentaram as maiores taxas de crescimento na base anual (11,7% e 7,8%, respectivamente). Com exceção do Oriente Médio, todas as regiões atingiram taxas de ocupação recordes para um mês de junho.

Na América Latina, a demanda aérea subiu 5,8% ante junho de 2018, enquanto a oferta cresceu 2,5%, resultando em um aumento de 2,6 p.p. da taxa de ocupação, para 84,0%. "O enfraquecimento das condições econômicas em uma série de países da América Latina, incluindo Argentina e Brasil, fez com que o FMI reduzisse suas projeções econômicas para a região em 2019 e enfraqueceu a demanda por transporte aéreo."

Especificamente em relação ao Brasil, a associação de companhias aéreas afirma que o tráfego aéreo doméstico caiu 5,7% em junho ante igual mês de 2018, piorando na comparação com o recuo de 2,7% registrado em maio.

"A forte baixa reflete principalmente o colapso da Avianca Brasil, quarta maior empresa do mercado brasileiro, que detinha aproximadamente 14% de participação de mercado."

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa na onda das commodities, short de Nubank e o fim das ações das Lojas Americanas: veja as principais notícias do dia

Entre importar o otimismo ou o pessimismo do exterior, a bolsa brasileira tem preferido a primeira opção, nos últimos dias. Em mais um dia negativo para as bolsas americanas, o Ibovespa novamente nadou contra a maré vermelha e fechou em alta, impulsionado pelo avanço dos preços das commodities – sobretudo do minério de ferro. Com […]

Fechamento Hoje

Ibovespa novamente contraria exterior, sobe mais de 1% e fecha acima dos 108 mil pontos; dólar cai abaixo de R$ 5,50

Mesmo com dia negativo em Nova York, Ibovespa é impulsionado pelas commodities; varejistas e techs se recuperam com alívio nos juros futuros

CRYPTO NEWS

Cada vez mais países devem formar reservas de Bitcoin ao longo de 2022; entenda como você pode aproveitar

Você provavelmente já viu uma imagem similar a esta abaixo. Ela mostra o conceito da curva de adoção, em S, de uma nova tecnologia ou produto. A curva em formato de sino é um reflexo da curva em S, mostrando o tamanho, ao longo do tempo, dos públicos que aderem a tal inovação. Malcolm Gladwell […]

NOVAS BAIXAS

Dois secretários e um diretor do Ministério da Economia pedem demissão do cargo; saiba quem são os substitutos

Um dos secretários vai para a Funpresp-Exe e o outro, para o Legislativo. Receita Federal diz que saída de seu diretor ocorreu a pedido do servidor

CONCESSÃO RECORDE

Caixa bate recorde em 2021 ao conceder R$ 140,6 bi em crédito habitacional e diz não esperar mais altas nos juros no financiamento imobiliário; entenda

O executivo afirmou que a Caixa segue os juros futuros com vencimento em oito anos para definir as taxas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies